sábado, 31 de janeiro de 2015 0 comentários

Soberania e reponsabiblidade



Somente um Deus SOBERANO e AMOROSO se autolimitaria de forma voluntária para respeitar o livre-arbítrio do homem. Assim como um PAI orienta o caminho ao filho que deve seguir, mas NÃO O OBRIGA e nem age coercivamente contra a liberdade do filho.
O determinismo calvinista não oferece uma interpretação coerente da Escritura, pois nega o livre-arbítrio humano. E muitos estudiosos concordam que o determinismo é falho, um exemplo é o D.A Carson que identifica na bíblia noves correntes de textos que afirma a liberdade humana, vejamos:
(1) As pessoas enfrentam uma série de exortações divinas e comandos, (2) as pessoas são orientadas a obedecer, acreditar, e escolher a Deus, (3) as pessoas pecam e se rebelam contra Deus, ( 4) os pecados das pessoas são julgados por Deus, (5) as pessoas são testadas por Deus, (6) as pessoas recebem recompensas divinas, (7) os eleitos são responsáveis por responder à iniciativa de Deus, (8) orações não são meros exemplos roteirizados por Deus e (9) Deus literalmente implora que os pecadores se arrependam e sejam salvos (Divine Sovereignty and Human Responsibility: Biblical Perspectives in Tension, pp. 18-22).
Agora fica a pergunta, se Deus determina, preordena e torna certo TODO ATO HUMANO, como pregava Calvino e alguns Calvinistas. Como conciliar com esses textos de exortações que convidam ao homem a agir livremente? 
quinta-feira, 29 de janeiro de 2015 1 comentários

Compilação: Rockabilly Cristão

*Essa coleção foi feita por mim, baixei algumas músicas  e upei.
Na coletânea contêm três bandas cristãs de Rockabilly:  Pioneers, Ruby Joe e The Screamin Rays.

Tracklist:

Banda: Pioneers

Battle Cry from their
Bible Slinger
Born Again
Cruizn' With My Lord
God Loves The Outlaw
Headless Train
I Don't Want A Mad Monster Party
I Praise Your Name
I'm Right, He's Wrong
King of the Universe
Lord Help Me Help My Hotrod
Rat Rod
Sweet Rose Of Glory

Banda: The Screamin Rays

Been Takin' Chances
Ghost Of Your Love
Unknown Track
Why Are You Cryin'

Banda: Ruby Joe

Foo Foo Flirt - (Proverbs 7-7-21)
Get It Right - (Romans 7-15)
JOHN 17 - (JOHN 17-1-19)

Download: http://www.4shared.com/rar/7SkP73eVce/PioneersRubyJoeTheSRays.html
0 comentários

Sem liberdade, não pode haver relacionamento

Pense em um relacionamento, onde apenas um conjugue [X] possui liberdade total e outro conjugue [Y] não possui liberdade alguma.Dai fica a pergunta, como pode Y amar X? Se Y não possui liberdade. Se não há escolhas livres, atitudes livres de Y, de fato não há amor, pois amar é um ato que tem que ser de livre escolha e não determinado ou coercivo. O Deus da bíblia nos criou com livre-arbítrio e após a queda, o nosso livre-arbítrio se tornou escravo do pecado, mas Deus usa de sua graça para nos libertar e nos capacitar a escolher livremente ele. Agora de fato pode haver amor. NÃO EXISTE RELACIONAMENTO OU ATO DE AMOR SEM LIBERDADE.

Já dizia um grande amigo:
"Deus criou coisas dotadas de livre-arbítrio: criaturas que podem fazer tanto o bem quanto o mal. Alguns pensam que podem conceber uma criatura que, mesmo desfrutando da liberdade, não tivesse possibilidade de fazer o mal. Eu não consigo. Se uma coisa é livre para o bem, é livre também para o mal. E o que tornou possível a existência do mal foi o livre-arbítrio. Por que, então, Deus o concedeu? Porque o livre-arbítrio, apesar de possibilitar a maldade, é também aquilo que torna possível qualquer tipo de amor, bondade e alegria. Um mundo feito de autômatos — criaturas que funcionassem como máquinas - não valeria a pena ser criado. A felicidade que Deus quis para suas criaturas mais elevadas é a felicidade de estar, de forma livre e voluntária, unidas a ele e aos demais seres num êxtase de amor e deleite ao qual os maiores arroubos de paixão terrena entre um homem e uma mulher não se comparam. Por isso, essas criaturas têm de ser livres." - C. S. Lewis

O nosso relacionamento para com Deus tem que ser de espontânea e livre vontade e não baseado em determinismos, onde um ser nos obriga á ama-lo.
0 comentários

Como poderia Faraó estar livre, se Deus endureceu o coração dele?



ROMANOS 9:17 – Como poderia Faraó estar livre, se Deus endureceu o coração dele?

PROBLEMA: Deus disse a Faraó: "Para isto mesmo te levantei, para mostrar em ti o meu poder e para   que   o   meu nome   seja   anunciado   por   toda   a   terra” (Rm   9:17).   Em   cumprimento   disso, está escrito que Deus endureceu o coração de Faraó (Êx 4:21; cf. Êx7:3). Mas se Deus levantou Faraó e ainda endureceu o coração dele para realizar os seus propósitos divinos, então Faraó não está isento de responsabilidade em relação às ações que praticou?

SOLUÇÃO:  Primeiro, Deus em sua onisciência sabia de antemão exatamente como o Faraó iria agir, e ele usou isso para realizar os seus propósitos. Deus prescreveu os meios da ação livre, porém teimosa, de Faraó, bem como o fim   da libertação de Israel.   Em Êxodo 3:19, Deus disse   a Moisés:
"Eu   sei, porém, que   o   rei   do   Egito não   vos   deixará   ir  se  não   for   obrigado  por   mão forte".  Faraó rejeitou o pedido de Moisés e somente depois de dez pragas foi que finalmente ele deixou o povo ir.

Segundo, é importante notar que Faraó primeiramente endureceu o seu próprio coração. No início, quando Moisés aproximou-se de Faraó com vistas à libertação dos israelitas (Êx 5:1), Faraó  respondeu: “Quem é o Senhor para que lhe ouça eu a voz e deixeir a Israel? Não conheço o Senhor, nem tampouco deixarei ir a Israel"(Êx 5:2).  A passagem que Paulo cita (em Romanos 9:17) é Êxodo 9:16, a qual, no contexto, refere-se à praga das úlceras, a sexta praga.  Mas Faraó endurecera o seu coração antes de Deus afirmar o que afirmou. Somente porque Deus levantou   Faraó, isso não quer dizer que Faraó não seja responsável por suas ações.

Terceiro, Deus usa a injustiça   dos homens para mostrar a sua glória.  Deus ainda considera Faraó   responsável, mas no   processo   do   endurecimento  do  seu   coração o Senhor usou Faraó   para manifestara sua grandeza e glória.
Deus às vezes faz uso de atos maus para obter bons resultados. A história de José é um bom exemplo disso. José foi vendido por seus irmãos, e mais tarde tornou-se o governante do Egito. Lá ele salvou muitas vidas durante o tempo de fome. Quando mais tarde ele se revelou aos seus irmãos e os perdoou, ele disse:  "Vós, na verdade, intentastes   o mal   contra mim; porém Deus o tornou em bem, para fazer, como vedes agora, que se conserve muita gente em vida "(Gn  50:20). Deus pode usar atos perversos para manifestar a sua glória.

Fontes: Geisler, Norman L. Manual popular de dúvidas, enigmas e “contradições “da Bíblia. Norman Geisler, Thomas Howe; traduzido por Milton Azevedo Andrade. São Paulo: Mundo Cristão, 1999. p.346-347

Curtam nossa página: https://www.facebook.com/Cristianismounderground
quarta-feira, 28 de janeiro de 2015 2 comentários

As vezes me sinto assim ...



Ultimamente, tenho me afastado do caminho limitado.
Você tem me dado tantas coisas que nunca tive
E no geral, eu sei é você que sempre me atrai
Se você tocar profundamente vai ver que meu coração é verdadeiro!
Porque odeio o jeito que me sinto esta noite
E sei que preciso de você em minha vida
Sim, odeio o jeito que eu sinto por dentro.

Me sinto como um homem estranho
quando começo a orar.
De joelhos orando por misericórdia.
Mãos elevadas, humilhadas e quebradas.
Olhos maliciosos estão me observando tudo que faço.

No meio da escuridão, Senhor
Meu espírito chama por você
Memórias de redenção, imóvel, com um sentimento de vazio interior.
Querendo tua graça.
Querendo sua segurança.

Em breve terminarei esta vida que estou vivendo.
Eu sou apenas um homem, com um coração e mãos pecaminosas.
Eu sou uma vítima.
Você sabe, ás vezes bem no fundo
(Eu me sinto assim).

Senhor mostre-me o caminho.
Deixe que minhas palavras sejam as Suas palavras. Deixe meus pensamentos serem os seus pensamentos. Senhor me mostre o caminho.
Eu peço isso a você pai.

Pra você, eu dou o meu louvor
O mundo que conheço está me puxando
Cada vez mais, todo dia
este mundo é tão frio, mas teu amor me esquenta
Meu Pai, me segura em suas mãos que eu deixei pregadas e cicatrizadas...

Mas por alguma razão Ele ainda me ama com todo esse coração.
Mesmo quando eu o traio constantemente
Ele sempre deixa seus braços abertos esperando,
até eu desistir do meu velho homem.
Deus, meu pai, você é o único que pode me dar conforto.
Você toca meu coração de tal modo que tudo que posso fazer é dizer seu nome.
Jesus Cristo, Eu te Amo
Meu coração sofre por seu Amor.

Curtam nossa página:Cristianismounderground
quinta-feira, 22 de janeiro de 2015 0 comentários

Impelitteri: Novo álbum "Venom" já está pronto



O grande vocalista Rob Rock publicou em seu facebook official (clique aqui) que o novo álbum do Impellitteri já estão mixado e masterizado e o nome do álbum é "Venom".  Agora a banda segue trabalhando com as obras de arte do encarte.

 Na espera por mais uma obra de arte, dessa grande dupla. Será que vai vim na linha do Wicked Maiden? E vcs o que esperam do álbum?

Curtam nossa página: https://www.facebook.com/Cristianismounderground
0 comentários

Debate: Craig x Curley: a distinção entre ser cristão e calvinista

Retirado dos site : http://deusamouomundo.com/calvinismo/debate-entre-craig-e-curley-distincao-entre-ser-cristao-e-ser-calvinista/

A distinção entre ser Cristão e ser Calvinista

Nota dos tradutoresO texto a seguir é um trecho adaptado do debate entre Willian Lane Craig e Edwin Curley. O tema central do debate é a “Existência do Deus Cristão”. É interessante notar que Curley, um “ex-cristão”, levanta diversos argumentos para demonstrar que o Deus conforme apresentado pela bíblia é ilógico e, portanto, é muito provável que ele não seja o verdadeiro Deus. O engraçado do seu discurso é que os argumentos são todos voltados contra a concepção calvinista de Deus (por exemplo, um Deus que escolhe arbitrariamente pessoas para mandar para o inferno), o que de fato não é a verdade bíblica; ou seja, o oponente do cristianismo erra completamente o alvo ao atacar o Deus cristão. Respondendo aos argumentos, o Dr. Craig faz a distinção entre ser Cristão e ser Calvinista, tendo em vista que Curley afirmou que “o calvinismo é o cristianismo”, algo comum entre os calvinistas (e parece que entre os “ex-cristãos calvinistas” também). Essa resposta do Dr. Craig foi arrasadora.
Edwin Curley – Discurso de Abertura
1. O.K. Há outros lugares que eu gostaria de estar esta noite. E certamente há outros lugares nos quais minha esposa gostaria de me acompanhar esta noite. Mas eu estou aqui para argumentar contra a existência do Deus cristão. Eu não estou aqui para defender o ateísmo, ao contrário da impressão que o discurso do Dr. Craig pode ter lhe dado. Olha, eu acho que há muitas maneiras de pensar sobre Deus. E eu acho que algumas delas são maneiras que eu poderia aceitar. Eu simplesmente não posso aceitar o Deus cristão.
2. Quando eu era criança, eu era cristão. Quando adulto, passei a ter dúvidas sobre a fé. Por um tempo autodenominei-me agnóstico. Estas dúvidas levaram-me, enquanto eu estava na faculdade, para o estudo da filosofia e sua história. Muitos dos filósofos que estudei eram cristãos, para quem a defesa racional da sua religião era muito importante. Meus estudos não sanaram minhas dúvidas; eles multiplicaram-nas. Hoje eu penso que não há qualquer chance da religião cristã ser verdadeira. ‘Agnóstico’ não parece mais o rótulo correto para mim, não quando estamos falando do Deus cristão.
3. O rótulo mais comum para alguém que uma vez já abraçou o cristianismo e, em seguida, o rejeitou  é “herege”. Eu não tenho nenhuma objeção a esse rótulo, agora que já concordaram em abolir a pena de morte por heresia. (Risos)
4. Minha iniciação neste caminho se deu através da leitura do livro de orações que minha mãe me deu quando eu tinha 16 anos. Na parte de trás estavam impressos os artigos que os membros da minha religião, a Igreja Episcopal, deveriam concordar. Eu não os li cuidadosamente quando estava me preparando para confirmação. Naquele momento eu tinha apenas 13 anos e havia muitas coisas que eu não entendia. O nosso ministro era um homem bom: muito inteligente, culto e humano. Aos 13 anos, sobre sua autoridade, eu estava disposto a aceitar o que quer que ele me dissesse.
5. Então, aos 16 anos, eu li os artigos da religião cuidadosamente e criticamente pela primeira vez. Eu estava perturbado que minha igreja aceitara a predestinação. Antes da fundação do mundo, dizia um dos artigos, Deus tinha escolhido alguns vasos para honra e outros para desonra. Até onde eu podia ver, havia tão bom fundamento bíblico para este ensino quanto para qualquer outra doutrina afirmada pela igreja. Um dos principais princípios de minha igreja era o de que ninguém deveria ser obrigado a acreditar, como necessária para a salvação, em qualquer doutrina que não pudesse ser provada a partir das Escrituras.
6. Havia também fortes razões filosóficas para aceitar a predestinação. Se Deus é onisciente, se ele sabe de tudo, ele deve ter conhecimento prévio do destino das suas criaturas. Se ele é onipotente, pode fazer qualquer coisa, ou qualquer coisa que é logicamente possível fazer, então nada acontece senão por sua vontade. Então, se eu acabar no inferno, ele já conheceria este destino desde a eternidade, e ele teria desejado isso desde a eternidade.
7. A predestinação não é tão amplamente aceita hoje como era quando a minha igreja foi fundada no século 16. Eu conheço muitos cristãos que a rejeitam. E eu simpatizo com eles. O seu coração está no lugar certo, com certeza. Eu não posso acreditar que um Deus justo e amoroso criaria seres e os predestinaria a passar a eternidade no inferno. Mas os cristãos podem rejeitar a predestinação somente se assumirem o custo de ignorar a autoridade de suas escrituras e as implicações de sua teologia.
8. Esqueça a predestinação. E o inferno? Essa é uma situação diferente. Eu não vejo nenhuma razão filosófica para crer em um castigo eterno para os pecadores. A filosofia é contrária a isso.
9. A filosofia ensina que a punição deve ser proporcional ao crime. Vamos admitir, para o bem do argumento, que todos nós somos em algum sentido pecadores. Qual de nós, olhando para o seu coração, pode dizer honestamente que nunca fez nada seriamente errado, pelo menos uma vez em sua vida? Mas a doutrina do Inferno advoga que a maioria de nós pecadores sofrerão tormento eterno.
10. Em alguns casos, isso pode ser justo. Hitler foi o responsável pelas mortes horríveis de milhões de judeus, para não mencionar os ciganos, eslavos e homossexuais. Talvez para crimes dessa magnitude o castigo eterno possa ser justificado.
11. Eu sou, no sentido que eu especifiquei, um pecador. Mas, com toda sinceridade, devo dizer que para mim os meus pecados parecem muito menores em comparação com os de Hitler. Eu não matei ninguém, nem torturei ninguém, nem fui responsável pela morte ou tortura de qualquer um. No entanto, se a doutrina do inferno estiver correta, farei companhia a Hitler no Inferno. Sem dúvida, eu não sou um juiz imparcial neste caso, mas não me parece justo. (Risos)
12. Apesar dessas dificuldades, o inferno fazia parte do ensino da minha igreja, e faz parte do ensino de muitas igrejas cristãs. Este não é um acidente. A doutrina tem forte apoio nas escrituras cristãs.
13. A crença no inferno também perdeu força desde que minha igreja foi fundada. Eu encontro muitos cristãos que rejeitam o inferno. O seu coração está no lugar certo, com certeza. Eu não posso acreditar que um Deus justo e amoroso destinaria a maioria de suas criaturas a passar a eternidade no inferno. Mas os cristãos que rejeitam o inferno podem fazê-lo somente ao custo de rejeitar também a autoridade de suas escrituras.
14. Eu concedo, para o bem do argumento, de que todos nós somos pecadores. Agora, deixe-me qualificar isso. Muito provavelmente todos nós nesta sala somos pecadores, desde que o requisito para ser um pecador seja fazer algo muito errado ao menos uma vez na vida. Mas eu não admito que absolutamente todos os seres humanos são pecadores.
15. Eu tenho uma neta, a quem eu amo. Ela é uma garota doce e tem apenas sete anos. Ela já deve ter cometido um grande número de pecados. Sei que às vezes ela não se importa muito com sua mãe. Às vezes ela é malvada com seu irmão menor. Eu não acho nada disso grave o suficiente para merecer o castigo eterno. Mas, talvez, há pecados que eu não conheça. Em qualquer caso, ela não é completamente inocente. Provavelmente nenhuma criança dessa idade é completamente inocente. E Jesus disse que devemos ser perfeitos como o Pai celeste é perfeito. Isso é um padrão difícil.
16. Mas quando eu penso sobre situação de minha neta em idade tão precoce, digo, na unidade de tratamento intensivo neonatal, onde passou os primeiros meses de sua vida, com um tubo de oxigênio, um tubo de alimentação e um monitor cardíaco todo amarrado em seu corpo minúsculo, pois ela nasceu na 29ª semana de gravidez da minha filha e pesava menos de 1,3608kg ; então, eu não posso pensar nela, nessa fase de sua vida, como uma pecadora merecedora do inferno.
17. Na tradição cristã, é normal batizar crianças em tenra idade, pois acredita-se que eles vêm ao mundo contaminados pelo pecado de Adão e Eva. Esta é a doutrina do pecado original. Eu não posso acreditar no pecado original. Minha neta pode ser uma pecadora agora, mas não quando ela estava na unidade de terapia intensiva.
18. O pecado original também é hoje menos aceito do que quando minha igreja foi fundada. Encontro muitos cristãos que rejeitam o pecado original. Eu simpatizo com eles. O seu coração está no lugar certo, com certeza. Mas os cristãos podem rejeitar o pecado original somente ao custo de um substancial re-interpretação das suas escrituras e tradições.
19. De forma consistente com a doutrina do pecado original, é comum entre os cristãos a acreditar que se nós somos justificados, é pela fé em Jesus. Uma vez que todos nós somos pecadores, não podemos ganhar a salvação pelas nossas obras. Mas podemos ser perdoados e tratados como se fôssemos justos. A marca de termos sido perdoados é que Deus, por um ato de graça, dá-nos a fé.
20. Esta doutrina tem implicações que eu acho horríveis. Isso implica que aqueles entre nós que não têm fé em Jesus não receberam a graça, não foram perdoados, e, se continuarem nesse estado, vão para o inferno. Portanto, a doutrina da justificação pela fé, que tem forte apoio nas escrituras cristãs, conduz inevitavelmente ao exclusivismo, a idéia de que todos os que rejeitam a doutrina cristã devem ser condenados, não importa quão bom eles podem ser, por padrões comuns.
21. Se Deus escolheu os beneficiários de sua graça com base em algum mérito distinto que possuíam, isso pode não ser injusto com aqueles que ele não escolheu, a quem presumiria-se a falta que tal mérito. Mas isso seria contrário à idéia de graça, o que implica um dom gratuito, não é algo dado a alguém que merece por conta do seu mérito.
22. Por isso, normalmente é sustentada a ideia de que Deus não tem qualquer razão para escolher alguns e outros não. Ele age de forma totalmente arbitrária. É um dogma duro e horrendo essa “doutrina da graça”. Suponho que, se você já aceitou o inferno e o pecado original, você pode ser grato por ter uma chance de salvação, mesmo que não parece ser uma loteria em que as chances não estão do seu lado. Claro, se você acha que tem fé, então também pode pensar que ganhou na loteria e ignorar as considerações sobre os infelizes perdedores.
23. Bem, até agora minhas objeções têm sido principalmente teológicas; são objeções aos ensinamentos cuja base é essencialmente bíblica e não filosófica. A principal exceção a essa generalização é a doutrina da predestinação, que tem fundamentos filosóficos, bem como fundamentos bíblicos. Sei que muitos cristãos aqui esta noite não entenderão que a sua compreensão do cristianismo os obriga a aceitar todas essas doutrinas, ou porque eles têm uma interpretação diferente da escritura, ou porque não consideram as escrituras cristãs como absolutamente autoritária na determinação de suas crenças e conduta . Eu tenho dito que aqueles cristãos que adotam uma atitude mais livre em relação as escrituras e não entendem que a sua aceitação do cristianismo os impele à predestinação, ou inferno, ou pecado original, ou a justificação pela fé, ou exclusivismo, têm seus corações no lugar certo, eu digo. Mas eu também acho que os seus pés podem estar plantadas na rampa escorregadia da heresia, e que os cristãos mais conservadores, que conferem maior autoridade às Escrituras, têm o direito mais claro para se autodenominarem cristãos. O quanto do cristianismo tradicional você pode rejeitar e ainda ser um cristão?
24. Vamos considerar agora às objeções não tão biblicamente embasadas. É comum entre os cristãos acreditar que Deus é um ser pessoal, que criou o universo e que é onipotente, onisciente e perfeitamente bom. De fato, é comum dizer que Deus deve possuir todas as perfeições.
25. No entanto, observa-se que o mundo, este ser perfeito criado, tem muitas imperfeições: há muita alegria no mundo; mas também há muito sofrimento, do qual qrande parte aparentemente imerecido; e há pecado. Nós chamamos essas coisas de “mal”. Como tais coisas podem existir em um mundo que deve sua origem a um Deus com os atributos que os cristãos acreditam que seu Deus possui?
26. A resposta usual para isso é dizer que embora Deus podesse ter criado um mundo sem o mal, foi melhor para ele criar esse mundo, apesar dos males que ele contém. A ocorrência desses males era necessário para os bens que são ainda maiores. Se Deus tivesse criado o mundo sem nenhum mal, esse mundo seria menos bom do que o atual, considerando todo o conjunto de coisas, mesmo com todo o mal que ele contém. Isso é chamado de defesa do bem maior.
27. O cristão pode dizer: Nós, seres humanos com razão fazemos muitas coisas que esperamos causar danos evitáveis. Nós construímos uma ponte de São Francisco a Marin County, sabendo que na construção alguns trabalhadores vão cair na água e se afogar. Poderíamos evitar a morte por não construir a ponte. Mas a ponte é um grande bem. Dadas as nossas limitações humanas, não podemos construí-la sem que algumas pessoas morram como consequência. Então, nós a construímos e aceitamos a morte como parte do custo interligar os locais através dessas águas. E permissão divina para a existência do mal também pode ser justificada pelo bem maior a qual tal permissão conduz.
28. Um ser onipotente, é claro, não enfrenta todas as escolhas difíceis que fazemos. Se ele quer uma ponte sobre as águas, ele só precisa dizer: “Faça-se uma ponte.” E haverá.
29. Uma pergunta que a defesa do bem maior levanta é: que tipo de bem poderia estar tão intimamente conectado com o mal que mesmo um ser onipotente teria de aceitar o mal como custo para realizar este bem? E que bem poderia ser tão grande que justificasse tal ser aceitar a quantidade de mal que existe no mundo como preço para alcançar esse bem?
30. A resposta habitual nos dias de hoje é: a liberdade. Se existir o bem moral, deve haver liberdade. E o preço de dar liberdade aos seres humanos é que às vezes eles vão abusar dela. Mesmo um ser onipotente não pode levar uma pessoa a fazer o bem livremente. E a liberdade, com o bem moral que às vezes resulta dela, é um bem suficientemente grande que faz com que os males, que também resultam dela, sejam aceitáveis. [Isto é o que é chamado de defesa do livre-arbítrio.]
31. Há um problema, é claro, ao se apelar para a liberdade humana a fim de resolver o problema do mal, quando você também acredita em predestinação e presciência divina. Este é um problema de longa data, que muitos filósofos têm enfrentado. Nenhuma solução ganhou aceitação geral. Se o Dr. Craig aceita as doutrinas da predestinação e presciência divina e também apela para a liberdade humana para resolver o problema do mal, ele terá que trabalhar uma maneira de explicar como essas coisas são consistentes, e eu vou ouvir com interesse essa explicação.
32. Nesse meio tempo, porém, existem outros problemas sobre o apelo à liberdade. Há males cuja ocorrência não tem nenhuma conexão visível com a liberdade. Teólogos chamam de males naturais, ou seja, coisas como terremotos, inundações, furacões, doenças, e assim por diante. Se um veado morre em um incêndio florestal, sofrendo horrivelmente, isso é um mal. Não é só o sofrimento humano que devemos levar em consideração quando tratamos sobre o bem contra o mal neste mundo.
33. Agora, se você aceitar qualquer coisa como a teoria da evolução, você vai acreditar que havia outros animais no planeta muito antes dos humanos apareceram em cena. Muitos deles devem ter sofrido terrivelmente quando suas espécies se extinguiram. Nenhum destes sofrimentos pode ser justificado como uma conseqüência necessária da liberdade dos seres humanos. Nós não estávamos por perto na ocasião. Então, nada disso parece estar além do poder da onipotência para impedir sem o fracasso do bem.
34. Outra objeção: A defesa do bem maior pode facilmente levar a uma espécie de análise custo-benefício que é profundamente repugnante para o nosso senso moral. Considere o tipo de caso que preocupava Ivan no grande romance de Dostoievski, Os Irmãos Karamazov. A menina é tratada brutalmente por seus pais, que batem nela porque ela fez algo que os deixa com raiva. Talvez ela faz xixi na cama repetidamente, e eles acham que ela tem idade suficiente para controlar a bexiga. Ou, talvez, o pai é um alcoólatra que abusa sexualmente de sua filha. Os Irmãos Karamazov é uma ficção, mas para ouvir sobre casos reais como este, você só precisa ouvir regularmente o jornal das 11h00.
35. A defesa do livre-arbítrio parece dizer em casos deste tipo: bem, é tudo muito triste, é claro, mas este é o preço que temos que pagar para ter liberdade. Para o pai de ter a oportunidade de mostrar o bem moral, Deus deve dar-lhe a oportunidade de escolher o mal. Você não pode ter a oportunidade de um sem o outro. E o fato do pai ter a oportunidade de mostrar o bem moral é um grande bem tal que supera o fato de ele escolher o mal.
36. Mas note quem recebe o bem aqui: É o pai. E notem quem sofre o mal: É a menina. Admitamos, para efeito de argumentação, que o benefício supera o custo. A liberdade é um grande bem. Entretanto, ainda faz alguma diferença quem paga o custo. A liberdade pode ser um grande bem, até mesmo um bem tão grande que compensaria um sofrimento realmente horrível. Mas a justiça requer alguma atenção, não só para o valor líquido do bem, depois de ter subtraído o mal, mas também para a forma como o bem e o mal são distribuídos. Algumas distribuições não são justas.
37. A menção de Ivan Karamazov me traz à minha objeção final. Ivan afirma que, se Deus não existe, tudo é permitido. Dr. Craig acredita na mesma coisa. Dostoiévski, falando através de Ivan, pode ter declarado o problema do mal tão poderosamente quanto qualquer ateu, mas ele próprio era um cristão, que acreditava que Deus deveria existir para que tivessemos senso de moralidade.
38. Eu acho que o oposto é verdadeiro. Eu acho que a fé cristã torna a moralidade, como normalmente pensamos sobre ela, ininteligível. Considere a história de Abraão e Isaque. Um dia, Deus pôs Abraão à prova. Ele disse a Abraão: “Toma teu filho, Isaque, a quem amas, e vai à terra de Moriá, e oferece-o ali em holocausto.” Deus não dá nenhuma razão para este comando horrível. E Abraão não pede nenhuma. Ele simplesmente se propõe a obedecer o comando. E ele quase cumpre a ordem. Ele tem a faca levantada para matar seu filho, quando Deus envia um anjo para deter sua mão. Deus, então, diz que está satisfeito com Abraão. ” Porquanto agora sei que temes a Deus, e não me negaste o teu filho, o teu único filho.” No final, Deus realmente não requer o sacrifício. Mas ele exige que Abraão demonstre a sua disposição em realizar o sacrifício.
39. Qual é a moral desta história? Eu sugiro que seja esta: como criaturas de Deus, a nossa maior lealdade deve ser para Deus, mesmo que isso requeira o sacrifício de nossas mais profundas lealdades humanas; Deus é nosso Criador, nosso Senhor, e nós lhe devemos obediência absoluta, não importa o que ele ordene; ele pode ordenar qualquer coisa. Não existem restrições à sua vontade; de modo que pode fazer o que desejar. Não há previsão do que ele possa exigir; e não há nada que garanta que suas ordens não mudarão de uma hora para outra. No início da história, Deus ordena a Abraão que mate Isaque; no meio ele ordena a Abraão que não mate Isaque.
40. Se existe um Deus, que é capaz de ordenar qualquer coisa; e se a nossa maior lealdade deve ser a este Deus, não há nada, salvo a desobediência a Deus, que possamos seguramente afirmar que esteja além dos limites; nenhum ato de um certo tipo que simplesmente não possa ser feito, até mesmo estupro, para usar o exemplo do Dr. Craig. Se este Deus existe e devemos obedecê-lo incondicionalmente, então qualquer coisa pode vir a ser permitida. Este ponto de vista é destrutivo à moralidade comumente por nós idealizada.
41. Este é o meu argumento de abertura. Eu ofereci sete objeções, sete objeções mortais, eu diria: o teísmo cristão tem o compromisso com a predestinação, com o inferno, com o pecado original, com a justificação pela fé, e com o exclusivismo; não há uma boa solução para o problema do mal; e é destrutivo à moralidade conforme a entendemos. Estas são apenas algumas das objeções que tornam impossível para mim acreditar no Deus cristão.
William Lane Craig – Primeira Refutação
1. Eu quero agradecer ao Dr. Curley por suas observações muito pessoais e sensíveis. Nesse discurso eu espero mostrar, no entanto, que a maioria de suas objeções são destinadas a um alvo falso, em uma concepção de Deus que eu, como Cristão, rejeito. O que o Dr. Curley oferece é, de fato, um conjunto de sete objeções mortais ao Deus Calvinista, não ao Deus Cristão. Somente igualando o Calvinismo ao Cristianismo é que suas objeções têm alguma força. E eu nego exatamente essa igualdade. Eu não sou um Calvinista.
2. Agora, para aqueles que não são familiarizados com essa terminologia, deixe-me explicar. O Calvinismo é um tipo de teologia decorrente do reformador Protestante Francês João Calvino. Essa teologia mantém que todas as pessoas estão escravizadas ao pecado, mas que Deus em sua graça, escolheu soberanamente salvar somente alguns deles e deixar o resto para ser condenados. Aqueles que Ele predestinou à salvação, Ele traz irresistivelmente e os dá uma fé justificadora. Assim, a salvação ou condenação de alguém não é o resultado do livre arbítrio humano, mas de uma escolha soberana de Deus.
3. O Calvinismo é justamente a teologia dos Anglicanos, ou Episcopais, igreja na qual o Dr. Curley foi criado. Mas a maioria das denominações cristãs não defende o Calvinismo. É simplesmente paroquial pensar que todas essas outras denominações não são, portanto, verdadeiramente cristãs. Estão os Católicos, Metodistas, Batistas e Ortodoxos Orientais, todos sobre o terreno escorregadio da heresia como o Dr. Curley afirma? Eu acho que pensar desta forma seria um dogmatismo de visão extremamente limitada.
4. Minhas próprias visões teológicas são amplamente Wesleyanas, chamadas pelo nome de John Wesley, o fundador do Metodismo. Eu creio no livre arbítrio humano e que o lugar no qual nós passaremos a eternidade é, em última análise, o resultado de nossas próprias escolhas. Então, deixe-me considerar especificamente as objeções teológicas do Dr. Curley.
5. I: Predestinação.
O Dr. Curley apresenta o seguinte argumento:
1. Predestinação é incompatível com o amor e a justiça de Deus.
2. Predestinação é ensinada na Bíblia.
3. Portanto, o Deus da Bíblia não existe.
6. Eu concordo com a sua primeira premissa, mas eu nego a segunda, que predestinação, como ele a define, é ensinada na Bíblia. Ao contrário, eu acho que a Bíblia ensina que é a vontade de Deus que todas as pessoas sejam salvas. II Pedro 3.9 declara, “não querendo que ninguém se perca, senão que todos venham a arrepender-se”. E I Timóteo 2.4 diz, “Deus, nosso salvador deseja que todas as pessoas sejam salvas e cheguem ao pleno conhecimento da Verdade”. Então, a vontade de Deus é que todas as pessoas sejam salvas e o único obstáculo contra a realização da Sua vontade é a liberdade humana.
7. Mas e as passagens bíblicas sobre a predestinação? Eu sugiro que elas sejam entendidascorporativamente. Deus predestinou um grupo, um povo, para a glorificação e salvação. Mas quem é membro do grupo? Aqueles que respondem livremente a oferta de perdão de Deus em Cristo Jesus e colocam sua confiança nEle. E, desta forma, eu penso que o Dr. Curley está simplesmente equivocado sobre o fato de que um cristão crente na Bíblia tem que crer em uma predestinação individual arbitrária.
8. II: O Argumento do Inferno.
O Dr. Curley apresenta o seguinte argumento:
1. Pecados menores não merecem punição eterna.
2. A Bíblia ensina que Deus punirá eternamente pecados menores.
3. Portanto, o Deus da Bíblia não existe.
9. Agora, nesse argumento eu acho que as duas premissas são falsas. Mas o tempo só me permite tratar com a segunda. Com respeito à segunda premissa, está longe de ser óbvio que a Bíblia ensina a punição eterna por pecados menores. Antes, o que nos separa de Deus para sempre é o pecado de rejeitá-lo livremente mantendo-o fora de nossas vidas. Esse é um pecado de gravidade e proporção infinita, desde que é a decisão livre das criaturas de rejeitar o próprio Deus. É certo que o Calvinismo do Dr. Curley não tem espaço para esse tipo de pecado. Mas, na visão bíblica, nem é tanto Deus, mas as próprias criaturas quem determinam seus destinos eternos.
10. III: Pecado Original.
O Dr. Curley dá o seguinte argumento:
1. Crianças são condenadas por causa do pecado original.
2. A Bíblia ensina o pecado original.
3. Portanto, o Deus da Bíblia não existe.
11. Eu questiono a primeira premissa. De fato, eu desafio o Dr. Curley a ler pra mim uma simples passagem da Escritura que ensina que as crianças são condenadas por causa do pecado original. A Bíblia não ensina tal coisa. Ao contrário, Jesus tomou crianças pequenas em seus braços e as abençoou dizendo “Deixem as crianças vir a mim…porque das tais é o reino dos céus” (Mc 10.14).
12. IV e V: Justificação por Fé e Exclusivismo. (Os argumentos 4 e 5 são tratados em conjunto)
Aqui o argumento do Dr. Curley parece assim:
1. A Bíblia ensina que Deus dá a fé justificadora àqueles a quem Ele escolher arbitrariamente e exclui os demais.
2. É injusto fazer isso.
3. Portanto, o Deus da Bíblia não existe.
13. Eu acho que a primeira premissa é falsa. Em nenhum lugar o Novo Testamento ensina que a fé justificadora é outorgada arbitrariamente por Deus. Antes, a justificação pela fé é a maravilhosa doutrina de que o perdão de Deus e a salvação são dons gratuitos que você não pode fazer nada para merecer. Essa é uma doutrina maravilhosa, pois nos livra do difícil trabalho de tentar ganhar o favor de Deus e tentar merecer a salvação. Tudo o que nós temos que fazer é colocar a confiança nele livremente. Portanto, Deus não exclui ninguém. Jesus disse, “Se alguém tem sede, venha a mim e beba” (João 7.37). Mas algumas pessoas excluem a Deus livremente de suas vidas.
14. Então, em resumo às cinco objeções teológicas eu quero dizer: Dr. Curley, e eu quero dizer isso sinceramente, eu tenho boas novas pra você. (A palavra “evangelho” significa “boas novas”). Você não tem que ser um Calvinista para ser um Cristão! (Risos).
Então, deixe-me retornar às objeções filosóficas restantes.
15. VI: O Problema do Mal.
Aqui, o argumento do Dr. Curley parece ser alguma coisa como isso:
1. Deus existe.
2. Se Deus é Todo-Poderoso, Ele pode criar o mundo que Ele quiser.
3. Se Deus é Todo-Benevolente, Ele criaria um mundo sem mal.
4. Portanto, o mal não deveria existir.
Mas, o mal existe. Então segue, portanto, que Deus não existe.
16. Agora, o problema com esse argumento é que o Dr. Curley não mostrou que qualquer das duas premissas cruciais é necessariamente verdadeira. Tome a premissa (2), que um Deus Todo-Poderoso pode criar o mundo que Ele quiser. Se Deus deseja criar criaturas livres, então, é logicamente impossível para Ele fazer com que elas livremente façam o que Ele quer. Então, o Dr. Curley teria que mostrar que existe um mundo de criaturas livres que Deus poderia criar, no qual há tanto bem quanto neste mundo, mas que tem menos mal. Mas como ele provaria tal coisa? É pura especulação.
17. E sobre a premissa (3), que um Deus Todo-Amoroso preferiria um mundo sem mal. Essa premissa poderia ser verdade se o propósito de Deus fosse criar um ambiente confortável para seus animais de estimação humanos. Mas na visão Cristã, nós não somos animais de estimação de Deus. E o propósito da vida não é felicidade, como tal, mas o conhecimento de Deus e sua salvação que trará no final das contas a verdadeira felicidade. Mas muitos males ocorrem na vida os quais são totalmente sem propósito com respeito a produzir felicidade humana. Mas eles podem não ser sem propósito com respeito a produzir um profundo conhecimento de Deus. O Dr. Curley teria que provar que existe outro mundo que Deus poderia ter criado com essa quantidade de conhecimento de Deus e de sua salvação, mas com menos mal. Mas como alguém poderia provar tal coisa? Novamente, é pura especulação. E, portanto, o problema do mal, eu penso, é simplesmente inconclusivo e não invalida o teísmo Cristão.
18. Finalmente, VII: O Problema da Moralidade.
Aqui o argumento segue assim:
1. Se a moralidade ordenada por Deus é verdadeira, então Ele é capaz de ordenar qualquer coisa.
2. A moralidade ordenada por Deus é destrutiva à moralidade comumente por nós idealizada.
3. Portanto, a lei moral divina não é verdadeira.
19. Diante disso, mesmo se as premissas desse argumento forem verdadeiras, o argumento é deficiente, visto que é inválido; a conclusão não segue das premissas. A moralidade ordenada por Deus ainda poderia ser verdadeira mesmo se tivesse as conseqüências letais que o Dr. Curley atribui a ela.
20. Mas as premissas são realmente verdadeiras? Bem, eu penso que não. Primeiro, não é o caso de Deus ser o responsável por comandar todas as coisas. Os comandos de Deus necessariamente fluem de sua própria natureza e caráter, que é essencialmente amor, santo, compaixão, justo, e assim por diante. E assim, seus comandos não são arbitrários, mas refletem a própria moralidade perfeita de Deus.
21. Segundo, a moralidade ordenada por Deus não é destrutiva à moralidade precisamente porque os comandos de Deus são estáveis e firmes. O caso de Abraão e Isaque é a exceção que prova a regra. Eu acho que nós podemos seguramente guiar as nossas vidas pelos Dez Mandamentos e pela Regra de Ouro sem nos preocupar se Deus nos mandará fazer alguma coisa contrária. E relembre a alternativa: se não existe nenhum Deus, então tudo é relativo, e nós temos perdido completamente nosso escopo moral. Como Dostoevsky disse corretamente, “Todas as coisas são permitidas”.
22. Penso que apesar do Dr. Curley talvez nos ter dado boas razões para achar que o calvinismo não é verdadeiro, ele não nos deu boas razões para pensar que o teísmo Cristão não é verdadeiro. Ao contrário, eu acho que nós já vimos cinco boas razões, ainda não refutadas, para pensar que o Criador e Designer do universo existe, que é o lócus dos valores absolutos e que se revelou decisivamente em Jesus Cristo. E, portanto, eu penso que o teísmo Cristão é uma cosmovisão mais plausível.

Tradutores: Walson Sales e Samuel Coutinho
quarta-feira, 21 de janeiro de 2015 0 comentários

Cientistas encontram cópia mais antiga do Evangelho em uma múmia egípcia

Esta máscara de múmia é uma das que foi desmontada por pesquisadores da Universidade Evangelista de Acadia, no Canadá, e revelou um antigo papiro. Em uma máscara semelhante, os cientistas encontraram o mais antigo evangelho, que data do primeiro século
Um grupo de cientistas encontrou a cópia mais antiga do Evangelho em um papel papiro reutilizado para construir a máscara de uma múmia egípcia, revelou à Agência Efe Craig Evans, doutor em Estudos Bíblicos e um dos responsáveis pela descoberta.

Trata-se de um fragmento do Evangelho de São Marcos, localizado há três anos e que, agora, especialistas da Universidade Evangelista de Acadia, no Canadá, consideram como o primeiro manuscrito do Novo Testamento da Bíblia de que se tem conhecimento.

Os cientistas acham que a origem do papiro remonta o primeiro século de nossa era, entre o ano 80 e 90 d.C., o que representa uma grande novidade. Até então, as cópias mais antigas datavam do século II depois de Cristo.

Os especialistas acreditam que alguém escreveu o fragmento de texto no papiro e, depois, outras pessoas reciclaram o material, muito caro na época, para elaborar a máscara funerária.

As máscaras de papel eram utilizadas pelas pessoas pobres do Egito, não tendo relação com as feitas em ouro e joias para cobrir os rostos dos grandes faraós, explicou Evans.

Acredita-se que São Marcos escreveu seu evangelho em Roma, acompanhado de São Pedro. Mas como a cópia viajou da atual capital italiana ao Egito? O caminho não é assim tão longo, garante o pesquisador.

"No Império Romano, o correio tinha a mesma velocidade de hoje em dia. Uma carta escrita em Roma pode ser lida no Egito semanas depois. Marcos escreveu seu evangelho no final dos anos 60 d.C, portanto, era possível encontrar uma cópia no Egito 20 anos depois", defende.

Para determinar a data dos papiros, os cientistas usaram uma técnica que permite descolar o papel das máscaras sem danificar a tinta. Dessa forma, os textos podem ser lidos com a mesma clareza.

Esse evangelho é uma das centenas de documentos que estão sendo analisados pela equipe de Evans, composta por mais de 30 especialistas.

"Estamos recuperando antigos documentos do primeiro, do segundo e do terceiro século depois de Cristo. Não só documentos bíblicos, mas também textos gregos clássicos ou cartas pessoais", explicou Evans, que revelou que alguns deles pertencem do poeta grego Homero, autor de grandes obras clássicas como "Ilíada" e "Odisseia".

No caso do fragmento do evangelho de São Marcos, foram analisadas também o design do projeto e as decorações da máscara, assim como o estilo da escrita e a datação do material, através do uso do isótopo carbono-14.

No final do ano, as descobertas serão divulgadas em uma revista especializada. Só então o público conhecerá qual o trecho do evangelho de São Marcos escondido nos papiros da máscara egípcia.

Fontes: http://noticias.uol.com.br/ciencia/ultimas-noticias/efe/2015/01/20/cientistas-encontram-copia-mais-antiga-do-evangelho-em-uma-mumia-egipcia.htm#fotoNav=1
terça-feira, 20 de janeiro de 2015 0 comentários

Charges: Sou Cristão

Curtam nossa página: https://www.facebook.com/Cristianismounderground
segunda-feira, 19 de janeiro de 2015 0 comentários

Reflexões: Orai sem cessar.

Pergunta: "O que significa orar sem cessar?"

Resposta: O Ordem de Paulo em 1 Tessalonicenses 5:17: “Orai sem cessar” pode ser bastante confuso. Talvez você pense que esse versículo signifique que devemos estar com uma postura de cabeças baixas e olhos fechados o dia todo. Mas é obvio que não é isso. O apóstolo Paulo não está se referindo a falar sem parar, mas uma atitude de consciência da presença de Deus e de render a Ele tudo o que fazemos, o tempo todo. O tempo todo temos que está em espirito orando, conversando com Deus.

Todos os nossos pensamentos tem que direcionados a Deus. Nossas preocupações, medos, desejos, receios. TUDO.
Paulo nos alerta em sua carta aos Filipenses, nos orientando a confiar e entregar a ansiosidade em Oração ao Cristo.“Não andeis ansiosos de coisa alguma; em tudo, porém, sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graças” (4:6). A palavra também nos ensina a perseverar “na oração, vigiando com ações de graças” (Colossenses 4:2). A oração deve ser usada como uma arma na batalha espiritual (Efésios 6:18).

O que dizer dessas frases de vários cristãos ao longo do tempo?

"Atualmente estou tão ocupado que não posso passar menos de quatro horas por dia na presença de Deus." - Martinho Lutero (1483-1546)

"A oração é o encontro da sede de Deus e da sede do homem." -
Agostinho de Hipona (354-430 d.C)

"Quando buscamos a Deus em oração, o diabo sabe que estamos querendo mais poder para lutar contra ele, e por isso procura lançar contra nós toda a oposição que é capaz de arregimentar." -
Richard Sibbes (1577-1635)

"Na oração, é melhor ter um coração sem palavras do que palavras sem um coração." - John Bunyan (1628-1688)

"A oração fará o homem parar de pecar, ou o pecado o seduzirá a parar de orar." - John Bunyan (1628-1688)

"Pela fé e pela oração, fortaleça as mãos frouxas e firme os joelhos vacilantes. Você ora e jejua? Importune o trono da graça e seja persistente em oração. Só assim receberá a misericórdia de Deus."
John Wesley (1703-1791)

"As minhas orações não mudam a Deus, mudam a mim mesmo."
C.S. Lewis (1898-1963)

No Underground Cristão, tbm temos algumas letras sobre oração.
Para os Cristãos, oração é como respiração. Já dizia a música do Iahweh, "orar não é pedir, é a respiração da alma".

E outra banda cristã, o Stauros também diz "Oração é uma viagem pro céu, comunhão com o pai da criação."

Uma pergunta para nós, quanto tempo temos gastado, orando e tendo comunhão com Deus? Como anda nossa comunhão com Deus? Temos confiado e entregado nossos sentimentos a Deus?

Já dizia uma letra do Oficina G3. "Não é tempo de dizer adeus.
A Deus pertence todo o tempo.Sempre que quiser dizer adeus.
A Deus entregue seu sofrimento".

Sem oração a vida do Cristão não tem sentido.  Portanto, Ore! Fale com o Aba!

Curtam nossa página: https://www.facebook.com/Cristianismounderground
domingo, 18 de janeiro de 2015 0 comentários

O Evangelho da Graça e o Amor de Deus



Olá, galera! Estou Passando para deixar uma reflexão pra vocês, sobre a salvação  e a vida eterna.
 O que faço para ser salvo?

Antes de te responder essa pergunta: O que faço para ser salvo?
Vou te perguntar esta: Porque você tem que ser salvo?
Abaixo vai alguns conselhos e exortações bíblicas:

Primeiro você tem que reconhecer quem você é, sua condição espiritual ...
Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus;(Romanos 3:23).
Por causa do pecado de Adão,  herdamos a natureza pecaminosa, nós tornando depravados, para um Deus SANTO e PURO.
Reconheça que você é tão espiritualmente corrupto, orgulhoso e rebelde que  nunca conseguiria chegar à fé em Jesus sem a vitória misericordiosa de Deus sobre os últimos vestígios de sua rebelião. (1 Coríntios 2:14; Efésios 3:1-4; Romanos 8:7).

Porque o salário do pecado é a morte,(Romanos 6:23a)

Quando você reconhecer isso, que até a Graça de Deus você não merece, você começara a entender porque tem que ser salvo! A bíblia diz:

Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus.
Não vem das obras, para que ninguém se glorie; ( Efésios 2:8-9)

O evangelho declara que, não importa quão dedicados e devotos sejamos, Não somos capazes de salvar a nós mesmos. E agora o que tenho que "fazer"?

O que Cristo fez? 
Eis a boa nova ... Cristo o filho de Deus, o que Jesus fez foi suficiente.

Porque o Filho do homem veio buscar e salvar o que se havia perdido. ( Lucas 19:10)

Eu não vim chamar os justos, mas, sim, os pecadores, ao arrependimento. ( Lucas 5:32)

Cristo morreu por ti, e se sacrificou em teu lugar, pagando a dívida que nós tínhamos com Deus. Se por causa de Adão, herdamos a natureza depravada e ficamos em débito para com Deus.  Por conta do Sacrifício perfeito de Cristo, foi nos dada outra chance. A bíblia afirma que o Segundo Adão é maior que o primeiro Adão. Leia:

"Porque Cristo, estando nós ainda fracos, morreu a seu tempo pelos ímpios.
Porque apenas alguém morrerá por um justo; pois poderá ser que pelo bom alguém ouse morrer.
Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores.
Logo muito mais agora, tendo sido justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira.
Porque se nós, sendo inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de seu Filho, muito mais, tendo sido já reconciliados, seremos salvos pela sua vida.
E não somente isto, mas também nos gloriamos em Deus por nosso Senhor Jesus Cristo, pelo qual agora alcançamos a reconciliação.
Portanto, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram.
Porque até à lei estava o pecado no mundo, mas o pecado não é imputado, não havendo lei.
No entanto, a morte reinou desde Adão até Moisés, até sobre aqueles que não tinham pecado à semelhança da transgressão de Adão, o qual é a figura daquele que havia de vir.
Mas não é assim o dom gratuito como a ofensa. Porque, se pela ofensa de um morreram muitos, muito mais a graça de Deus, e o dom pela graça, que é de um só homem, Jesus Cristo, abundou sobre muitos.
E não foi assim o dom como a ofensa, por um só que pecou. Porque o juízo veio de uma só ofensa, na verdade, para condenação, mas o dom gratuito veio de muitas ofensas para justificação.
Porque, se pela ofensa de um só, a morte reinou por esse, muito mais os que recebem a abundância da graça, e do dom da justiça, reinarão em vida por um só, Jesus Cristo.
Pois assim como por uma só ofensa veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação de vida.
Porque, como pela desobediência de um só homem, muitos foram feitos pecadores, assim pela obediência de um muitos serão feitos justos.
Veio, porém, a lei para que a ofensa abundasse; mas, onde o pecado abundou, superabundou a graça;
Para que, assim como o pecado reinou na morte, também a graça reinasse pela justiça para a vida eterna, por Jesus Cristo nosso Senhor." - Romanos 5:6-21

E o que Jesus Cristo diz:

Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim. João 14:6 e E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. - João 8:32

Responderam-lhe: Somos descendência de Abraão, e nunca servimos a ninguém; como dizes tu: Sereis livres?
Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que todo aquele que comete pecado é servo do pecado. Ora o servo não fica para sempre em casa; o Filho fica para sempre.

Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres. João 8:33-36



"Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus.
Ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue, para demonstrar a sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Deus;
Para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus."  Romanos 3:23-26

Mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor. (Romanos 6:23b)

O que a morte de Cristo fez?

Cristo reconciliou consigo o mundo.

Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.
Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus. João 3:16-18


"E tudo isto provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Jesus Cristo, e nos deu o ministério da reconciliação;
Isto é, Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados; e pôs em nós a palavra da reconciliação.
De sorte que somos embaixadores da parte de Cristo, como se Deus por nós rogasse. Rogamo-vos, pois, da parte de Cristo, que vos reconcilieis com Deus.
Àquele que não conheceu pecado, o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus." 2 Coríntios 5:18-21

Então, os seus pecados do passado foram esquecidos, e agora nos alerta o apóstolo: "Rogamo-vos, pois, da parte de Cristo, que vos reconcilieis com Deus."
E as escrituras nos ensina que temos a oportunidade mais uma vez, graça a Cristo. E nos convida:

Mas Deus, não tendo em conta os tempos da ignorância, anuncia agora a todos os homens, e em todo o lugar, que se arrependam;  Atos 17:30

O tempo está cumprido, e o reino de Deus está próximo.  Arrependei-vos, e crede no evangelho.(Marcos 1:15)

Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e a tua casa. (Atos 16:31)

 "Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus e em teu coração creres que Deus O ressuscitou dos mortos, serás salvo ... pois a Escritura diz que todo aquele que Nele crer não será confundido..." (Romanos 10:9-11)

E agora o você tem que fazer?

Após ouvir a mensagem poderoso do Evangelho, Cristo te liberta do engano do pecado e te dar a oportunidade de ser salvo, te capacitando a responder positivamente ao chamado gracioso do Evangelho. Portanto, se Arrependa e Creia que Jesus é o Cristo filho de Deus, único e suficiente salvador da sua vida! E persevere nessa Fé.

sábado, 17 de janeiro de 2015 0 comentários

Perpetual Legacy: Symphonic Metal Brasil


A cena cristã brasileira a cada dia vem nos presenteando com excelentes bandas, tais como: Divine Symphony, Antidemon, Eterna, Allos, Adiastasia, 7th Symphony, Saint Spirit, Krig, Hating Evil, CrossRock, Dissafection, Cerimonial Sacred, Propciatorium, Hazeroth, entre outras. Recentemente descobri  a banda "Perpetual Legacy", oriunda de Brasília.


 A banda ainda não chegou a gravar nada, mas segundo sua página oficial, estão trabalhando na produção do seu primeiro álbum de estúdio que promete além de uma boa qualidade, um som mesclando elementos do Heavy, Power, Folk e claro muitos elementos sinfônicos.

Para os apreciadores de mulheres no metal como vocalistas,  o Perpetual Legacy, também traz essa proposta. O vocal busca ser versátil, dos graves aos agudos, passeando pelas regiões do canto lírico. 
A banda entrará em estúdio no início de fevereiro.

 Estou ansioso pra conferir o trabalho da banda.  E com certeza continuaremos a divulgar a banda, e apoiar a cena underground cristã do nosso país. Desde desejamos sucesso na caminhada para os membros do "Perpetual Legacy", que esse seja o primeiro de vários álbuns.


Abaixo segue um pouco da história da banda, retirado de sua página oficial: https://www.facebook.com/PerpetualLegacy

A Banda Perpetual Legacy surgiu no início de 2014, ainda quando Matheus (Bass) e Michelle (Vocal) tocavam juntos em uma banda de metal extremo, mas decidiram gravar um projeto (EP) paralelo de metal sinfônico. Pouco tempo depois, os outros músicos convidados já estavam bastante envolvidos com esse projeto, o que acabou tomando uma proporção maior do que deveria ser inicialmente.

Desde então, a banda trabalha arduamente em cima das composições e estudos e hoje se prepara para entrar em estúdio no dia 1º de fevereiro para gravar seu primeiro álbum full profissionalmente.

A banda busca bastante influência em bandas do gênero, porém, procuramos colocar nossa identidade nas músicas.

Perpetual Legacy traz a mescla de peso e melodia em cada canção, casando o heavy/power metal com bastante orquestração e elementos folk.

O vocal busca ser versátil, dos graves aos agudos, passeando pelas regiões do canto lírico.

Ou seja, cada música, um diferencial, mas com muita sinfonia.

As letras abordam temas de conflitos humanos e cristianismo. Buscamos falar sobre o que vivemos e cremos.

Perpetual Lecacy é:

Michelle B. Rodovalho (Vocal)
Bruno Henrique (Guitarra)
Matheus Maia (Baixo)
Rafael Lobo (Piano e teclado)
Gabriel Pedroso (Bateria)

Não deixe de acompanhar nossa página no facebook: https://www.facebook.com/Cristianismounderground

Não deixe de acompanhar nossa página no facebook: https://www.facebook.com/Cristianismounderground
sexta-feira, 16 de janeiro de 2015 0 comentários

Hellhammer: Black Metal: Música ou Ideologia?

Hellhammer: Black Metal: Ideologia ou apenas música?


Existe um eterno debate na cena do metal extremo, entre os fãs do Black Metal. Muitos Headbangers dizem que o Black metal só pode ser usado para propagar o satanismo, o ódio a religião, ao cristianismo e etc. Pois o Black Metal é mais que um gênero musical, e sim uma ideologia de vida.

Entretanto, há outros Headbangers, inclusive músicos que tocam black Metal afirmam que o Black Metal não se restringe a ideologia satanista, mas alarga em várias ideologias e temáticas. Afinal pra esses o black metal atualmente é apenas música.

Entre eles temos a lenda da banda Mayhem. O baterista Hellhammer que inclusive gravou a bateria do álbum "The Forsaken" da banda Cristã de Black Metal ou metal extremo da Noruega, o famoso "Antestor".  Segundo algumas fontes, veja o que Hellhammer diz, sobre o atual black metal:

Na minha opinião, black metal hoje, é apenas música. Vou dizer-lhe que nem eu nem os outros membros do Mayhem nunca fomos contra a religião ou outra coisa qualquer. Estamos principalmente interessados na música."





Fontes:
Skogtroll (07 de Janeiro de 2007). Hellhammer (Jan Axel Blomberg):"I just have wonderful memories of your country!" (em russo, traduzido pelo google para Inglês) Metal Library Open Publishing. Visitado em 24-06-2008.

Inclusive não é de se admirar que atualmente existem bandas de black metal que tratam e fazem apologia a diversos tipos de pensamentos: ufologia, Natureza, Cristianismo, paganismo, entre outros ..

 Releia o acontecimento sobre a gravação do álbum, nas palavras do vocalista do Antestor  Ronny Hansen e nas palavras do Jan Axel Blomberg (Hellhammer).

The Forsaken foi gravado em 2004 no Top Room Studios, que tem sido utilizado por grupos como Tristania, Borknagar, Mayhem, e Extol. O álbum foi produzido por Børge Finstad. Várias canções das sessões de gravação foram abandonadas do full-length e foram publicadas em um EP intitulado "Det Tapte Liv". A formação da gravação desse álbum apresenta dois antigos membros da banda de black metal Vaakevandring, (o vocalista Ronny Hansen e o tecladista Morten Sigmund Mageroy) bem como o vocal feminino da vocalista Ann-Mari Edvardsen do grupo de Doom metal The 3rd and the Mortal. Lars Stokstad é o único membro original do Antestor neste álbum.

O álbum é conhecido pelas características de bateria por hellhammer, um dos mais conhecidos bateristas no metal extremo. Por sua performance nesse álbum ele foi muito criticado na cena Metal. Em uma entrevista com o site russo Metal Library em 7 de janeiro de 2007, Hellhammer diz:

Para ser honesto, isso (tocar para o Antestor) foi um grande "mer--" para todos eles (colegas do Mayhem e gravadora). Vou repetir mais uma vez que eu decido o que eu faço e não só toco em bandas de Black metal.

Fontes:
Skogtroll (07 de Janeiro de 2007). Hellhammer (Jan Axel Blomberg):"I just have wonderful memories of your country!" (em russo, traduzido pelo google para Inglês) Metal Library Open Publishing. Visitado em 24-06-2008.

O vocalista Ronny Hansen conhecia Hellhammer e lhe pediu para tocar na banda. Os membros do Antestor deram-lhe as demos das músicas, mas de acordo com Blomberg, ele nunca conheceu os membros do Antestor pessoalmente no estúdio, porque o produtor Børge Finstad queria trabalhar com cada músico sozinho, para alcançar resultados melhores e mais produtivos.

A banda também pediu a Hellhammer para tocar ao vivo para eles, mas Blomberg recusou. Não era uma questão sobre suas crenças, como Hellhammer explica: "Na minha opinião, black metal hoje, é apenas música. Vou dizer-lhe que nem eu nem os outros membros do Mayhem nunca fomos contra a religião ou outra coisa qualquer. Estamos principalmente interessados na música. " O vocalista Ronny Hansen comentou a performance de Blomberg:

"Antes de tudo Jan Axel "Hellhammer" é um total profissional. Ele iniciou-se juntamente com a pior e secular cena (risos) norueguesa, mas ele não se importa se isso é laico ou cristão. Ele sabia desde o início o que Antestor defende. E talvez, se tivermos a chance, estamos mais do que dispostos a usá-lo novamente. Porque o sua técnica é excelente. Eu acho que ele é o melhor baterista da cena, e estamos muito felizes de ter apenas seu brilho emprestado. "

Fontes: Kemman, Max, Antestor interview, Jesus Metal, acessado em 30-10-2007

Leia mais em: http://pt.wikipedia.org/wiki/The_Forsaken#cite_note-Hellhammer_interview-1

sábado, 31 de janeiro de 2015

Soberania e reponsabiblidade



Somente um Deus SOBERANO e AMOROSO se autolimitaria de forma voluntária para respeitar o livre-arbítrio do homem. Assim como um PAI orienta o caminho ao filho que deve seguir, mas NÃO O OBRIGA e nem age coercivamente contra a liberdade do filho.
O determinismo calvinista não oferece uma interpretação coerente da Escritura, pois nega o livre-arbítrio humano. E muitos estudiosos concordam que o determinismo é falho, um exemplo é o D.A Carson que identifica na bíblia noves correntes de textos que afirma a liberdade humana, vejamos:
(1) As pessoas enfrentam uma série de exortações divinas e comandos, (2) as pessoas são orientadas a obedecer, acreditar, e escolher a Deus, (3) as pessoas pecam e se rebelam contra Deus, ( 4) os pecados das pessoas são julgados por Deus, (5) as pessoas são testadas por Deus, (6) as pessoas recebem recompensas divinas, (7) os eleitos são responsáveis por responder à iniciativa de Deus, (8) orações não são meros exemplos roteirizados por Deus e (9) Deus literalmente implora que os pecadores se arrependam e sejam salvos (Divine Sovereignty and Human Responsibility: Biblical Perspectives in Tension, pp. 18-22).
Agora fica a pergunta, se Deus determina, preordena e torna certo TODO ATO HUMANO, como pregava Calvino e alguns Calvinistas. Como conciliar com esses textos de exortações que convidam ao homem a agir livremente? 

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Compilação: Rockabilly Cristão

*Essa coleção foi feita por mim, baixei algumas músicas  e upei.
Na coletânea contêm três bandas cristãs de Rockabilly:  Pioneers, Ruby Joe e The Screamin Rays.

Tracklist:

Banda: Pioneers

Battle Cry from their
Bible Slinger
Born Again
Cruizn' With My Lord
God Loves The Outlaw
Headless Train
I Don't Want A Mad Monster Party
I Praise Your Name
I'm Right, He's Wrong
King of the Universe
Lord Help Me Help My Hotrod
Rat Rod
Sweet Rose Of Glory

Banda: The Screamin Rays

Been Takin' Chances
Ghost Of Your Love
Unknown Track
Why Are You Cryin'

Banda: Ruby Joe

Foo Foo Flirt - (Proverbs 7-7-21)
Get It Right - (Romans 7-15)
JOHN 17 - (JOHN 17-1-19)

Download: http://www.4shared.com/rar/7SkP73eVce/PioneersRubyJoeTheSRays.html

Sem liberdade, não pode haver relacionamento

Pense em um relacionamento, onde apenas um conjugue [X] possui liberdade total e outro conjugue [Y] não possui liberdade alguma.Dai fica a pergunta, como pode Y amar X? Se Y não possui liberdade. Se não há escolhas livres, atitudes livres de Y, de fato não há amor, pois amar é um ato que tem que ser de livre escolha e não determinado ou coercivo. O Deus da bíblia nos criou com livre-arbítrio e após a queda, o nosso livre-arbítrio se tornou escravo do pecado, mas Deus usa de sua graça para nos libertar e nos capacitar a escolher livremente ele. Agora de fato pode haver amor. NÃO EXISTE RELACIONAMENTO OU ATO DE AMOR SEM LIBERDADE.

Já dizia um grande amigo:
"Deus criou coisas dotadas de livre-arbítrio: criaturas que podem fazer tanto o bem quanto o mal. Alguns pensam que podem conceber uma criatura que, mesmo desfrutando da liberdade, não tivesse possibilidade de fazer o mal. Eu não consigo. Se uma coisa é livre para o bem, é livre também para o mal. E o que tornou possível a existência do mal foi o livre-arbítrio. Por que, então, Deus o concedeu? Porque o livre-arbítrio, apesar de possibilitar a maldade, é também aquilo que torna possível qualquer tipo de amor, bondade e alegria. Um mundo feito de autômatos — criaturas que funcionassem como máquinas - não valeria a pena ser criado. A felicidade que Deus quis para suas criaturas mais elevadas é a felicidade de estar, de forma livre e voluntária, unidas a ele e aos demais seres num êxtase de amor e deleite ao qual os maiores arroubos de paixão terrena entre um homem e uma mulher não se comparam. Por isso, essas criaturas têm de ser livres." - C. S. Lewis

O nosso relacionamento para com Deus tem que ser de espontânea e livre vontade e não baseado em determinismos, onde um ser nos obriga á ama-lo.

Como poderia Faraó estar livre, se Deus endureceu o coração dele?



ROMANOS 9:17 – Como poderia Faraó estar livre, se Deus endureceu o coração dele?

PROBLEMA: Deus disse a Faraó: "Para isto mesmo te levantei, para mostrar em ti o meu poder e para   que   o   meu nome   seja   anunciado   por   toda   a   terra” (Rm   9:17).   Em   cumprimento   disso, está escrito que Deus endureceu o coração de Faraó (Êx 4:21; cf. Êx7:3). Mas se Deus levantou Faraó e ainda endureceu o coração dele para realizar os seus propósitos divinos, então Faraó não está isento de responsabilidade em relação às ações que praticou?

SOLUÇÃO:  Primeiro, Deus em sua onisciência sabia de antemão exatamente como o Faraó iria agir, e ele usou isso para realizar os seus propósitos. Deus prescreveu os meios da ação livre, porém teimosa, de Faraó, bem como o fim   da libertação de Israel.   Em Êxodo 3:19, Deus disse   a Moisés:
"Eu   sei, porém, que   o   rei   do   Egito não   vos   deixará   ir  se  não   for   obrigado  por   mão forte".  Faraó rejeitou o pedido de Moisés e somente depois de dez pragas foi que finalmente ele deixou o povo ir.

Segundo, é importante notar que Faraó primeiramente endureceu o seu próprio coração. No início, quando Moisés aproximou-se de Faraó com vistas à libertação dos israelitas (Êx 5:1), Faraó  respondeu: “Quem é o Senhor para que lhe ouça eu a voz e deixeir a Israel? Não conheço o Senhor, nem tampouco deixarei ir a Israel"(Êx 5:2).  A passagem que Paulo cita (em Romanos 9:17) é Êxodo 9:16, a qual, no contexto, refere-se à praga das úlceras, a sexta praga.  Mas Faraó endurecera o seu coração antes de Deus afirmar o que afirmou. Somente porque Deus levantou   Faraó, isso não quer dizer que Faraó não seja responsável por suas ações.

Terceiro, Deus usa a injustiça   dos homens para mostrar a sua glória.  Deus ainda considera Faraó   responsável, mas no   processo   do   endurecimento  do  seu   coração o Senhor usou Faraó   para manifestara sua grandeza e glória.
Deus às vezes faz uso de atos maus para obter bons resultados. A história de José é um bom exemplo disso. José foi vendido por seus irmãos, e mais tarde tornou-se o governante do Egito. Lá ele salvou muitas vidas durante o tempo de fome. Quando mais tarde ele se revelou aos seus irmãos e os perdoou, ele disse:  "Vós, na verdade, intentastes   o mal   contra mim; porém Deus o tornou em bem, para fazer, como vedes agora, que se conserve muita gente em vida "(Gn  50:20). Deus pode usar atos perversos para manifestar a sua glória.

Fontes: Geisler, Norman L. Manual popular de dúvidas, enigmas e “contradições “da Bíblia. Norman Geisler, Thomas Howe; traduzido por Milton Azevedo Andrade. São Paulo: Mundo Cristão, 1999. p.346-347

Curtam nossa página: https://www.facebook.com/Cristianismounderground

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

As vezes me sinto assim ...



Ultimamente, tenho me afastado do caminho limitado.
Você tem me dado tantas coisas que nunca tive
E no geral, eu sei é você que sempre me atrai
Se você tocar profundamente vai ver que meu coração é verdadeiro!
Porque odeio o jeito que me sinto esta noite
E sei que preciso de você em minha vida
Sim, odeio o jeito que eu sinto por dentro.

Me sinto como um homem estranho
quando começo a orar.
De joelhos orando por misericórdia.
Mãos elevadas, humilhadas e quebradas.
Olhos maliciosos estão me observando tudo que faço.

No meio da escuridão, Senhor
Meu espírito chama por você
Memórias de redenção, imóvel, com um sentimento de vazio interior.
Querendo tua graça.
Querendo sua segurança.

Em breve terminarei esta vida que estou vivendo.
Eu sou apenas um homem, com um coração e mãos pecaminosas.
Eu sou uma vítima.
Você sabe, ás vezes bem no fundo
(Eu me sinto assim).

Senhor mostre-me o caminho.
Deixe que minhas palavras sejam as Suas palavras. Deixe meus pensamentos serem os seus pensamentos. Senhor me mostre o caminho.
Eu peço isso a você pai.

Pra você, eu dou o meu louvor
O mundo que conheço está me puxando
Cada vez mais, todo dia
este mundo é tão frio, mas teu amor me esquenta
Meu Pai, me segura em suas mãos que eu deixei pregadas e cicatrizadas...

Mas por alguma razão Ele ainda me ama com todo esse coração.
Mesmo quando eu o traio constantemente
Ele sempre deixa seus braços abertos esperando,
até eu desistir do meu velho homem.
Deus, meu pai, você é o único que pode me dar conforto.
Você toca meu coração de tal modo que tudo que posso fazer é dizer seu nome.
Jesus Cristo, Eu te Amo
Meu coração sofre por seu Amor.

Curtam nossa página:Cristianismounderground

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Impelitteri: Novo álbum "Venom" já está pronto



O grande vocalista Rob Rock publicou em seu facebook official (clique aqui) que o novo álbum do Impellitteri já estão mixado e masterizado e o nome do álbum é "Venom".  Agora a banda segue trabalhando com as obras de arte do encarte.

 Na espera por mais uma obra de arte, dessa grande dupla. Será que vai vim na linha do Wicked Maiden? E vcs o que esperam do álbum?

Curtam nossa página: https://www.facebook.com/Cristianismounderground

Debate: Craig x Curley: a distinção entre ser cristão e calvinista

Retirado dos site : http://deusamouomundo.com/calvinismo/debate-entre-craig-e-curley-distincao-entre-ser-cristao-e-ser-calvinista/

A distinção entre ser Cristão e ser Calvinista

Nota dos tradutoresO texto a seguir é um trecho adaptado do debate entre Willian Lane Craig e Edwin Curley. O tema central do debate é a “Existência do Deus Cristão”. É interessante notar que Curley, um “ex-cristão”, levanta diversos argumentos para demonstrar que o Deus conforme apresentado pela bíblia é ilógico e, portanto, é muito provável que ele não seja o verdadeiro Deus. O engraçado do seu discurso é que os argumentos são todos voltados contra a concepção calvinista de Deus (por exemplo, um Deus que escolhe arbitrariamente pessoas para mandar para o inferno), o que de fato não é a verdade bíblica; ou seja, o oponente do cristianismo erra completamente o alvo ao atacar o Deus cristão. Respondendo aos argumentos, o Dr. Craig faz a distinção entre ser Cristão e ser Calvinista, tendo em vista que Curley afirmou que “o calvinismo é o cristianismo”, algo comum entre os calvinistas (e parece que entre os “ex-cristãos calvinistas” também). Essa resposta do Dr. Craig foi arrasadora.
Edwin Curley – Discurso de Abertura
1. O.K. Há outros lugares que eu gostaria de estar esta noite. E certamente há outros lugares nos quais minha esposa gostaria de me acompanhar esta noite. Mas eu estou aqui para argumentar contra a existência do Deus cristão. Eu não estou aqui para defender o ateísmo, ao contrário da impressão que o discurso do Dr. Craig pode ter lhe dado. Olha, eu acho que há muitas maneiras de pensar sobre Deus. E eu acho que algumas delas são maneiras que eu poderia aceitar. Eu simplesmente não posso aceitar o Deus cristão.
2. Quando eu era criança, eu era cristão. Quando adulto, passei a ter dúvidas sobre a fé. Por um tempo autodenominei-me agnóstico. Estas dúvidas levaram-me, enquanto eu estava na faculdade, para o estudo da filosofia e sua história. Muitos dos filósofos que estudei eram cristãos, para quem a defesa racional da sua religião era muito importante. Meus estudos não sanaram minhas dúvidas; eles multiplicaram-nas. Hoje eu penso que não há qualquer chance da religião cristã ser verdadeira. ‘Agnóstico’ não parece mais o rótulo correto para mim, não quando estamos falando do Deus cristão.
3. O rótulo mais comum para alguém que uma vez já abraçou o cristianismo e, em seguida, o rejeitou  é “herege”. Eu não tenho nenhuma objeção a esse rótulo, agora que já concordaram em abolir a pena de morte por heresia. (Risos)
4. Minha iniciação neste caminho se deu através da leitura do livro de orações que minha mãe me deu quando eu tinha 16 anos. Na parte de trás estavam impressos os artigos que os membros da minha religião, a Igreja Episcopal, deveriam concordar. Eu não os li cuidadosamente quando estava me preparando para confirmação. Naquele momento eu tinha apenas 13 anos e havia muitas coisas que eu não entendia. O nosso ministro era um homem bom: muito inteligente, culto e humano. Aos 13 anos, sobre sua autoridade, eu estava disposto a aceitar o que quer que ele me dissesse.
5. Então, aos 16 anos, eu li os artigos da religião cuidadosamente e criticamente pela primeira vez. Eu estava perturbado que minha igreja aceitara a predestinação. Antes da fundação do mundo, dizia um dos artigos, Deus tinha escolhido alguns vasos para honra e outros para desonra. Até onde eu podia ver, havia tão bom fundamento bíblico para este ensino quanto para qualquer outra doutrina afirmada pela igreja. Um dos principais princípios de minha igreja era o de que ninguém deveria ser obrigado a acreditar, como necessária para a salvação, em qualquer doutrina que não pudesse ser provada a partir das Escrituras.
6. Havia também fortes razões filosóficas para aceitar a predestinação. Se Deus é onisciente, se ele sabe de tudo, ele deve ter conhecimento prévio do destino das suas criaturas. Se ele é onipotente, pode fazer qualquer coisa, ou qualquer coisa que é logicamente possível fazer, então nada acontece senão por sua vontade. Então, se eu acabar no inferno, ele já conheceria este destino desde a eternidade, e ele teria desejado isso desde a eternidade.
7. A predestinação não é tão amplamente aceita hoje como era quando a minha igreja foi fundada no século 16. Eu conheço muitos cristãos que a rejeitam. E eu simpatizo com eles. O seu coração está no lugar certo, com certeza. Eu não posso acreditar que um Deus justo e amoroso criaria seres e os predestinaria a passar a eternidade no inferno. Mas os cristãos podem rejeitar a predestinação somente se assumirem o custo de ignorar a autoridade de suas escrituras e as implicações de sua teologia.
8. Esqueça a predestinação. E o inferno? Essa é uma situação diferente. Eu não vejo nenhuma razão filosófica para crer em um castigo eterno para os pecadores. A filosofia é contrária a isso.
9. A filosofia ensina que a punição deve ser proporcional ao crime. Vamos admitir, para o bem do argumento, que todos nós somos em algum sentido pecadores. Qual de nós, olhando para o seu coração, pode dizer honestamente que nunca fez nada seriamente errado, pelo menos uma vez em sua vida? Mas a doutrina do Inferno advoga que a maioria de nós pecadores sofrerão tormento eterno.
10. Em alguns casos, isso pode ser justo. Hitler foi o responsável pelas mortes horríveis de milhões de judeus, para não mencionar os ciganos, eslavos e homossexuais. Talvez para crimes dessa magnitude o castigo eterno possa ser justificado.
11. Eu sou, no sentido que eu especifiquei, um pecador. Mas, com toda sinceridade, devo dizer que para mim os meus pecados parecem muito menores em comparação com os de Hitler. Eu não matei ninguém, nem torturei ninguém, nem fui responsável pela morte ou tortura de qualquer um. No entanto, se a doutrina do inferno estiver correta, farei companhia a Hitler no Inferno. Sem dúvida, eu não sou um juiz imparcial neste caso, mas não me parece justo. (Risos)
12. Apesar dessas dificuldades, o inferno fazia parte do ensino da minha igreja, e faz parte do ensino de muitas igrejas cristãs. Este não é um acidente. A doutrina tem forte apoio nas escrituras cristãs.
13. A crença no inferno também perdeu força desde que minha igreja foi fundada. Eu encontro muitos cristãos que rejeitam o inferno. O seu coração está no lugar certo, com certeza. Eu não posso acreditar que um Deus justo e amoroso destinaria a maioria de suas criaturas a passar a eternidade no inferno. Mas os cristãos que rejeitam o inferno podem fazê-lo somente ao custo de rejeitar também a autoridade de suas escrituras.
14. Eu concedo, para o bem do argumento, de que todos nós somos pecadores. Agora, deixe-me qualificar isso. Muito provavelmente todos nós nesta sala somos pecadores, desde que o requisito para ser um pecador seja fazer algo muito errado ao menos uma vez na vida. Mas eu não admito que absolutamente todos os seres humanos são pecadores.
15. Eu tenho uma neta, a quem eu amo. Ela é uma garota doce e tem apenas sete anos. Ela já deve ter cometido um grande número de pecados. Sei que às vezes ela não se importa muito com sua mãe. Às vezes ela é malvada com seu irmão menor. Eu não acho nada disso grave o suficiente para merecer o castigo eterno. Mas, talvez, há pecados que eu não conheça. Em qualquer caso, ela não é completamente inocente. Provavelmente nenhuma criança dessa idade é completamente inocente. E Jesus disse que devemos ser perfeitos como o Pai celeste é perfeito. Isso é um padrão difícil.
16. Mas quando eu penso sobre situação de minha neta em idade tão precoce, digo, na unidade de tratamento intensivo neonatal, onde passou os primeiros meses de sua vida, com um tubo de oxigênio, um tubo de alimentação e um monitor cardíaco todo amarrado em seu corpo minúsculo, pois ela nasceu na 29ª semana de gravidez da minha filha e pesava menos de 1,3608kg ; então, eu não posso pensar nela, nessa fase de sua vida, como uma pecadora merecedora do inferno.
17. Na tradição cristã, é normal batizar crianças em tenra idade, pois acredita-se que eles vêm ao mundo contaminados pelo pecado de Adão e Eva. Esta é a doutrina do pecado original. Eu não posso acreditar no pecado original. Minha neta pode ser uma pecadora agora, mas não quando ela estava na unidade de terapia intensiva.
18. O pecado original também é hoje menos aceito do que quando minha igreja foi fundada. Encontro muitos cristãos que rejeitam o pecado original. Eu simpatizo com eles. O seu coração está no lugar certo, com certeza. Mas os cristãos podem rejeitar o pecado original somente ao custo de um substancial re-interpretação das suas escrituras e tradições.
19. De forma consistente com a doutrina do pecado original, é comum entre os cristãos a acreditar que se nós somos justificados, é pela fé em Jesus. Uma vez que todos nós somos pecadores, não podemos ganhar a salvação pelas nossas obras. Mas podemos ser perdoados e tratados como se fôssemos justos. A marca de termos sido perdoados é que Deus, por um ato de graça, dá-nos a fé.
20. Esta doutrina tem implicações que eu acho horríveis. Isso implica que aqueles entre nós que não têm fé em Jesus não receberam a graça, não foram perdoados, e, se continuarem nesse estado, vão para o inferno. Portanto, a doutrina da justificação pela fé, que tem forte apoio nas escrituras cristãs, conduz inevitavelmente ao exclusivismo, a idéia de que todos os que rejeitam a doutrina cristã devem ser condenados, não importa quão bom eles podem ser, por padrões comuns.
21. Se Deus escolheu os beneficiários de sua graça com base em algum mérito distinto que possuíam, isso pode não ser injusto com aqueles que ele não escolheu, a quem presumiria-se a falta que tal mérito. Mas isso seria contrário à idéia de graça, o que implica um dom gratuito, não é algo dado a alguém que merece por conta do seu mérito.
22. Por isso, normalmente é sustentada a ideia de que Deus não tem qualquer razão para escolher alguns e outros não. Ele age de forma totalmente arbitrária. É um dogma duro e horrendo essa “doutrina da graça”. Suponho que, se você já aceitou o inferno e o pecado original, você pode ser grato por ter uma chance de salvação, mesmo que não parece ser uma loteria em que as chances não estão do seu lado. Claro, se você acha que tem fé, então também pode pensar que ganhou na loteria e ignorar as considerações sobre os infelizes perdedores.
23. Bem, até agora minhas objeções têm sido principalmente teológicas; são objeções aos ensinamentos cuja base é essencialmente bíblica e não filosófica. A principal exceção a essa generalização é a doutrina da predestinação, que tem fundamentos filosóficos, bem como fundamentos bíblicos. Sei que muitos cristãos aqui esta noite não entenderão que a sua compreensão do cristianismo os obriga a aceitar todas essas doutrinas, ou porque eles têm uma interpretação diferente da escritura, ou porque não consideram as escrituras cristãs como absolutamente autoritária na determinação de suas crenças e conduta . Eu tenho dito que aqueles cristãos que adotam uma atitude mais livre em relação as escrituras e não entendem que a sua aceitação do cristianismo os impele à predestinação, ou inferno, ou pecado original, ou a justificação pela fé, ou exclusivismo, têm seus corações no lugar certo, eu digo. Mas eu também acho que os seus pés podem estar plantadas na rampa escorregadia da heresia, e que os cristãos mais conservadores, que conferem maior autoridade às Escrituras, têm o direito mais claro para se autodenominarem cristãos. O quanto do cristianismo tradicional você pode rejeitar e ainda ser um cristão?
24. Vamos considerar agora às objeções não tão biblicamente embasadas. É comum entre os cristãos acreditar que Deus é um ser pessoal, que criou o universo e que é onipotente, onisciente e perfeitamente bom. De fato, é comum dizer que Deus deve possuir todas as perfeições.
25. No entanto, observa-se que o mundo, este ser perfeito criado, tem muitas imperfeições: há muita alegria no mundo; mas também há muito sofrimento, do qual qrande parte aparentemente imerecido; e há pecado. Nós chamamos essas coisas de “mal”. Como tais coisas podem existir em um mundo que deve sua origem a um Deus com os atributos que os cristãos acreditam que seu Deus possui?
26. A resposta usual para isso é dizer que embora Deus podesse ter criado um mundo sem o mal, foi melhor para ele criar esse mundo, apesar dos males que ele contém. A ocorrência desses males era necessário para os bens que são ainda maiores. Se Deus tivesse criado o mundo sem nenhum mal, esse mundo seria menos bom do que o atual, considerando todo o conjunto de coisas, mesmo com todo o mal que ele contém. Isso é chamado de defesa do bem maior.
27. O cristão pode dizer: Nós, seres humanos com razão fazemos muitas coisas que esperamos causar danos evitáveis. Nós construímos uma ponte de São Francisco a Marin County, sabendo que na construção alguns trabalhadores vão cair na água e se afogar. Poderíamos evitar a morte por não construir a ponte. Mas a ponte é um grande bem. Dadas as nossas limitações humanas, não podemos construí-la sem que algumas pessoas morram como consequência. Então, nós a construímos e aceitamos a morte como parte do custo interligar os locais através dessas águas. E permissão divina para a existência do mal também pode ser justificada pelo bem maior a qual tal permissão conduz.
28. Um ser onipotente, é claro, não enfrenta todas as escolhas difíceis que fazemos. Se ele quer uma ponte sobre as águas, ele só precisa dizer: “Faça-se uma ponte.” E haverá.
29. Uma pergunta que a defesa do bem maior levanta é: que tipo de bem poderia estar tão intimamente conectado com o mal que mesmo um ser onipotente teria de aceitar o mal como custo para realizar este bem? E que bem poderia ser tão grande que justificasse tal ser aceitar a quantidade de mal que existe no mundo como preço para alcançar esse bem?
30. A resposta habitual nos dias de hoje é: a liberdade. Se existir o bem moral, deve haver liberdade. E o preço de dar liberdade aos seres humanos é que às vezes eles vão abusar dela. Mesmo um ser onipotente não pode levar uma pessoa a fazer o bem livremente. E a liberdade, com o bem moral que às vezes resulta dela, é um bem suficientemente grande que faz com que os males, que também resultam dela, sejam aceitáveis. [Isto é o que é chamado de defesa do livre-arbítrio.]
31. Há um problema, é claro, ao se apelar para a liberdade humana a fim de resolver o problema do mal, quando você também acredita em predestinação e presciência divina. Este é um problema de longa data, que muitos filósofos têm enfrentado. Nenhuma solução ganhou aceitação geral. Se o Dr. Craig aceita as doutrinas da predestinação e presciência divina e também apela para a liberdade humana para resolver o problema do mal, ele terá que trabalhar uma maneira de explicar como essas coisas são consistentes, e eu vou ouvir com interesse essa explicação.
32. Nesse meio tempo, porém, existem outros problemas sobre o apelo à liberdade. Há males cuja ocorrência não tem nenhuma conexão visível com a liberdade. Teólogos chamam de males naturais, ou seja, coisas como terremotos, inundações, furacões, doenças, e assim por diante. Se um veado morre em um incêndio florestal, sofrendo horrivelmente, isso é um mal. Não é só o sofrimento humano que devemos levar em consideração quando tratamos sobre o bem contra o mal neste mundo.
33. Agora, se você aceitar qualquer coisa como a teoria da evolução, você vai acreditar que havia outros animais no planeta muito antes dos humanos apareceram em cena. Muitos deles devem ter sofrido terrivelmente quando suas espécies se extinguiram. Nenhum destes sofrimentos pode ser justificado como uma conseqüência necessária da liberdade dos seres humanos. Nós não estávamos por perto na ocasião. Então, nada disso parece estar além do poder da onipotência para impedir sem o fracasso do bem.
34. Outra objeção: A defesa do bem maior pode facilmente levar a uma espécie de análise custo-benefício que é profundamente repugnante para o nosso senso moral. Considere o tipo de caso que preocupava Ivan no grande romance de Dostoievski, Os Irmãos Karamazov. A menina é tratada brutalmente por seus pais, que batem nela porque ela fez algo que os deixa com raiva. Talvez ela faz xixi na cama repetidamente, e eles acham que ela tem idade suficiente para controlar a bexiga. Ou, talvez, o pai é um alcoólatra que abusa sexualmente de sua filha. Os Irmãos Karamazov é uma ficção, mas para ouvir sobre casos reais como este, você só precisa ouvir regularmente o jornal das 11h00.
35. A defesa do livre-arbítrio parece dizer em casos deste tipo: bem, é tudo muito triste, é claro, mas este é o preço que temos que pagar para ter liberdade. Para o pai de ter a oportunidade de mostrar o bem moral, Deus deve dar-lhe a oportunidade de escolher o mal. Você não pode ter a oportunidade de um sem o outro. E o fato do pai ter a oportunidade de mostrar o bem moral é um grande bem tal que supera o fato de ele escolher o mal.
36. Mas note quem recebe o bem aqui: É o pai. E notem quem sofre o mal: É a menina. Admitamos, para efeito de argumentação, que o benefício supera o custo. A liberdade é um grande bem. Entretanto, ainda faz alguma diferença quem paga o custo. A liberdade pode ser um grande bem, até mesmo um bem tão grande que compensaria um sofrimento realmente horrível. Mas a justiça requer alguma atenção, não só para o valor líquido do bem, depois de ter subtraído o mal, mas também para a forma como o bem e o mal são distribuídos. Algumas distribuições não são justas.
37. A menção de Ivan Karamazov me traz à minha objeção final. Ivan afirma que, se Deus não existe, tudo é permitido. Dr. Craig acredita na mesma coisa. Dostoiévski, falando através de Ivan, pode ter declarado o problema do mal tão poderosamente quanto qualquer ateu, mas ele próprio era um cristão, que acreditava que Deus deveria existir para que tivessemos senso de moralidade.
38. Eu acho que o oposto é verdadeiro. Eu acho que a fé cristã torna a moralidade, como normalmente pensamos sobre ela, ininteligível. Considere a história de Abraão e Isaque. Um dia, Deus pôs Abraão à prova. Ele disse a Abraão: “Toma teu filho, Isaque, a quem amas, e vai à terra de Moriá, e oferece-o ali em holocausto.” Deus não dá nenhuma razão para este comando horrível. E Abraão não pede nenhuma. Ele simplesmente se propõe a obedecer o comando. E ele quase cumpre a ordem. Ele tem a faca levantada para matar seu filho, quando Deus envia um anjo para deter sua mão. Deus, então, diz que está satisfeito com Abraão. ” Porquanto agora sei que temes a Deus, e não me negaste o teu filho, o teu único filho.” No final, Deus realmente não requer o sacrifício. Mas ele exige que Abraão demonstre a sua disposição em realizar o sacrifício.
39. Qual é a moral desta história? Eu sugiro que seja esta: como criaturas de Deus, a nossa maior lealdade deve ser para Deus, mesmo que isso requeira o sacrifício de nossas mais profundas lealdades humanas; Deus é nosso Criador, nosso Senhor, e nós lhe devemos obediência absoluta, não importa o que ele ordene; ele pode ordenar qualquer coisa. Não existem restrições à sua vontade; de modo que pode fazer o que desejar. Não há previsão do que ele possa exigir; e não há nada que garanta que suas ordens não mudarão de uma hora para outra. No início da história, Deus ordena a Abraão que mate Isaque; no meio ele ordena a Abraão que não mate Isaque.
40. Se existe um Deus, que é capaz de ordenar qualquer coisa; e se a nossa maior lealdade deve ser a este Deus, não há nada, salvo a desobediência a Deus, que possamos seguramente afirmar que esteja além dos limites; nenhum ato de um certo tipo que simplesmente não possa ser feito, até mesmo estupro, para usar o exemplo do Dr. Craig. Se este Deus existe e devemos obedecê-lo incondicionalmente, então qualquer coisa pode vir a ser permitida. Este ponto de vista é destrutivo à moralidade comumente por nós idealizada.
41. Este é o meu argumento de abertura. Eu ofereci sete objeções, sete objeções mortais, eu diria: o teísmo cristão tem o compromisso com a predestinação, com o inferno, com o pecado original, com a justificação pela fé, e com o exclusivismo; não há uma boa solução para o problema do mal; e é destrutivo à moralidade conforme a entendemos. Estas são apenas algumas das objeções que tornam impossível para mim acreditar no Deus cristão.
William Lane Craig – Primeira Refutação
1. Eu quero agradecer ao Dr. Curley por suas observações muito pessoais e sensíveis. Nesse discurso eu espero mostrar, no entanto, que a maioria de suas objeções são destinadas a um alvo falso, em uma concepção de Deus que eu, como Cristão, rejeito. O que o Dr. Curley oferece é, de fato, um conjunto de sete objeções mortais ao Deus Calvinista, não ao Deus Cristão. Somente igualando o Calvinismo ao Cristianismo é que suas objeções têm alguma força. E eu nego exatamente essa igualdade. Eu não sou um Calvinista.
2. Agora, para aqueles que não são familiarizados com essa terminologia, deixe-me explicar. O Calvinismo é um tipo de teologia decorrente do reformador Protestante Francês João Calvino. Essa teologia mantém que todas as pessoas estão escravizadas ao pecado, mas que Deus em sua graça, escolheu soberanamente salvar somente alguns deles e deixar o resto para ser condenados. Aqueles que Ele predestinou à salvação, Ele traz irresistivelmente e os dá uma fé justificadora. Assim, a salvação ou condenação de alguém não é o resultado do livre arbítrio humano, mas de uma escolha soberana de Deus.
3. O Calvinismo é justamente a teologia dos Anglicanos, ou Episcopais, igreja na qual o Dr. Curley foi criado. Mas a maioria das denominações cristãs não defende o Calvinismo. É simplesmente paroquial pensar que todas essas outras denominações não são, portanto, verdadeiramente cristãs. Estão os Católicos, Metodistas, Batistas e Ortodoxos Orientais, todos sobre o terreno escorregadio da heresia como o Dr. Curley afirma? Eu acho que pensar desta forma seria um dogmatismo de visão extremamente limitada.
4. Minhas próprias visões teológicas são amplamente Wesleyanas, chamadas pelo nome de John Wesley, o fundador do Metodismo. Eu creio no livre arbítrio humano e que o lugar no qual nós passaremos a eternidade é, em última análise, o resultado de nossas próprias escolhas. Então, deixe-me considerar especificamente as objeções teológicas do Dr. Curley.
5. I: Predestinação.
O Dr. Curley apresenta o seguinte argumento:
1. Predestinação é incompatível com o amor e a justiça de Deus.
2. Predestinação é ensinada na Bíblia.
3. Portanto, o Deus da Bíblia não existe.
6. Eu concordo com a sua primeira premissa, mas eu nego a segunda, que predestinação, como ele a define, é ensinada na Bíblia. Ao contrário, eu acho que a Bíblia ensina que é a vontade de Deus que todas as pessoas sejam salvas. II Pedro 3.9 declara, “não querendo que ninguém se perca, senão que todos venham a arrepender-se”. E I Timóteo 2.4 diz, “Deus, nosso salvador deseja que todas as pessoas sejam salvas e cheguem ao pleno conhecimento da Verdade”. Então, a vontade de Deus é que todas as pessoas sejam salvas e o único obstáculo contra a realização da Sua vontade é a liberdade humana.
7. Mas e as passagens bíblicas sobre a predestinação? Eu sugiro que elas sejam entendidascorporativamente. Deus predestinou um grupo, um povo, para a glorificação e salvação. Mas quem é membro do grupo? Aqueles que respondem livremente a oferta de perdão de Deus em Cristo Jesus e colocam sua confiança nEle. E, desta forma, eu penso que o Dr. Curley está simplesmente equivocado sobre o fato de que um cristão crente na Bíblia tem que crer em uma predestinação individual arbitrária.
8. II: O Argumento do Inferno.
O Dr. Curley apresenta o seguinte argumento:
1. Pecados menores não merecem punição eterna.
2. A Bíblia ensina que Deus punirá eternamente pecados menores.
3. Portanto, o Deus da Bíblia não existe.
9. Agora, nesse argumento eu acho que as duas premissas são falsas. Mas o tempo só me permite tratar com a segunda. Com respeito à segunda premissa, está longe de ser óbvio que a Bíblia ensina a punição eterna por pecados menores. Antes, o que nos separa de Deus para sempre é o pecado de rejeitá-lo livremente mantendo-o fora de nossas vidas. Esse é um pecado de gravidade e proporção infinita, desde que é a decisão livre das criaturas de rejeitar o próprio Deus. É certo que o Calvinismo do Dr. Curley não tem espaço para esse tipo de pecado. Mas, na visão bíblica, nem é tanto Deus, mas as próprias criaturas quem determinam seus destinos eternos.
10. III: Pecado Original.
O Dr. Curley dá o seguinte argumento:
1. Crianças são condenadas por causa do pecado original.
2. A Bíblia ensina o pecado original.
3. Portanto, o Deus da Bíblia não existe.
11. Eu questiono a primeira premissa. De fato, eu desafio o Dr. Curley a ler pra mim uma simples passagem da Escritura que ensina que as crianças são condenadas por causa do pecado original. A Bíblia não ensina tal coisa. Ao contrário, Jesus tomou crianças pequenas em seus braços e as abençoou dizendo “Deixem as crianças vir a mim…porque das tais é o reino dos céus” (Mc 10.14).
12. IV e V: Justificação por Fé e Exclusivismo. (Os argumentos 4 e 5 são tratados em conjunto)
Aqui o argumento do Dr. Curley parece assim:
1. A Bíblia ensina que Deus dá a fé justificadora àqueles a quem Ele escolher arbitrariamente e exclui os demais.
2. É injusto fazer isso.
3. Portanto, o Deus da Bíblia não existe.
13. Eu acho que a primeira premissa é falsa. Em nenhum lugar o Novo Testamento ensina que a fé justificadora é outorgada arbitrariamente por Deus. Antes, a justificação pela fé é a maravilhosa doutrina de que o perdão de Deus e a salvação são dons gratuitos que você não pode fazer nada para merecer. Essa é uma doutrina maravilhosa, pois nos livra do difícil trabalho de tentar ganhar o favor de Deus e tentar merecer a salvação. Tudo o que nós temos que fazer é colocar a confiança nele livremente. Portanto, Deus não exclui ninguém. Jesus disse, “Se alguém tem sede, venha a mim e beba” (João 7.37). Mas algumas pessoas excluem a Deus livremente de suas vidas.
14. Então, em resumo às cinco objeções teológicas eu quero dizer: Dr. Curley, e eu quero dizer isso sinceramente, eu tenho boas novas pra você. (A palavra “evangelho” significa “boas novas”). Você não tem que ser um Calvinista para ser um Cristão! (Risos).
Então, deixe-me retornar às objeções filosóficas restantes.
15. VI: O Problema do Mal.
Aqui, o argumento do Dr. Curley parece ser alguma coisa como isso:
1. Deus existe.
2. Se Deus é Todo-Poderoso, Ele pode criar o mundo que Ele quiser.
3. Se Deus é Todo-Benevolente, Ele criaria um mundo sem mal.
4. Portanto, o mal não deveria existir.
Mas, o mal existe. Então segue, portanto, que Deus não existe.
16. Agora, o problema com esse argumento é que o Dr. Curley não mostrou que qualquer das duas premissas cruciais é necessariamente verdadeira. Tome a premissa (2), que um Deus Todo-Poderoso pode criar o mundo que Ele quiser. Se Deus deseja criar criaturas livres, então, é logicamente impossível para Ele fazer com que elas livremente façam o que Ele quer. Então, o Dr. Curley teria que mostrar que existe um mundo de criaturas livres que Deus poderia criar, no qual há tanto bem quanto neste mundo, mas que tem menos mal. Mas como ele provaria tal coisa? É pura especulação.
17. E sobre a premissa (3), que um Deus Todo-Amoroso preferiria um mundo sem mal. Essa premissa poderia ser verdade se o propósito de Deus fosse criar um ambiente confortável para seus animais de estimação humanos. Mas na visão Cristã, nós não somos animais de estimação de Deus. E o propósito da vida não é felicidade, como tal, mas o conhecimento de Deus e sua salvação que trará no final das contas a verdadeira felicidade. Mas muitos males ocorrem na vida os quais são totalmente sem propósito com respeito a produzir felicidade humana. Mas eles podem não ser sem propósito com respeito a produzir um profundo conhecimento de Deus. O Dr. Curley teria que provar que existe outro mundo que Deus poderia ter criado com essa quantidade de conhecimento de Deus e de sua salvação, mas com menos mal. Mas como alguém poderia provar tal coisa? Novamente, é pura especulação. E, portanto, o problema do mal, eu penso, é simplesmente inconclusivo e não invalida o teísmo Cristão.
18. Finalmente, VII: O Problema da Moralidade.
Aqui o argumento segue assim:
1. Se a moralidade ordenada por Deus é verdadeira, então Ele é capaz de ordenar qualquer coisa.
2. A moralidade ordenada por Deus é destrutiva à moralidade comumente por nós idealizada.
3. Portanto, a lei moral divina não é verdadeira.
19. Diante disso, mesmo se as premissas desse argumento forem verdadeiras, o argumento é deficiente, visto que é inválido; a conclusão não segue das premissas. A moralidade ordenada por Deus ainda poderia ser verdadeira mesmo se tivesse as conseqüências letais que o Dr. Curley atribui a ela.
20. Mas as premissas são realmente verdadeiras? Bem, eu penso que não. Primeiro, não é o caso de Deus ser o responsável por comandar todas as coisas. Os comandos de Deus necessariamente fluem de sua própria natureza e caráter, que é essencialmente amor, santo, compaixão, justo, e assim por diante. E assim, seus comandos não são arbitrários, mas refletem a própria moralidade perfeita de Deus.
21. Segundo, a moralidade ordenada por Deus não é destrutiva à moralidade precisamente porque os comandos de Deus são estáveis e firmes. O caso de Abraão e Isaque é a exceção que prova a regra. Eu acho que nós podemos seguramente guiar as nossas vidas pelos Dez Mandamentos e pela Regra de Ouro sem nos preocupar se Deus nos mandará fazer alguma coisa contrária. E relembre a alternativa: se não existe nenhum Deus, então tudo é relativo, e nós temos perdido completamente nosso escopo moral. Como Dostoevsky disse corretamente, “Todas as coisas são permitidas”.
22. Penso que apesar do Dr. Curley talvez nos ter dado boas razões para achar que o calvinismo não é verdadeiro, ele não nos deu boas razões para pensar que o teísmo Cristão não é verdadeiro. Ao contrário, eu acho que nós já vimos cinco boas razões, ainda não refutadas, para pensar que o Criador e Designer do universo existe, que é o lócus dos valores absolutos e que se revelou decisivamente em Jesus Cristo. E, portanto, eu penso que o teísmo Cristão é uma cosmovisão mais plausível.

Tradutores: Walson Sales e Samuel Coutinho

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Cientistas encontram cópia mais antiga do Evangelho em uma múmia egípcia

Esta máscara de múmia é uma das que foi desmontada por pesquisadores da Universidade Evangelista de Acadia, no Canadá, e revelou um antigo papiro. Em uma máscara semelhante, os cientistas encontraram o mais antigo evangelho, que data do primeiro século
Um grupo de cientistas encontrou a cópia mais antiga do Evangelho em um papel papiro reutilizado para construir a máscara de uma múmia egípcia, revelou à Agência Efe Craig Evans, doutor em Estudos Bíblicos e um dos responsáveis pela descoberta.

Trata-se de um fragmento do Evangelho de São Marcos, localizado há três anos e que, agora, especialistas da Universidade Evangelista de Acadia, no Canadá, consideram como o primeiro manuscrito do Novo Testamento da Bíblia de que se tem conhecimento.

Os cientistas acham que a origem do papiro remonta o primeiro século de nossa era, entre o ano 80 e 90 d.C., o que representa uma grande novidade. Até então, as cópias mais antigas datavam do século II depois de Cristo.

Os especialistas acreditam que alguém escreveu o fragmento de texto no papiro e, depois, outras pessoas reciclaram o material, muito caro na época, para elaborar a máscara funerária.

As máscaras de papel eram utilizadas pelas pessoas pobres do Egito, não tendo relação com as feitas em ouro e joias para cobrir os rostos dos grandes faraós, explicou Evans.

Acredita-se que São Marcos escreveu seu evangelho em Roma, acompanhado de São Pedro. Mas como a cópia viajou da atual capital italiana ao Egito? O caminho não é assim tão longo, garante o pesquisador.

"No Império Romano, o correio tinha a mesma velocidade de hoje em dia. Uma carta escrita em Roma pode ser lida no Egito semanas depois. Marcos escreveu seu evangelho no final dos anos 60 d.C, portanto, era possível encontrar uma cópia no Egito 20 anos depois", defende.

Para determinar a data dos papiros, os cientistas usaram uma técnica que permite descolar o papel das máscaras sem danificar a tinta. Dessa forma, os textos podem ser lidos com a mesma clareza.

Esse evangelho é uma das centenas de documentos que estão sendo analisados pela equipe de Evans, composta por mais de 30 especialistas.

"Estamos recuperando antigos documentos do primeiro, do segundo e do terceiro século depois de Cristo. Não só documentos bíblicos, mas também textos gregos clássicos ou cartas pessoais", explicou Evans, que revelou que alguns deles pertencem do poeta grego Homero, autor de grandes obras clássicas como "Ilíada" e "Odisseia".

No caso do fragmento do evangelho de São Marcos, foram analisadas também o design do projeto e as decorações da máscara, assim como o estilo da escrita e a datação do material, através do uso do isótopo carbono-14.

No final do ano, as descobertas serão divulgadas em uma revista especializada. Só então o público conhecerá qual o trecho do evangelho de São Marcos escondido nos papiros da máscara egípcia.

Fontes: http://noticias.uol.com.br/ciencia/ultimas-noticias/efe/2015/01/20/cientistas-encontram-copia-mais-antiga-do-evangelho-em-uma-mumia-egipcia.htm#fotoNav=1

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Charges: Sou Cristão

Curtam nossa página: https://www.facebook.com/Cristianismounderground

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Reflexões: Orai sem cessar.

Pergunta: "O que significa orar sem cessar?"

Resposta: O Ordem de Paulo em 1 Tessalonicenses 5:17: “Orai sem cessar” pode ser bastante confuso. Talvez você pense que esse versículo signifique que devemos estar com uma postura de cabeças baixas e olhos fechados o dia todo. Mas é obvio que não é isso. O apóstolo Paulo não está se referindo a falar sem parar, mas uma atitude de consciência da presença de Deus e de render a Ele tudo o que fazemos, o tempo todo. O tempo todo temos que está em espirito orando, conversando com Deus.

Todos os nossos pensamentos tem que direcionados a Deus. Nossas preocupações, medos, desejos, receios. TUDO.
Paulo nos alerta em sua carta aos Filipenses, nos orientando a confiar e entregar a ansiosidade em Oração ao Cristo.“Não andeis ansiosos de coisa alguma; em tudo, porém, sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graças” (4:6). A palavra também nos ensina a perseverar “na oração, vigiando com ações de graças” (Colossenses 4:2). A oração deve ser usada como uma arma na batalha espiritual (Efésios 6:18).

O que dizer dessas frases de vários cristãos ao longo do tempo?

"Atualmente estou tão ocupado que não posso passar menos de quatro horas por dia na presença de Deus." - Martinho Lutero (1483-1546)

"A oração é o encontro da sede de Deus e da sede do homem." -
Agostinho de Hipona (354-430 d.C)

"Quando buscamos a Deus em oração, o diabo sabe que estamos querendo mais poder para lutar contra ele, e por isso procura lançar contra nós toda a oposição que é capaz de arregimentar." -
Richard Sibbes (1577-1635)

"Na oração, é melhor ter um coração sem palavras do que palavras sem um coração." - John Bunyan (1628-1688)

"A oração fará o homem parar de pecar, ou o pecado o seduzirá a parar de orar." - John Bunyan (1628-1688)

"Pela fé e pela oração, fortaleça as mãos frouxas e firme os joelhos vacilantes. Você ora e jejua? Importune o trono da graça e seja persistente em oração. Só assim receberá a misericórdia de Deus."
John Wesley (1703-1791)

"As minhas orações não mudam a Deus, mudam a mim mesmo."
C.S. Lewis (1898-1963)

No Underground Cristão, tbm temos algumas letras sobre oração.
Para os Cristãos, oração é como respiração. Já dizia a música do Iahweh, "orar não é pedir, é a respiração da alma".

E outra banda cristã, o Stauros também diz "Oração é uma viagem pro céu, comunhão com o pai da criação."

Uma pergunta para nós, quanto tempo temos gastado, orando e tendo comunhão com Deus? Como anda nossa comunhão com Deus? Temos confiado e entregado nossos sentimentos a Deus?

Já dizia uma letra do Oficina G3. "Não é tempo de dizer adeus.
A Deus pertence todo o tempo.Sempre que quiser dizer adeus.
A Deus entregue seu sofrimento".

Sem oração a vida do Cristão não tem sentido.  Portanto, Ore! Fale com o Aba!

Curtam nossa página: https://www.facebook.com/Cristianismounderground

domingo, 18 de janeiro de 2015

O Evangelho da Graça e o Amor de Deus



Olá, galera! Estou Passando para deixar uma reflexão pra vocês, sobre a salvação  e a vida eterna.
 O que faço para ser salvo?

Antes de te responder essa pergunta: O que faço para ser salvo?
Vou te perguntar esta: Porque você tem que ser salvo?
Abaixo vai alguns conselhos e exortações bíblicas:

Primeiro você tem que reconhecer quem você é, sua condição espiritual ...
Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus;(Romanos 3:23).
Por causa do pecado de Adão,  herdamos a natureza pecaminosa, nós tornando depravados, para um Deus SANTO e PURO.
Reconheça que você é tão espiritualmente corrupto, orgulhoso e rebelde que  nunca conseguiria chegar à fé em Jesus sem a vitória misericordiosa de Deus sobre os últimos vestígios de sua rebelião. (1 Coríntios 2:14; Efésios 3:1-4; Romanos 8:7).

Porque o salário do pecado é a morte,(Romanos 6:23a)

Quando você reconhecer isso, que até a Graça de Deus você não merece, você começara a entender porque tem que ser salvo! A bíblia diz:

Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus.
Não vem das obras, para que ninguém se glorie; ( Efésios 2:8-9)

O evangelho declara que, não importa quão dedicados e devotos sejamos, Não somos capazes de salvar a nós mesmos. E agora o que tenho que "fazer"?

O que Cristo fez? 
Eis a boa nova ... Cristo o filho de Deus, o que Jesus fez foi suficiente.

Porque o Filho do homem veio buscar e salvar o que se havia perdido. ( Lucas 19:10)

Eu não vim chamar os justos, mas, sim, os pecadores, ao arrependimento. ( Lucas 5:32)

Cristo morreu por ti, e se sacrificou em teu lugar, pagando a dívida que nós tínhamos com Deus. Se por causa de Adão, herdamos a natureza depravada e ficamos em débito para com Deus.  Por conta do Sacrifício perfeito de Cristo, foi nos dada outra chance. A bíblia afirma que o Segundo Adão é maior que o primeiro Adão. Leia:

"Porque Cristo, estando nós ainda fracos, morreu a seu tempo pelos ímpios.
Porque apenas alguém morrerá por um justo; pois poderá ser que pelo bom alguém ouse morrer.
Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores.
Logo muito mais agora, tendo sido justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira.
Porque se nós, sendo inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de seu Filho, muito mais, tendo sido já reconciliados, seremos salvos pela sua vida.
E não somente isto, mas também nos gloriamos em Deus por nosso Senhor Jesus Cristo, pelo qual agora alcançamos a reconciliação.
Portanto, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram.
Porque até à lei estava o pecado no mundo, mas o pecado não é imputado, não havendo lei.
No entanto, a morte reinou desde Adão até Moisés, até sobre aqueles que não tinham pecado à semelhança da transgressão de Adão, o qual é a figura daquele que havia de vir.
Mas não é assim o dom gratuito como a ofensa. Porque, se pela ofensa de um morreram muitos, muito mais a graça de Deus, e o dom pela graça, que é de um só homem, Jesus Cristo, abundou sobre muitos.
E não foi assim o dom como a ofensa, por um só que pecou. Porque o juízo veio de uma só ofensa, na verdade, para condenação, mas o dom gratuito veio de muitas ofensas para justificação.
Porque, se pela ofensa de um só, a morte reinou por esse, muito mais os que recebem a abundância da graça, e do dom da justiça, reinarão em vida por um só, Jesus Cristo.
Pois assim como por uma só ofensa veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação de vida.
Porque, como pela desobediência de um só homem, muitos foram feitos pecadores, assim pela obediência de um muitos serão feitos justos.
Veio, porém, a lei para que a ofensa abundasse; mas, onde o pecado abundou, superabundou a graça;
Para que, assim como o pecado reinou na morte, também a graça reinasse pela justiça para a vida eterna, por Jesus Cristo nosso Senhor." - Romanos 5:6-21

E o que Jesus Cristo diz:

Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim. João 14:6 e E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. - João 8:32

Responderam-lhe: Somos descendência de Abraão, e nunca servimos a ninguém; como dizes tu: Sereis livres?
Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que todo aquele que comete pecado é servo do pecado. Ora o servo não fica para sempre em casa; o Filho fica para sempre.

Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres. João 8:33-36



"Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus.
Ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue, para demonstrar a sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Deus;
Para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus."  Romanos 3:23-26

Mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor. (Romanos 6:23b)

O que a morte de Cristo fez?

Cristo reconciliou consigo o mundo.

Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.
Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus. João 3:16-18


"E tudo isto provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Jesus Cristo, e nos deu o ministério da reconciliação;
Isto é, Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados; e pôs em nós a palavra da reconciliação.
De sorte que somos embaixadores da parte de Cristo, como se Deus por nós rogasse. Rogamo-vos, pois, da parte de Cristo, que vos reconcilieis com Deus.
Àquele que não conheceu pecado, o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus." 2 Coríntios 5:18-21

Então, os seus pecados do passado foram esquecidos, e agora nos alerta o apóstolo: "Rogamo-vos, pois, da parte de Cristo, que vos reconcilieis com Deus."
E as escrituras nos ensina que temos a oportunidade mais uma vez, graça a Cristo. E nos convida:

Mas Deus, não tendo em conta os tempos da ignorância, anuncia agora a todos os homens, e em todo o lugar, que se arrependam;  Atos 17:30

O tempo está cumprido, e o reino de Deus está próximo.  Arrependei-vos, e crede no evangelho.(Marcos 1:15)

Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e a tua casa. (Atos 16:31)

 "Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus e em teu coração creres que Deus O ressuscitou dos mortos, serás salvo ... pois a Escritura diz que todo aquele que Nele crer não será confundido..." (Romanos 10:9-11)

E agora o você tem que fazer?

Após ouvir a mensagem poderoso do Evangelho, Cristo te liberta do engano do pecado e te dar a oportunidade de ser salvo, te capacitando a responder positivamente ao chamado gracioso do Evangelho. Portanto, se Arrependa e Creia que Jesus é o Cristo filho de Deus, único e suficiente salvador da sua vida! E persevere nessa Fé.

sábado, 17 de janeiro de 2015

Perpetual Legacy: Symphonic Metal Brasil


A cena cristã brasileira a cada dia vem nos presenteando com excelentes bandas, tais como: Divine Symphony, Antidemon, Eterna, Allos, Adiastasia, 7th Symphony, Saint Spirit, Krig, Hating Evil, CrossRock, Dissafection, Cerimonial Sacred, Propciatorium, Hazeroth, entre outras. Recentemente descobri  a banda "Perpetual Legacy", oriunda de Brasília.


 A banda ainda não chegou a gravar nada, mas segundo sua página oficial, estão trabalhando na produção do seu primeiro álbum de estúdio que promete além de uma boa qualidade, um som mesclando elementos do Heavy, Power, Folk e claro muitos elementos sinfônicos.

Para os apreciadores de mulheres no metal como vocalistas,  o Perpetual Legacy, também traz essa proposta. O vocal busca ser versátil, dos graves aos agudos, passeando pelas regiões do canto lírico. 
A banda entrará em estúdio no início de fevereiro.

 Estou ansioso pra conferir o trabalho da banda.  E com certeza continuaremos a divulgar a banda, e apoiar a cena underground cristã do nosso país. Desde desejamos sucesso na caminhada para os membros do "Perpetual Legacy", que esse seja o primeiro de vários álbuns.


Abaixo segue um pouco da história da banda, retirado de sua página oficial: https://www.facebook.com/PerpetualLegacy

A Banda Perpetual Legacy surgiu no início de 2014, ainda quando Matheus (Bass) e Michelle (Vocal) tocavam juntos em uma banda de metal extremo, mas decidiram gravar um projeto (EP) paralelo de metal sinfônico. Pouco tempo depois, os outros músicos convidados já estavam bastante envolvidos com esse projeto, o que acabou tomando uma proporção maior do que deveria ser inicialmente.

Desde então, a banda trabalha arduamente em cima das composições e estudos e hoje se prepara para entrar em estúdio no dia 1º de fevereiro para gravar seu primeiro álbum full profissionalmente.

A banda busca bastante influência em bandas do gênero, porém, procuramos colocar nossa identidade nas músicas.

Perpetual Legacy traz a mescla de peso e melodia em cada canção, casando o heavy/power metal com bastante orquestração e elementos folk.

O vocal busca ser versátil, dos graves aos agudos, passeando pelas regiões do canto lírico.

Ou seja, cada música, um diferencial, mas com muita sinfonia.

As letras abordam temas de conflitos humanos e cristianismo. Buscamos falar sobre o que vivemos e cremos.

Perpetual Lecacy é:

Michelle B. Rodovalho (Vocal)
Bruno Henrique (Guitarra)
Matheus Maia (Baixo)
Rafael Lobo (Piano e teclado)
Gabriel Pedroso (Bateria)

Não deixe de acompanhar nossa página no facebook: https://www.facebook.com/Cristianismounderground

Não deixe de acompanhar nossa página no facebook: https://www.facebook.com/Cristianismounderground

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Hellhammer: Black Metal: Música ou Ideologia?

Hellhammer: Black Metal: Ideologia ou apenas música?


Existe um eterno debate na cena do metal extremo, entre os fãs do Black Metal. Muitos Headbangers dizem que o Black metal só pode ser usado para propagar o satanismo, o ódio a religião, ao cristianismo e etc. Pois o Black Metal é mais que um gênero musical, e sim uma ideologia de vida.

Entretanto, há outros Headbangers, inclusive músicos que tocam black Metal afirmam que o Black Metal não se restringe a ideologia satanista, mas alarga em várias ideologias e temáticas. Afinal pra esses o black metal atualmente é apenas música.

Entre eles temos a lenda da banda Mayhem. O baterista Hellhammer que inclusive gravou a bateria do álbum "The Forsaken" da banda Cristã de Black Metal ou metal extremo da Noruega, o famoso "Antestor".  Segundo algumas fontes, veja o que Hellhammer diz, sobre o atual black metal:

Na minha opinião, black metal hoje, é apenas música. Vou dizer-lhe que nem eu nem os outros membros do Mayhem nunca fomos contra a religião ou outra coisa qualquer. Estamos principalmente interessados na música."





Fontes:
Skogtroll (07 de Janeiro de 2007). Hellhammer (Jan Axel Blomberg):"I just have wonderful memories of your country!" (em russo, traduzido pelo google para Inglês) Metal Library Open Publishing. Visitado em 24-06-2008.

Inclusive não é de se admirar que atualmente existem bandas de black metal que tratam e fazem apologia a diversos tipos de pensamentos: ufologia, Natureza, Cristianismo, paganismo, entre outros ..

 Releia o acontecimento sobre a gravação do álbum, nas palavras do vocalista do Antestor  Ronny Hansen e nas palavras do Jan Axel Blomberg (Hellhammer).

The Forsaken foi gravado em 2004 no Top Room Studios, que tem sido utilizado por grupos como Tristania, Borknagar, Mayhem, e Extol. O álbum foi produzido por Børge Finstad. Várias canções das sessões de gravação foram abandonadas do full-length e foram publicadas em um EP intitulado "Det Tapte Liv". A formação da gravação desse álbum apresenta dois antigos membros da banda de black metal Vaakevandring, (o vocalista Ronny Hansen e o tecladista Morten Sigmund Mageroy) bem como o vocal feminino da vocalista Ann-Mari Edvardsen do grupo de Doom metal The 3rd and the Mortal. Lars Stokstad é o único membro original do Antestor neste álbum.

O álbum é conhecido pelas características de bateria por hellhammer, um dos mais conhecidos bateristas no metal extremo. Por sua performance nesse álbum ele foi muito criticado na cena Metal. Em uma entrevista com o site russo Metal Library em 7 de janeiro de 2007, Hellhammer diz:

Para ser honesto, isso (tocar para o Antestor) foi um grande "mer--" para todos eles (colegas do Mayhem e gravadora). Vou repetir mais uma vez que eu decido o que eu faço e não só toco em bandas de Black metal.

Fontes:
Skogtroll (07 de Janeiro de 2007). Hellhammer (Jan Axel Blomberg):"I just have wonderful memories of your country!" (em russo, traduzido pelo google para Inglês) Metal Library Open Publishing. Visitado em 24-06-2008.

O vocalista Ronny Hansen conhecia Hellhammer e lhe pediu para tocar na banda. Os membros do Antestor deram-lhe as demos das músicas, mas de acordo com Blomberg, ele nunca conheceu os membros do Antestor pessoalmente no estúdio, porque o produtor Børge Finstad queria trabalhar com cada músico sozinho, para alcançar resultados melhores e mais produtivos.

A banda também pediu a Hellhammer para tocar ao vivo para eles, mas Blomberg recusou. Não era uma questão sobre suas crenças, como Hellhammer explica: "Na minha opinião, black metal hoje, é apenas música. Vou dizer-lhe que nem eu nem os outros membros do Mayhem nunca fomos contra a religião ou outra coisa qualquer. Estamos principalmente interessados na música. " O vocalista Ronny Hansen comentou a performance de Blomberg:

"Antes de tudo Jan Axel "Hellhammer" é um total profissional. Ele iniciou-se juntamente com a pior e secular cena (risos) norueguesa, mas ele não se importa se isso é laico ou cristão. Ele sabia desde o início o que Antestor defende. E talvez, se tivermos a chance, estamos mais do que dispostos a usá-lo novamente. Porque o sua técnica é excelente. Eu acho que ele é o melhor baterista da cena, e estamos muito felizes de ter apenas seu brilho emprestado. "

Fontes: Kemman, Max, Antestor interview, Jesus Metal, acessado em 30-10-2007

Leia mais em: http://pt.wikipedia.org/wiki/The_Forsaken#cite_note-Hellhammer_interview-1
 
;