segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Entrevista com a banda de Heavy Metal 'Templo de Fogo'


Olá Headbangers e apreciadores do Metal.  Nós da página "Cristianismo & Underground" continuamos nossa maratona de entrevista com as bandas brasileiras. E a Entrevista de hoje é com a veterana Templo de Fogo.
A banda já está na estrada há 17 anos. E com uma boa discografia: GUERREIROS - 1998; LIVRAMENTO - 1999; SACRIFÍCIO - 2002; JUDGMENT - 2003; SONHO REAL - 2005; BABILÔNIA - 2009; O PREÇO - 2013 e  A MARCA -2015. Recentemente a banda lançou o álbum " A Marca" e com ele um clipe, onde a banda demostra o bom e velho Heavy Metal Cantando em Português.
Segue a entrevista abaixo, feita por Edy Marques:

1 - Nos conte um pouco sobre a banda, como e quando surgiu a banda?

Moisés: A Templo de Fogo surgiu em 1998. Fazíamos parte de um grupo de louvor na Igreja Renascer em Cristo de Itu.

Zé Ronaldo: Basicamente o Templo de Fogo surgiu com a iniciativa do vocalista Moisés. Ele era integrante de uma banda chamada Sagrada Cruz, mas sentiu necessidade de romper e começar um novo projeto; Naquele tempo, ele era mais experiente, casado, com filhos e já com uma grande caminhada na música. Eu era apenas um adolescente e inexperiente com este cenário – Moisés foi paciente, me ensinando os passos para se tornar um baterista. A evolução da banda foi apenas consequência; nome, músicas, gravação, mas o Templo de Fogo deve reconhecimento a essa atitude do Moisés.     

2- Quais influências musicais da banda?

Moisés: Bloodgoood, Stryper, Helloween, Iron Maiden, Black Sabath, Sacred Warrior.

Zé Ronaldo: Concordo com essa lista do Moisés, grandes bandas, apenas acrescento bandas antigas e algumas atuais como Holy Soldier, Jacobs Dream, Bride, Guardian, Whitecross, BarrenCross, Oficina G3 (hard Rock), Skillet (metal alternativo), Narnia, Balance of Power, Rob Rock, Impellitteri, seventh avenue (heavy metal), deliverance e Tourniquet.       


 3- Sabemos que não é fácil fazer um Heavy metal cantado em português, principalmente com uma temática cristã. Pois infelizmente, existe uma desvalorização do metal cantado em português no Brasil. Qual o fator que levaram vocês a optar por cantar em português?

Moisés: Eu sempre gostei de cantar em português e as bandas brasileiras que assim faziam eram demais! Começamos cantando em português e a galera aceitou muito bem. As resenhas que saíram em revistas como a Rock Brigade e Metal Mission foram bem positivas e isso nos deu bastante motivação!

Zé Ronaldo: Devemos lembrar antes de tudo que somos Cristãos e temos um compromisso, que se baseia em uma missão de proclamar a palavra de Deus (Mc.16.15), não podemos e não devemos criar uma banda; ou ter um trabalho, uma família, montarmos um negócio e esquecermos desta ordem. Acredito que isso se relaciona ao nosso posicionamento de cantar em português, ter letras fortes e impactantes – o objetivo é tocar pessoas, e ao longo dos anos, temos vários testemunhos de pessoas não cristãs sendo alcançadas pelas letras e também de cristãos que acabam sendo fortalecidos na fé.       

Acham que essa desvalorização está diminuindo?

Moisés: Acredito que existam pessoas condenadas por um modismo. Nada que esteja fora daqueles padrões estabelecidos por grandes selos possa ser alterado ou aquelas pessoas que acreditam que metal em inglês soa melhor. Bom , existe a questão do gosto também e isso tem que ser respeitado. Eu gosto de ouvir o som que fazemos e acredito que qualquer músico precisa antes de tudo gostar da música que produz. A Templo de Fogo não pode reclamar. Desde 1998 fazendo metal em português com 2 demos, 4 singles e 2 Álbuns! Sempre com o incentivo do nosso público. 


 4- Todos os trabalhos da banda foram lançados de forma independente?

Moisés: Sim! O Sonho Real teve a produção dos amigos Dennis Martins e Sebastian Amorim e foi um trabalho maravilhoso.

5- Da discografia que vocês lançaram, qual o melhor Álbum pra vocês, ou qual o mais especial? Por quê?

Moisés: Os dois foram incríveis. O “Sonho Real” que foi gravado em 2005 teve uma ótima repercussão e "A Marca" está sendo fantástico.

Zé Ronaldo: Cada Álbum é acompanhado por uma fase da banda, aprendizados e mudanças. As músicas do Templo de Fogo falam sobre nossa fé, mas também relatam um pouco do que estamos vivendo naquele momento – então, em cada lançamento, temos um carinho especial pelas músicas, definir dessa forma é um pouco complicado, mas a primeira demo “Guerreiros” foi fantástica para nós como início de Banda, outro trabalho foi o “Sacrifício” com grande repercussão internacional e com a impactante música “Tua Voz”.   

6- Nesses 17 anos de banda e em suas apresentações, qual o show que mais marcaram vocês?

Zé Ronaldo: Cada Show possuí uma história diferente e novas expectativas, talvez cada integrante da banda falará o seu preferido, tivemos ótimos momentos em eventos feitos na antiga Zadoque e em várias cidades no Estado de São Paulo. Mas particularmente, sempre gostei de eventos onde conseguia me comunicar com pessoas, que tiveram algum despertamento sobre a existência de Deus através das músicas do Templo de Fogo, e isso acontecia em vários Shows.  

Já tocaram em algum evento 'secular'? Aconteceu algum fato inusitado?

Zé Ronaldo: Sempre tocamos mais em eventos seculares do que cristãos, bares, casa de shows, etc. Mas o inusitado nessa empreitada, é que algumas bandas seculares já nos trataram melhor do que bandas cristãs – pode parecer um pouco estranho, mas houve grandes surpresas quando passamos por isso. Mas isso não ocorria por causa de fé ou preconceito, mas sim por imaturidade de alguns e maturidade de outros, tanto social como musical das bandas.      


7-  Vocês sofrem algum preconceito  pelo fato da banda ser Cristã?

Zé Ronaldo: Atualmente o preconceito tem ocorrido em todas as partes, e a vitimização, é a atitude deste século de pessoas que querem chamar a atenção. Nunca fomos ou teremos atitudes como essa, somos cristãos, lemos as Escrituras e encontramos homens simples sendo mortos pela fé em Cristo. O livro de Hebreus no capitulo 11, retrata homens, mulheres e crianças sendo perseguidos e aniquilados por causa da fé em Jesus. Quando lemos situações como essa; uma crítica, um xingamento na plateia, costas viradas de alguns no público em nossas apresentações - tornam-se fracas diante daqueles que já sofreram horrores por Cristo. Consideramos algum tipo de preconceito, mas não focamos e nem iremos sustentá-lo em nossa caminhada como banda e como Cristãos, preferimos focar em Cristo e amar a todos, como Ele nos ensinou.        

Como é a cena da Cidade de Itu-SP?

Zé Ronaldo: A cidade de Itu já foi bem mais forte sobre shows e eventos de metal, mas o cenário atual é bem fraco, como em várias partes do Brasil. Mas lugares históricos, ainda mantém o ponto onde bandas se reúnem. 

8- Ronaldo, Sabemos que você também é pastor, nos conte um pouco sobre o seu ministério pastoral. Já te criticaram pelo fato de você ser pastor e tocar Heavy Metal?


Zé Ronaldo: O círculo que frequento é bem compreensível com o que faço, membros da minha Igreja gostam da banda. Talvez em outros ambientes, algum tipo de crítica possa surgir. Mas estou em paz com o que faço e tenho orgulho de chegar onde o Templo de Fogo está. Nosso ministério é uma nova proposta de reunião como Igreja, nos reunimos em lares, com um aspecto familiar, em pequenos grupos. Estamos bem no centro de São Paulo, em Higienópolis, e quem desejar conhecer mais acesse meu blog: http://www.lagrimasportuacausa.blogspot.com.br/


9- Sobre o Álbum "A Marca", e o clipe, como tem sido a recepção da galera?

Zé Ronaldo: O Álbum tem surpreendido a própria banda, chegamos a falar que é o melhor que já lançamos. O Clipe alcançou 10 mil visualizações em uma semana na nossa página do facebook. Estamos muito satisfeitos. 

Quais os planos futuros pra banda?

Zé Ronaldo: A banda está em processo de recuperar o tempo, estamos tentando retornar a agenda de Shows, tivemos vários momentos de dificuldades, a principal delas foi o tempo em que estive fazendo missões, atuando em seminários e Igrejas, em 2005 deixei a cidade de Itu e só voltei a morar na cidade de São Paulo em 2013, então foram 8 anos atuando ministerialmente – no Rio de Janeiro e Minas Gerais. Trabalhava nos ministérios e tentava continuar com os projetos do Templo de Fogo. Com meu retorno para perto da banda, estamos trabalhando para voltar a estar na ativa. 

10 - O que você acha da cena underground Cristã no País? Falta mais apoio e união?

Zé Ronaldo: A falta de incentivo é um problema social brasileiro, somos uma nação que não procura talentos e não ajuda em outras áreas. Esperar que o Brasil tenha ações igualadas aos Estados Unidos ou outras nações de primeiro mundo é ilusão, mas poderíamos pelo menos ser mais unidos. Toda união de pessoas na história sempre ocorreu mudanças, as bandas brasileiras deveriam ser mais unidas - aqueles que possuem um alcance maior na mídia, ou em divulgações, deveriam pensar em bandas que são boas, mas nunca tiveram oportunidades.   

Obrigado pela entrevista, Templo de Fogo, agora  faça suas considerações finais e  deixe um recado para os bangers que curtem a página 'Cristianismo Underground.'

Moisés : Muito obrigado Edy pelo apoio e espaço! Deus abençoe todos vocês que nos acompanham e fazem parte da nossa história!

Curtam a nossa página no facebook: facebook.com/bandatemplodefogo e também nosso blog – bandatemplodefogor, lá você saberá um pouco sobre a ideia do nome da banda. Somo um templo de Deus (ICor.3.16), e este Deus é um fogo santo (Hb.12.29).  
  

Templo de Fogo é formada por:
Moises Missão - Guitarra/Vocal
Zé Ronaldo - Bateria
Fernando Miguel  - Teclado
Marquinhos Jabur - Baixo
Anderson Américo (Participal especial/Guitarra Solo)




0 comentários:

Postar um comentário

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Entrevista com a banda de Heavy Metal 'Templo de Fogo'


Olá Headbangers e apreciadores do Metal.  Nós da página "Cristianismo & Underground" continuamos nossa maratona de entrevista com as bandas brasileiras. E a Entrevista de hoje é com a veterana Templo de Fogo.
A banda já está na estrada há 17 anos. E com uma boa discografia: GUERREIROS - 1998; LIVRAMENTO - 1999; SACRIFÍCIO - 2002; JUDGMENT - 2003; SONHO REAL - 2005; BABILÔNIA - 2009; O PREÇO - 2013 e  A MARCA -2015. Recentemente a banda lançou o álbum " A Marca" e com ele um clipe, onde a banda demostra o bom e velho Heavy Metal Cantando em Português.
Segue a entrevista abaixo, feita por Edy Marques:

1 - Nos conte um pouco sobre a banda, como e quando surgiu a banda?

Moisés: A Templo de Fogo surgiu em 1998. Fazíamos parte de um grupo de louvor na Igreja Renascer em Cristo de Itu.

Zé Ronaldo: Basicamente o Templo de Fogo surgiu com a iniciativa do vocalista Moisés. Ele era integrante de uma banda chamada Sagrada Cruz, mas sentiu necessidade de romper e começar um novo projeto; Naquele tempo, ele era mais experiente, casado, com filhos e já com uma grande caminhada na música. Eu era apenas um adolescente e inexperiente com este cenário – Moisés foi paciente, me ensinando os passos para se tornar um baterista. A evolução da banda foi apenas consequência; nome, músicas, gravação, mas o Templo de Fogo deve reconhecimento a essa atitude do Moisés.     

2- Quais influências musicais da banda?

Moisés: Bloodgoood, Stryper, Helloween, Iron Maiden, Black Sabath, Sacred Warrior.

Zé Ronaldo: Concordo com essa lista do Moisés, grandes bandas, apenas acrescento bandas antigas e algumas atuais como Holy Soldier, Jacobs Dream, Bride, Guardian, Whitecross, BarrenCross, Oficina G3 (hard Rock), Skillet (metal alternativo), Narnia, Balance of Power, Rob Rock, Impellitteri, seventh avenue (heavy metal), deliverance e Tourniquet.       


 3- Sabemos que não é fácil fazer um Heavy metal cantado em português, principalmente com uma temática cristã. Pois infelizmente, existe uma desvalorização do metal cantado em português no Brasil. Qual o fator que levaram vocês a optar por cantar em português?

Moisés: Eu sempre gostei de cantar em português e as bandas brasileiras que assim faziam eram demais! Começamos cantando em português e a galera aceitou muito bem. As resenhas que saíram em revistas como a Rock Brigade e Metal Mission foram bem positivas e isso nos deu bastante motivação!

Zé Ronaldo: Devemos lembrar antes de tudo que somos Cristãos e temos um compromisso, que se baseia em uma missão de proclamar a palavra de Deus (Mc.16.15), não podemos e não devemos criar uma banda; ou ter um trabalho, uma família, montarmos um negócio e esquecermos desta ordem. Acredito que isso se relaciona ao nosso posicionamento de cantar em português, ter letras fortes e impactantes – o objetivo é tocar pessoas, e ao longo dos anos, temos vários testemunhos de pessoas não cristãs sendo alcançadas pelas letras e também de cristãos que acabam sendo fortalecidos na fé.       

Acham que essa desvalorização está diminuindo?

Moisés: Acredito que existam pessoas condenadas por um modismo. Nada que esteja fora daqueles padrões estabelecidos por grandes selos possa ser alterado ou aquelas pessoas que acreditam que metal em inglês soa melhor. Bom , existe a questão do gosto também e isso tem que ser respeitado. Eu gosto de ouvir o som que fazemos e acredito que qualquer músico precisa antes de tudo gostar da música que produz. A Templo de Fogo não pode reclamar. Desde 1998 fazendo metal em português com 2 demos, 4 singles e 2 Álbuns! Sempre com o incentivo do nosso público. 


 4- Todos os trabalhos da banda foram lançados de forma independente?

Moisés: Sim! O Sonho Real teve a produção dos amigos Dennis Martins e Sebastian Amorim e foi um trabalho maravilhoso.

5- Da discografia que vocês lançaram, qual o melhor Álbum pra vocês, ou qual o mais especial? Por quê?

Moisés: Os dois foram incríveis. O “Sonho Real” que foi gravado em 2005 teve uma ótima repercussão e "A Marca" está sendo fantástico.

Zé Ronaldo: Cada Álbum é acompanhado por uma fase da banda, aprendizados e mudanças. As músicas do Templo de Fogo falam sobre nossa fé, mas também relatam um pouco do que estamos vivendo naquele momento – então, em cada lançamento, temos um carinho especial pelas músicas, definir dessa forma é um pouco complicado, mas a primeira demo “Guerreiros” foi fantástica para nós como início de Banda, outro trabalho foi o “Sacrifício” com grande repercussão internacional e com a impactante música “Tua Voz”.   

6- Nesses 17 anos de banda e em suas apresentações, qual o show que mais marcaram vocês?

Zé Ronaldo: Cada Show possuí uma história diferente e novas expectativas, talvez cada integrante da banda falará o seu preferido, tivemos ótimos momentos em eventos feitos na antiga Zadoque e em várias cidades no Estado de São Paulo. Mas particularmente, sempre gostei de eventos onde conseguia me comunicar com pessoas, que tiveram algum despertamento sobre a existência de Deus através das músicas do Templo de Fogo, e isso acontecia em vários Shows.  

Já tocaram em algum evento 'secular'? Aconteceu algum fato inusitado?

Zé Ronaldo: Sempre tocamos mais em eventos seculares do que cristãos, bares, casa de shows, etc. Mas o inusitado nessa empreitada, é que algumas bandas seculares já nos trataram melhor do que bandas cristãs – pode parecer um pouco estranho, mas houve grandes surpresas quando passamos por isso. Mas isso não ocorria por causa de fé ou preconceito, mas sim por imaturidade de alguns e maturidade de outros, tanto social como musical das bandas.      


7-  Vocês sofrem algum preconceito  pelo fato da banda ser Cristã?

Zé Ronaldo: Atualmente o preconceito tem ocorrido em todas as partes, e a vitimização, é a atitude deste século de pessoas que querem chamar a atenção. Nunca fomos ou teremos atitudes como essa, somos cristãos, lemos as Escrituras e encontramos homens simples sendo mortos pela fé em Cristo. O livro de Hebreus no capitulo 11, retrata homens, mulheres e crianças sendo perseguidos e aniquilados por causa da fé em Jesus. Quando lemos situações como essa; uma crítica, um xingamento na plateia, costas viradas de alguns no público em nossas apresentações - tornam-se fracas diante daqueles que já sofreram horrores por Cristo. Consideramos algum tipo de preconceito, mas não focamos e nem iremos sustentá-lo em nossa caminhada como banda e como Cristãos, preferimos focar em Cristo e amar a todos, como Ele nos ensinou.        

Como é a cena da Cidade de Itu-SP?

Zé Ronaldo: A cidade de Itu já foi bem mais forte sobre shows e eventos de metal, mas o cenário atual é bem fraco, como em várias partes do Brasil. Mas lugares históricos, ainda mantém o ponto onde bandas se reúnem. 

8- Ronaldo, Sabemos que você também é pastor, nos conte um pouco sobre o seu ministério pastoral. Já te criticaram pelo fato de você ser pastor e tocar Heavy Metal?


Zé Ronaldo: O círculo que frequento é bem compreensível com o que faço, membros da minha Igreja gostam da banda. Talvez em outros ambientes, algum tipo de crítica possa surgir. Mas estou em paz com o que faço e tenho orgulho de chegar onde o Templo de Fogo está. Nosso ministério é uma nova proposta de reunião como Igreja, nos reunimos em lares, com um aspecto familiar, em pequenos grupos. Estamos bem no centro de São Paulo, em Higienópolis, e quem desejar conhecer mais acesse meu blog: http://www.lagrimasportuacausa.blogspot.com.br/


9- Sobre o Álbum "A Marca", e o clipe, como tem sido a recepção da galera?

Zé Ronaldo: O Álbum tem surpreendido a própria banda, chegamos a falar que é o melhor que já lançamos. O Clipe alcançou 10 mil visualizações em uma semana na nossa página do facebook. Estamos muito satisfeitos. 

Quais os planos futuros pra banda?

Zé Ronaldo: A banda está em processo de recuperar o tempo, estamos tentando retornar a agenda de Shows, tivemos vários momentos de dificuldades, a principal delas foi o tempo em que estive fazendo missões, atuando em seminários e Igrejas, em 2005 deixei a cidade de Itu e só voltei a morar na cidade de São Paulo em 2013, então foram 8 anos atuando ministerialmente – no Rio de Janeiro e Minas Gerais. Trabalhava nos ministérios e tentava continuar com os projetos do Templo de Fogo. Com meu retorno para perto da banda, estamos trabalhando para voltar a estar na ativa. 

10 - O que você acha da cena underground Cristã no País? Falta mais apoio e união?

Zé Ronaldo: A falta de incentivo é um problema social brasileiro, somos uma nação que não procura talentos e não ajuda em outras áreas. Esperar que o Brasil tenha ações igualadas aos Estados Unidos ou outras nações de primeiro mundo é ilusão, mas poderíamos pelo menos ser mais unidos. Toda união de pessoas na história sempre ocorreu mudanças, as bandas brasileiras deveriam ser mais unidas - aqueles que possuem um alcance maior na mídia, ou em divulgações, deveriam pensar em bandas que são boas, mas nunca tiveram oportunidades.   

Obrigado pela entrevista, Templo de Fogo, agora  faça suas considerações finais e  deixe um recado para os bangers que curtem a página 'Cristianismo Underground.'

Moisés : Muito obrigado Edy pelo apoio e espaço! Deus abençoe todos vocês que nos acompanham e fazem parte da nossa história!

Curtam a nossa página no facebook: facebook.com/bandatemplodefogo e também nosso blog – bandatemplodefogor, lá você saberá um pouco sobre a ideia do nome da banda. Somo um templo de Deus (ICor.3.16), e este Deus é um fogo santo (Hb.12.29).  
  

Templo de Fogo é formada por:
Moises Missão - Guitarra/Vocal
Zé Ronaldo - Bateria
Fernando Miguel  - Teclado
Marquinhos Jabur - Baixo
Anderson Américo (Participal especial/Guitarra Solo)




Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
;