domingo, 4 de janeiro de 2015

Deus é o autor do pecado?

Deus é o autor do pecado?


Deus é o autor do pecado?

Para Calvino:

“Certamente que isso ele o faz de maneira e com propósito diferentes, todavia de modo que não possa encetar algo, a não ser que Deus o queira. E visto que, entretanto, em seguida parece explicitar-se permissão absoluta para que aflija ao santo varão, daí ser verdadeira esta afirmação:
 “O Senhor o deu, o Senhor o tirou; como aprouve a Deus, assim se fez” [Jó 1.21], desta provação concluímos que Satanás e os salteadores perversos foram os ministros; Deus foi o autor.
Satanás se esforça por incitar o santo a voltar-se contra Deus movido pelo desespero; os sabeus ímpia e cruelmente lançam mão dos bens alheios, roubando-os” - João Calvino - Instituas, Vol 1, XVIII,1.
Outras citações de Calvino:
“(...)o endurecimento dos incrédulos é obra de Deus, embora antes fosse dito ser ele operação de Satanás. Portanto, é evidente que Satanás está debaixo do poder de Deus e é de tal modo regido por seu arbítrio que se vê compelido a render-lhe obediência.”
Fontes: INSTITUTAS, Vol 1, Cap XIV, 17:

“Daqui se engendrou a distinção entre fazer e permitir, visto que esta dificuldade a muitos pareceu inextricável, ou, seja, que Satanás e todos os ímpios estão de tal modo sob a mão e a autoridade de
Deus, que este lhes dirige a malignidade a qualquer fim que lhe apraz e faz uso de seus atos abomináveis para executar seus juízos.” Fontes: INSTITUTAS, Vol 1, Cap XVIII, 1

Para os teólogos calvinistas:

Deus move as línguas dos homens para blasfemar. Franciscus Gomarus

Fontes: Franciscus Gomarus, conforme citado por Laurence Vance em O Outro Lado do Calvinismo.
Nem mesmo a obra do pecado parte de qualquer outra pessoa a não ser Deus. Zwinglio Fontes: [11] Ulrich Zwinglio, “On the Providence of God – Sobre a Providência de Deus”, The Latin Works of Huldreich Zwingli – As Obras Latinas de Ulrich Zwinglio (Philadelphia: Heidelberg Press, 1922), II:203-204.

O pecado é um dos eventos “quaisquer” que “acontecem”, os quais são todos “decretados”. W.G.T. Shedd Fontes: W.G.T. Shedd, Calvinism: Pure and Mixed, p. 32

É até bíblico dizer que Deus preordenou o pecado. Se o pecado estivesse fora do plano de Deus, então nem uma única questão importante da vida seria governada por Deus. Edwin H. Palmer Fontes: Edwin H. Palmer, The Five Points of Calvinism, p. 82

Teólogos do Arminianismo clássico:

"Deus não quer o pecado, mas ele permite o pecado visando à preservação de pessoas livres, compassivas e autodeterminadas com as quais quer transmitir amor e santidade divinos incomparáveis". - Thomas Oden

"O que pode ser mais desonroso, o que pode ser mais indigno de Deus do que torná-lo o autor do pecado, que é tão extremamente inconsistente com sua santidade, algo que ele severamente proíbe e ameaça punir com nada menos do que tormentos eternos? Certamente isto é tão monstruoso que a simples consideração deveria ser o suficiente para dissuadir todos os que se preocupam com a glória de Deus de adotar tal doutrina grosseira e indecorosa" - Philip Limborch

Fontes: Olson, Roger E. Teologia Arminiana: Mitos e Realidades
‪#‎PorqueNãoSouCalvinista‬

0 comentários:

Postar um comentário

domingo, 4 de janeiro de 2015

Deus é o autor do pecado?

Deus é o autor do pecado?


Deus é o autor do pecado?

Para Calvino:

“Certamente que isso ele o faz de maneira e com propósito diferentes, todavia de modo que não possa encetar algo, a não ser que Deus o queira. E visto que, entretanto, em seguida parece explicitar-se permissão absoluta para que aflija ao santo varão, daí ser verdadeira esta afirmação:
 “O Senhor o deu, o Senhor o tirou; como aprouve a Deus, assim se fez” [Jó 1.21], desta provação concluímos que Satanás e os salteadores perversos foram os ministros; Deus foi o autor.
Satanás se esforça por incitar o santo a voltar-se contra Deus movido pelo desespero; os sabeus ímpia e cruelmente lançam mão dos bens alheios, roubando-os” - João Calvino - Instituas, Vol 1, XVIII,1.
Outras citações de Calvino:
“(...)o endurecimento dos incrédulos é obra de Deus, embora antes fosse dito ser ele operação de Satanás. Portanto, é evidente que Satanás está debaixo do poder de Deus e é de tal modo regido por seu arbítrio que se vê compelido a render-lhe obediência.”
Fontes: INSTITUTAS, Vol 1, Cap XIV, 17:

“Daqui se engendrou a distinção entre fazer e permitir, visto que esta dificuldade a muitos pareceu inextricável, ou, seja, que Satanás e todos os ímpios estão de tal modo sob a mão e a autoridade de
Deus, que este lhes dirige a malignidade a qualquer fim que lhe apraz e faz uso de seus atos abomináveis para executar seus juízos.” Fontes: INSTITUTAS, Vol 1, Cap XVIII, 1

Para os teólogos calvinistas:

Deus move as línguas dos homens para blasfemar. Franciscus Gomarus

Fontes: Franciscus Gomarus, conforme citado por Laurence Vance em O Outro Lado do Calvinismo.
Nem mesmo a obra do pecado parte de qualquer outra pessoa a não ser Deus. Zwinglio Fontes: [11] Ulrich Zwinglio, “On the Providence of God – Sobre a Providência de Deus”, The Latin Works of Huldreich Zwingli – As Obras Latinas de Ulrich Zwinglio (Philadelphia: Heidelberg Press, 1922), II:203-204.

O pecado é um dos eventos “quaisquer” que “acontecem”, os quais são todos “decretados”. W.G.T. Shedd Fontes: W.G.T. Shedd, Calvinism: Pure and Mixed, p. 32

É até bíblico dizer que Deus preordenou o pecado. Se o pecado estivesse fora do plano de Deus, então nem uma única questão importante da vida seria governada por Deus. Edwin H. Palmer Fontes: Edwin H. Palmer, The Five Points of Calvinism, p. 82

Teólogos do Arminianismo clássico:

"Deus não quer o pecado, mas ele permite o pecado visando à preservação de pessoas livres, compassivas e autodeterminadas com as quais quer transmitir amor e santidade divinos incomparáveis". - Thomas Oden

"O que pode ser mais desonroso, o que pode ser mais indigno de Deus do que torná-lo o autor do pecado, que é tão extremamente inconsistente com sua santidade, algo que ele severamente proíbe e ameaça punir com nada menos do que tormentos eternos? Certamente isto é tão monstruoso que a simples consideração deveria ser o suficiente para dissuadir todos os que se preocupam com a glória de Deus de adotar tal doutrina grosseira e indecorosa" - Philip Limborch

Fontes: Olson, Roger E. Teologia Arminiana: Mitos e Realidades
‪#‎PorqueNãoSouCalvinista‬

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
;