domingo, 30 de agosto de 2015

Os Arminianos e a Sola Scriptura

Graça e Paz, curtidores e seguidores do nosso blog e página "Cristianismo Underground".


O Artigo de hoje é sobre o tema da Sola Scriptura (Somente a Escritura) e a Teologia Arminiana. Muitos sabem que já faz mais de um ano que deixei de ser calvinista. E agora após estudos, leituras e reflexões, me identifico mais com a teologia Arminiana. E antes de tudo  algumas observações devem ser feitas antes de iniciar o breve artigo.

Primeira observação:
1    1-     O artigo não é de cunho acadêmico, por este motivo não seguirei as regras da ABNT no meu blog.
2- O motivo do post é só para esclarecer alguns mitos que são ditos sobre a teologia arminiana e que deve ser desmistificado. Abaixo segue o breve artigo.





Alguns teólogos acusam a teologia Arminiana clássica e Wesleyana de negar o princípio da Sola Scriptura. Talvez essa acusação, seja por falta de leitura da teologia arminiana escrita por Arminianos, ou por desonestidade intelectual mesmo. Outros, acusam a teologia arminiana de se basear mais na filosofia do que nas Sagradas Escrituras. Mas isso é um erro, pois assim como a ortodoxia protestante, os arminianos acreditam na Sola Scriptura. Segundo Olson (2013,  p. 107): “os Arminianos creem e seguem o princípio da Sola Scriptura (Escritura acima de quaisquer outras fontes e normas) na teologia.” [1]

No post de hoje iremos de forma rápida, citar algumas frases ditas por Armínio e Teólogos Arminianos que comprovam que a teologia Arminiana está de acordo com esse princípio da Reforma Protestante.  

O que Armínio disse sobre a Sola Scriptura? Para Armínio, a única esperança da humanidade ter o verdadeiro conhecimento de Deus, jaz na revelação divina: Armínio, citado por Olson (2013, p.107): “Toda nossa esperança ... para alcançar este conhecimento [teológico] está colocada na revelação divina”, pois” Deus não pode ser conhecido exceto por meio dele mesmo.” [2]

E onde podemos encontrar essa revelação de Deus? Onde Deus revelou a si mesmo? Primeiro e acima de tudo em Jesus Cristo, que é revelado pela Escritura.

Outra citação, que merece destaque aqui no nosso texto: “Conferimos unicamente à palavra de Deus a honra apropriada e devida, e a estabelecemos além (ou preferencialmente acima) de todas as disputas, grande demais para ser sujeitada a qualquer exceção e digna de toda aceitação” e “ a igreja sempre tem Moisés e os Profetas, os Evangelistas e os Apóstolos, - ou seja, as Escrituras do Antigo e Novo Testamento, e estas escrituras plena e claramente abrangem tudo o que é necessário para a salvação.” [3]

 Por fim, outra fase do Armínio: “A regra da Verdade Teológica não é dupla, uma Primária e a outra Secundária; mas é uma e simples, as Sagradas Escrituras.” [4]

E o que o João Wesley falou acerca das escrituras?

O teólogo metodista evangélico Thomas Oden e autoridade em Wesley, rebateu as acusações de que John Wesley negava o Sola Scriptura. Oden cita:

"É a 'fé dos protestantes' em acreditar em nada mais ou nada menos que está manifestamente contido e provado pelas Santas Escrituras. A palavra escrita é a única e plena regra de sua fé, assim como prática. Acreditamos que a Escritura seja de Deus. Somos orientados a não sermos sábios acima do que está escrito. Não devemos impor nada que a Bíblia claramente não imponha. Não devemos proibir nada que ela claramente não proíba." [5]

E o que a teologia Wesleyana ensina?

O metodista Richard Watson, do século XIX, segue o mesmo princípio, ele afirmou: “Quando uma doutrina nos é claramente revelada, permanecendo como permanece sobre uma autoridade infalível [Escritura], nenhuma doutrina contrária pode ser verdadeira; isso é, na verdade, o mesmo que dizer que as opiniões humanas devem ser testadas pela autoridade divina, e que a revelação deve ser consistente consigo mesma.” [6]

E o quadrilátero Wesleyano [Escritura, Tradição, Razão e experiência]? Esse método utilizado, não põe por água abaixo o princípio da Sola Scriptura? Estariam todos no mesmo patamar? Estaria a razão acima das Escrituras?
Veja o que o teólogo Nazareno “ H. Ray Dunning”, fala pelos herdeiros de Wesley (movimentos de Santidade):
“Seguindo João Wesley, a teologia Wesleyana sempre construiu sua obra doutrinária sobre quatro pilares essenciais comumente referidos como quadrilátero Wesleyano. Além da Escritura, elas são a tradição, razão e experiência. Estas, todavia, não estão em pé de igualdade. Na verdade, se propriamente entendidas, as três fontes auxiliares corroboram diretamente a prioridade da autoridade bíblica.” [7] DUNNING, H. Ray. Grace, Faith, and Holiness. Kansas City, Mo.: Beaconc Hill, 1998. p.77

Portanto, percebemos que a teologia arminiana, sejam outorgadas pelos os Arminianos clássicos e os Metodistas, seguiram esse princípio da reforma protestante. E aos acusadores que ainda insistem em fazer falsas acusações, cabem a eles demostrarem com citações que neguem que os Arminianos neguem este princípio, a partir das fontes arminianas clássicas.



Fontes: OLSON, Roger. Teologia Arminiana: Mitos e Realidades, pg.107[1]
ARMINIUS. “Oration III”, Works.v.v1,p.374 [2]
ARMINIUS. “Oration III”, Works.v.v1,p. 701, 723.  [3]
ARMINIUS. Works.v.2 ,p. 706 [4]
ODEN, Thomas, John Wesley’s Scriptural Christianity. Grand Rapids: Zondervan, 1994. P.56 [5]
WATSON, Richard, Theological Institutes, Or, a view of The Evidences, Doctrines, Morals, and Institutions of Christianity. New York: Lane & Scott, 1851. v.1,p. 99. [6]
 DUNNING, H. Ray. Grace, Faith, and Holiness. Kansas City, Mo.: Beaconc Hill, 1998. p.77 [7]

0 comentários:

Postar um comentário

domingo, 30 de agosto de 2015

Os Arminianos e a Sola Scriptura

Graça e Paz, curtidores e seguidores do nosso blog e página "Cristianismo Underground".


O Artigo de hoje é sobre o tema da Sola Scriptura (Somente a Escritura) e a Teologia Arminiana. Muitos sabem que já faz mais de um ano que deixei de ser calvinista. E agora após estudos, leituras e reflexões, me identifico mais com a teologia Arminiana. E antes de tudo  algumas observações devem ser feitas antes de iniciar o breve artigo.

Primeira observação:
1    1-     O artigo não é de cunho acadêmico, por este motivo não seguirei as regras da ABNT no meu blog.
2- O motivo do post é só para esclarecer alguns mitos que são ditos sobre a teologia arminiana e que deve ser desmistificado. Abaixo segue o breve artigo.





Alguns teólogos acusam a teologia Arminiana clássica e Wesleyana de negar o princípio da Sola Scriptura. Talvez essa acusação, seja por falta de leitura da teologia arminiana escrita por Arminianos, ou por desonestidade intelectual mesmo. Outros, acusam a teologia arminiana de se basear mais na filosofia do que nas Sagradas Escrituras. Mas isso é um erro, pois assim como a ortodoxia protestante, os arminianos acreditam na Sola Scriptura. Segundo Olson (2013,  p. 107): “os Arminianos creem e seguem o princípio da Sola Scriptura (Escritura acima de quaisquer outras fontes e normas) na teologia.” [1]

No post de hoje iremos de forma rápida, citar algumas frases ditas por Armínio e Teólogos Arminianos que comprovam que a teologia Arminiana está de acordo com esse princípio da Reforma Protestante.  

O que Armínio disse sobre a Sola Scriptura? Para Armínio, a única esperança da humanidade ter o verdadeiro conhecimento de Deus, jaz na revelação divina: Armínio, citado por Olson (2013, p.107): “Toda nossa esperança ... para alcançar este conhecimento [teológico] está colocada na revelação divina”, pois” Deus não pode ser conhecido exceto por meio dele mesmo.” [2]

E onde podemos encontrar essa revelação de Deus? Onde Deus revelou a si mesmo? Primeiro e acima de tudo em Jesus Cristo, que é revelado pela Escritura.

Outra citação, que merece destaque aqui no nosso texto: “Conferimos unicamente à palavra de Deus a honra apropriada e devida, e a estabelecemos além (ou preferencialmente acima) de todas as disputas, grande demais para ser sujeitada a qualquer exceção e digna de toda aceitação” e “ a igreja sempre tem Moisés e os Profetas, os Evangelistas e os Apóstolos, - ou seja, as Escrituras do Antigo e Novo Testamento, e estas escrituras plena e claramente abrangem tudo o que é necessário para a salvação.” [3]

 Por fim, outra fase do Armínio: “A regra da Verdade Teológica não é dupla, uma Primária e a outra Secundária; mas é uma e simples, as Sagradas Escrituras.” [4]

E o que o João Wesley falou acerca das escrituras?

O teólogo metodista evangélico Thomas Oden e autoridade em Wesley, rebateu as acusações de que John Wesley negava o Sola Scriptura. Oden cita:

"É a 'fé dos protestantes' em acreditar em nada mais ou nada menos que está manifestamente contido e provado pelas Santas Escrituras. A palavra escrita é a única e plena regra de sua fé, assim como prática. Acreditamos que a Escritura seja de Deus. Somos orientados a não sermos sábios acima do que está escrito. Não devemos impor nada que a Bíblia claramente não imponha. Não devemos proibir nada que ela claramente não proíba." [5]

E o que a teologia Wesleyana ensina?

O metodista Richard Watson, do século XIX, segue o mesmo princípio, ele afirmou: “Quando uma doutrina nos é claramente revelada, permanecendo como permanece sobre uma autoridade infalível [Escritura], nenhuma doutrina contrária pode ser verdadeira; isso é, na verdade, o mesmo que dizer que as opiniões humanas devem ser testadas pela autoridade divina, e que a revelação deve ser consistente consigo mesma.” [6]

E o quadrilátero Wesleyano [Escritura, Tradição, Razão e experiência]? Esse método utilizado, não põe por água abaixo o princípio da Sola Scriptura? Estariam todos no mesmo patamar? Estaria a razão acima das Escrituras?
Veja o que o teólogo Nazareno “ H. Ray Dunning”, fala pelos herdeiros de Wesley (movimentos de Santidade):
“Seguindo João Wesley, a teologia Wesleyana sempre construiu sua obra doutrinária sobre quatro pilares essenciais comumente referidos como quadrilátero Wesleyano. Além da Escritura, elas são a tradição, razão e experiência. Estas, todavia, não estão em pé de igualdade. Na verdade, se propriamente entendidas, as três fontes auxiliares corroboram diretamente a prioridade da autoridade bíblica.” [7] DUNNING, H. Ray. Grace, Faith, and Holiness. Kansas City, Mo.: Beaconc Hill, 1998. p.77

Portanto, percebemos que a teologia arminiana, sejam outorgadas pelos os Arminianos clássicos e os Metodistas, seguiram esse princípio da reforma protestante. E aos acusadores que ainda insistem em fazer falsas acusações, cabem a eles demostrarem com citações que neguem que os Arminianos neguem este princípio, a partir das fontes arminianas clássicas.



Fontes: OLSON, Roger. Teologia Arminiana: Mitos e Realidades, pg.107[1]
ARMINIUS. “Oration III”, Works.v.v1,p.374 [2]
ARMINIUS. “Oration III”, Works.v.v1,p. 701, 723.  [3]
ARMINIUS. Works.v.2 ,p. 706 [4]
ODEN, Thomas, John Wesley’s Scriptural Christianity. Grand Rapids: Zondervan, 1994. P.56 [5]
WATSON, Richard, Theological Institutes, Or, a view of The Evidences, Doctrines, Morals, and Institutions of Christianity. New York: Lane & Scott, 1851. v.1,p. 99. [6]
 DUNNING, H. Ray. Grace, Faith, and Holiness. Kansas City, Mo.: Beaconc Hill, 1998. p.77 [7]

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
;