quinta-feira, 5 de março de 2015

Uma interpretação exegética de João 10.26


Respondendo a calvinistas que usam o texto de João 10 v 26 para dizer que Deus não quer salvar a todos. O texto é esse:
Mas vós não credes porque não sois das minhas ovelhas, como já vo-lo tenho dito (Jo 10.26).
Há quase unanimidade entre os calvinistas de que este verso ensina que algumas pessoas não creem porque não fazem parte dos eleitos de Deus, porque foram reprovados.Alguns comentaristas têm sugerido uma inversão nas orações, dizendo que poderia muito bem ser dito que aqueles a quem Jesus se referia não eram das ovelhas porque não criam. O texto, na verdade, não permite esta inversão. Eles não criam porque não eram das ovelhas, e não o contrário. O ponto a ser analisado aqui é: o que Jesus quis dizer por “ovelhas”?
Estaria Ele falando daqueles que foram escolhidos incondicionalmente desde a eternidade, como entendem os calvinistas? O verso não nos diz. Mas podemos ver alguns sinais característicos das ovelhas: elas ouvem a voz de Jesus e O segue (v. 27).
Antes de mais nada, seria um tanto improvável que Jesus estivesse querendo dizer que eles eram reprovados, que estavam condenados ao fogo eterno e que não havia nenhuma possibilidade deles crerem, visto que o próprio Jesus estimula-os à fé logo após (v. 38). Outra razão para a improbabilidade desta interpretação é que Jesus estaria eliminando todo incentivo para os seus ouvintes confiarem nele, pois nenhum deles se importaria em segui-lo sabendo que faz parte dos reprovados.
Na verdade, Jesus não estava dizendo que a razão da sua incredulidade era que eles foram rejeitados para salvação, mas que eles não tinham a mesma disposição daqueles que ouviam Sua voz e O seguiam: “Pessoas desta personalidade facilmente conhecem, pela natureza de minha doutrina e milagres, quem eu sou, e por conseguinte prontamente creem em mim e me seguem.”[3] Mesmo depois de tantos sinais que Jesus fez no meio deles, eles ainda perguntam a Jesus: “Se tu és o Cristo, dize-no-lo abertamente.” (v. 24) Essa declaração era uma prova de que eles não faziam parte do rebanho de Cristo. Jesus, então, lhes responde, “vós não credes porque não sois das minhas ovelhas” (v. 26), exatamente porque eles não faziam parte daqueles que vinham na intenção de ser instruídos e guiados por Ele, mas estavam apenas tentando encontrar em Suas palavras algo que pudessem acusá-lo de blasfêmia (v. 33).
Anthony Hoekema é de opinião contrária à maioria dos calvinistas. Ele corretamente interpreta o versículo em análise:
“O fato de que esses judeus não criam em Jesus é citado aqui como evidência de que não pertenciam ao rebanho de Cristo. Não significa necessariamente que fosse impossível que alguns deles se tornassem crentes. No momento, porém, eles não criam, revelando que não pertenciam, pelo menos no presente, ao rebanho de Cristo.”

0 comentários:

Postar um comentário

quinta-feira, 5 de março de 2015

Uma interpretação exegética de João 10.26


Respondendo a calvinistas que usam o texto de João 10 v 26 para dizer que Deus não quer salvar a todos. O texto é esse:
Mas vós não credes porque não sois das minhas ovelhas, como já vo-lo tenho dito (Jo 10.26).
Há quase unanimidade entre os calvinistas de que este verso ensina que algumas pessoas não creem porque não fazem parte dos eleitos de Deus, porque foram reprovados.Alguns comentaristas têm sugerido uma inversão nas orações, dizendo que poderia muito bem ser dito que aqueles a quem Jesus se referia não eram das ovelhas porque não criam. O texto, na verdade, não permite esta inversão. Eles não criam porque não eram das ovelhas, e não o contrário. O ponto a ser analisado aqui é: o que Jesus quis dizer por “ovelhas”?
Estaria Ele falando daqueles que foram escolhidos incondicionalmente desde a eternidade, como entendem os calvinistas? O verso não nos diz. Mas podemos ver alguns sinais característicos das ovelhas: elas ouvem a voz de Jesus e O segue (v. 27).
Antes de mais nada, seria um tanto improvável que Jesus estivesse querendo dizer que eles eram reprovados, que estavam condenados ao fogo eterno e que não havia nenhuma possibilidade deles crerem, visto que o próprio Jesus estimula-os à fé logo após (v. 38). Outra razão para a improbabilidade desta interpretação é que Jesus estaria eliminando todo incentivo para os seus ouvintes confiarem nele, pois nenhum deles se importaria em segui-lo sabendo que faz parte dos reprovados.
Na verdade, Jesus não estava dizendo que a razão da sua incredulidade era que eles foram rejeitados para salvação, mas que eles não tinham a mesma disposição daqueles que ouviam Sua voz e O seguiam: “Pessoas desta personalidade facilmente conhecem, pela natureza de minha doutrina e milagres, quem eu sou, e por conseguinte prontamente creem em mim e me seguem.”[3] Mesmo depois de tantos sinais que Jesus fez no meio deles, eles ainda perguntam a Jesus: “Se tu és o Cristo, dize-no-lo abertamente.” (v. 24) Essa declaração era uma prova de que eles não faziam parte do rebanho de Cristo. Jesus, então, lhes responde, “vós não credes porque não sois das minhas ovelhas” (v. 26), exatamente porque eles não faziam parte daqueles que vinham na intenção de ser instruídos e guiados por Ele, mas estavam apenas tentando encontrar em Suas palavras algo que pudessem acusá-lo de blasfêmia (v. 33).
Anthony Hoekema é de opinião contrária à maioria dos calvinistas. Ele corretamente interpreta o versículo em análise:
“O fato de que esses judeus não criam em Jesus é citado aqui como evidência de que não pertenciam ao rebanho de Cristo. Não significa necessariamente que fosse impossível que alguns deles se tornassem crentes. No momento, porém, eles não criam, revelando que não pertenciam, pelo menos no presente, ao rebanho de Cristo.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
;