domingo, 4 de janeiro de 2015

A veracidade das Santas Escrituras



Você sabia que as cópias que possuímos da bíblia é mais confiável que qualquer outra obra grega? Leia isso:

“Antes do século XV, quando João Gutenberg inventou a imprensa de tipos móveis, todas as cópias de qualquer obra literária eram feitas à mão (daí o nome "manuscrito"). Atualmente, temos mais de seis mil cópias de manuscritos em grego do Novo Testamento ou de porções dele.  Nenhuma outra obra da literatura grega pode ostentar tal abundância de cópias.  A ilíada de Homero, a maior de todas as obras clássicas gregas, é subsistente em cerca de 650 manuscritos; e as tragédias de Eurípides existem em aproximadamente 330 manuscritos. O número de cópias de todas as outras obras da literatura grega é bem menor. Além disso, deve-se acrescentar que o espaço de tempo entre a composição original e o manuscrito subsistente mais próximo é muito menor para o Novo Testamento do que para qualquer outra obra da literatura grega. O lapso de tempo para a maioria das obras clássicas gregas fica entre oitocentos e mil anos; enquanto que o intervalo para muitos dos livros do Novo Testamento é de aproximadamente cem anos.  Por causa da copiosa fartura de manuscritos e porque vários dos manuscritos estão datados dos primeiros séculos da Igreja, os eruditos textuais do Novo Testamento têm uma enorme vantagem sobre dos clássicos. Os eruditos do Novo Testamento dispõem de recursos para reconstruir o texto original do Novo Testamento com grande exatidão, já chegando a produzir algumas excelentes edições do Novo Testamento em grego. Finalmente, deve-se afirmar que, embora não se duvide que haja diferenças em muitos dos manuscritos do Novo Testamento, absolutamente nenhuma doutrina fundamental da fé cristã baseia-se em uma leitura que esteja sob controvérsia. Sir Frederic Kenyon, renomado paleógrafo e crítico textual, ratificou essa afirmação, quando escreveu: "O cristão pode pegar a Bíblia inteira em suas mãos e afirmar, sem temor ou hesitação, que está segurando a verdadeira Palavra de Deus, transmitida ao longo dos séculos, de geração em geração, sem nenhuma perda essencial." 

(Onr  Bible and the Ancient Manuscripts,p. 55) Comfort, Wesley Philip. In: A origem da Bíblia. P.256

0 comentários:

Postar um comentário

domingo, 4 de janeiro de 2015

A veracidade das Santas Escrituras



Você sabia que as cópias que possuímos da bíblia é mais confiável que qualquer outra obra grega? Leia isso:

“Antes do século XV, quando João Gutenberg inventou a imprensa de tipos móveis, todas as cópias de qualquer obra literária eram feitas à mão (daí o nome "manuscrito"). Atualmente, temos mais de seis mil cópias de manuscritos em grego do Novo Testamento ou de porções dele.  Nenhuma outra obra da literatura grega pode ostentar tal abundância de cópias.  A ilíada de Homero, a maior de todas as obras clássicas gregas, é subsistente em cerca de 650 manuscritos; e as tragédias de Eurípides existem em aproximadamente 330 manuscritos. O número de cópias de todas as outras obras da literatura grega é bem menor. Além disso, deve-se acrescentar que o espaço de tempo entre a composição original e o manuscrito subsistente mais próximo é muito menor para o Novo Testamento do que para qualquer outra obra da literatura grega. O lapso de tempo para a maioria das obras clássicas gregas fica entre oitocentos e mil anos; enquanto que o intervalo para muitos dos livros do Novo Testamento é de aproximadamente cem anos.  Por causa da copiosa fartura de manuscritos e porque vários dos manuscritos estão datados dos primeiros séculos da Igreja, os eruditos textuais do Novo Testamento têm uma enorme vantagem sobre dos clássicos. Os eruditos do Novo Testamento dispõem de recursos para reconstruir o texto original do Novo Testamento com grande exatidão, já chegando a produzir algumas excelentes edições do Novo Testamento em grego. Finalmente, deve-se afirmar que, embora não se duvide que haja diferenças em muitos dos manuscritos do Novo Testamento, absolutamente nenhuma doutrina fundamental da fé cristã baseia-se em uma leitura que esteja sob controvérsia. Sir Frederic Kenyon, renomado paleógrafo e crítico textual, ratificou essa afirmação, quando escreveu: "O cristão pode pegar a Bíblia inteira em suas mãos e afirmar, sem temor ou hesitação, que está segurando a verdadeira Palavra de Deus, transmitida ao longo dos séculos, de geração em geração, sem nenhuma perda essencial." 

(Onr  Bible and the Ancient Manuscripts,p. 55) Comfort, Wesley Philip. In: A origem da Bíblia. P.256

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
;