domingo, 29 de junho de 2014 0 comentários

“Creio! Ajuda-me a vencer minha falta de fé"



 Por Edy Marques
 Eu creio, Senhor! AJUDA A MINHA INCREDULIDADE (Marcos 9:24)

  O contexto desse texto fala da cura de um menino possesso e  do Pai que queria a libertação do seu filho, mas faltava-lhe lhe um pouco de fé, que acabou duvidando do poder de Cristo, mas  logo voltou atrás e pediu ajuda. No entanto quero me ater a esse versículo:

Eu creio, Senhor! AJUDA A MINHA INCREDULIDADE (Marcos 9:24b).

 Quantas vezes na nossa caminhada cristã, a falta de fé, a dúvida, vem nos visitar? E quando não temos mais esperanças, mais forças pra acreditar no sobrenatural, pra acreditar no Espírito Santo,  Cristo, Deus? O que fazer? Como superar essa batalha?

  Essa incredulidade é notável hoje em dia principalmente em jovens, muitas das vezes em jovens universitários, pois hoje em dia o que 'domina' nas universidades é o relativismo cultural, hoje em dia é “normal” ser ateu, agnóstico. Pra muitos hoje em dia ser Cristão se tornou apenas uma posição social.  Para vencer essa batalha é necessário pedir ajuda ao nosso Deus e buscar ferramentas de suporte para auxiliar na nossa fé. 
E aí eu aconselho buscar estudar “Apologética Cristã”. Digo isso, pois já passei por essa fase de dúvida e ás vezes ela retorna, mas tenho clamado ao Senhor e ele tem me ajudado na falta de fé.  

Voltando a falar sobre fé:

  A palavra de Deus relata em Hebreus 11, que diversos irmãos  foram justificados e ajudados pela sua fé, irmãos que são considerados os heróis da Fé. 
Dentro desse capitulo de Hebreus, me chama a atenção os versos 1, 3 e 6.
Mas o que seria a fé? O livro de Hebreus nos responde:

“Ora, a fé é a certeza de que haveremos de receber o que esperamos, e a prova daquilo que não podemos ver.”- Hebreus 11:1

Ter fé é acreditar no invisível, é ter  a certeza e esperança e perseverar naquilo que não vemos. Loucura né? Sim, para o homem natural é sim.

No versículo 3, diz:
“Pela fé compreendemos que o Universo foi criado por intermédio da Palavra de Deus e que aquilo que pode ser visto foi produzido a partir daquilo que não se vê.” -Hebreus 11:3

Acreditar no invisível? Difícil hein? Mas é necessário ter fé para agradar a Deus, assim como diz o verso 6:

“Em verdade, sem fé é impossível agradar a Deus; portanto, para qualquer pessoa que dele se aproxima é indispensável crer que Ele é real e que recompensa todos quantos se consagram a Ele.”  Hebreus 11:6

  Talvez a sua fé agora,  não é a mesma de antes e está muito distante da fé do primeiro amor. Mas, eu tenho que lhe dizer que é natural do ser humano ter dúvidas sobre suas questões existenciais, sobre a existência de um Deus verdadeiro. 
Se o Pai do menino que viu Cristo curando, libertando e foi até Cristo, viu o nosso Deus pessoalmente e em cima da hora, não teve fé suficiente, chegando a dizer "Se podes"? O que dizer de nós?

  Mas nós cristãos não podemos se entregar a essas dúvidas e não querer vencê-las, temos que lutar contra elas, tentar fazer o possível para superá-las do nosso caminho. Nós temos a palavra de Deus em forma de escrituras como nosso auxílio e como diz o W. L. Craig em uns dos seus vídeos: A maior prova que Deus existe é o trabalho do Espírito Santo dentro de nós.
Além disso dentro da defesa da fé ( Apologética Cristã) temos vários argumentos para a existência de Deus/Cristo. É necessário, sim uma busca, procurar estudar, ler coisas que fortaleçam nossa fé.  
  
Vou deixar uns links de apologética cristã aqui abaixo que me ajudam bastante nessas questões. Se vc tem paciência, coragem e deseja acima de tudo vencer suas dúvidas é necessário dedicação+ oração.

Na hora que as dúvidas vier, é necessário que você se lembre dessa simples oração, do "Pai incrédulo":

“Eu creio, Senhor! AJUDA A MINHA INCREDULIDADE (Marcos 9:24b)”.
“Creio! Ajuda-me a vencer minha falta de fé “ Marcos 9:24b

  Hoje em dia o maior mal para o cristão perder a fé, é a falta de coragem de enfrentar a dúvida. Repito não podemos fazer isso, Só se ganha um batalha, lutando. Então se prepare estudando, orando pra essa guerra, e sempre tenha em mente que Cristo sempre está presente para nos ajudar, se clamarmos por ajuda, certamente Ele nos responderá e nos ajudará  na nossa incredulidade. 

Amém? Que Deus nos ajude.
Acessem também nossa página no facebook: https://www.facebook.com/Cristianismounderground

Links de Apologética Cristã:

Destruímos argumentos e toda pretensão que se levanta contra o conhecimento de Deus."
2 Co 10.5a


Reasonble Faith - William Lane Craig - http://www.reasonablefaith.org/portuguese/question-answer
Respostas ao Ateísmo - http://www.respostasaoateismo.com/
Alguns livros- http://www.respostasaoateismo.com/p/livros.html
Logos Apologétic-  http://logosapologetica.com/
Apologia Cristã - http://lucasbanzoli.no.comunidades.net/
sábado, 21 de junho de 2014 0 comentários

Mortification: Testemunho Steve Rowe e algumas novidades


Testemunho do Steve Rowe do  Mortification



”No dia 20 de setembro de 1996 eu recebi a pior notícia da minha vida. Eu tinha contraído Leucemia Linfática e fui imediatamente levado a tratamento de quimioterapia que derrotou o câncer mas começou um processo de destruição meu corpo.Era muito doloroso mas no Natal daquele ano estava em descanso e me sentia bem. Janeiro chega e eu sou chamado pelo escritório médico e me disseram que o câncer havia voltado e eu tinha 1% de chance de viver. Isso aconteceu devido a uma complicação chamada Cromossomo Positivo Philadelphia que é virtualmente impossível de se curar. Me disseram que eu precisava de um transplante de medula que me daria 25 a 40% de chance. Fui abençoado pois meu Pai tinha células idênticas às minhas e poderia ser meu doador. 70% das pessoas que precisam de um transplante não acham um doador compatível. Foi realmente um tempo de confiança em Deus e acreditando 100% que Deus tinha me curado. Eu não acredito que Deus seja instável. Eu não acreditava que ele teria me dado uma esposa, filho e uma banda maravilhosa e uma gravadora só pra me tirar depois. Fiz o transplante de medula no dia 3 de fevereiro de 1997. No dia do transplante eu escrevi a canção "Raw Is The Stonewood Temple" sentado na cama do hospital com o meu baixo Steinburger. O som feliz daquela música estava me levando para o maior teste da minha vida. Eu pensei nos famosos edifícios de 200 anos de idade que estavam agora em ruínas. Percebi que até mesmo monumentos famosos feitos de pedra e madeira maciça não duram pra sempre. Percebi que os belos monumentos ou templos que foram feitos para Deus são os mais visitados. Muitos deles estão espiritualmente mortos mas são continuamente restaurados durante os anos pois são especiais. Eles são templos. Eu me via como um templo em ruínas prestes a ser restaurado por Deus. Ele diz na Bíblia que nós temos 70 anos para viver e 80 se formos fortes. Eu queria, naquele momento, uma vida mais longa. Nas seis semanas em que fiquei no hospital depois do Transplante eu senti várias vezes que iria morrer. Eu me tornei uma carcaça viva e a dor foi indescritível. Logo depois dos médicos me informarem que o meu transplante não tinha funcionado, o primeiro milagre aconteceu. Minhas células começaram a produzir sangue. Duas semanas depois eu saí do hospital agradecendo a Deus, pois meu transplante tinha funcionado. Apesar disso, pouco tempo depois me disseram que o câncer havia retornado e eu tinha duas semanas de vida. Nesse ponto eu decidi desistir do tratamento, ir pra casa e passar esse tempo com a minha família. Duas semanas depois tive um colapso duplo e foi dito que eu tinha duas horas de vida. O médico disse que se eu vivesse nunca andaria de novo, teria sérios problemas de visão e meu organismo interno ficaria muito maltratado. Passo a passo, semana a semana Deus me ajudava a melhorar através de alimentação saudável, medicina natural, muita determinação e o poder curativo do Senhor.
Hoje, em Fevereiro de 98 eu me sinto normal de novo e não há nenhum sinal de câncer. Eu acredito que Deus me curou e que tenho uma longa vida a frente. Quando tudo morria ao meu redor, eu experimentei o Triunfo da Misericórdia. Se você quer conhecer meu grandioso Deus e o poder de cura que Ele tem, faça essa oração:

“Jesus, eu peço a você que perdoe meus pecados e me liberte do poder do mal. Eu que você seja, a partir desse momento, o Senhor da minha vida, e quero que cure meu corpo e coração. Jesus, eu acredito que você é o filho de Deus, que morreu e ressuscitou dentre os mortos como a Palavra diz. Eu te peço que me receba como seu filho e me salve. Obrigado Senhor."
Procure uma igreja de crença bíblica.”

A letra da música "Triumph of Mercy" fala sobre essa situação em que viveu o Steve.
A letra da música "Influence", resume bem o objetivo da banda Mortification:

“Influência na sua vida. Nós não queremos fama, queremos “salvação.”
 Créditos: Adriano Lino(ON THE ROCK)
Fonte: Desconhecida 

"Logo após a recuperação de Steve, o Mortification gravou e lançou Triumph of Mercy em 1998, que foi lançado pela Rowe Productions nos Estados Unidos e pela Nuclear Blast Alemanha na Europa. Esse álbum estava centrado no que Steve e a banda passaram nos dois anos anteriores. O estilo do álbum mistura o groove e o thrash.

1999 foi o ano do lançamento de Hammer of God, que assim como o trabalho anterior era uma mistura de groove e thrash. Os elementos de death haviam sido deixados pela banda, mas a mensagem permanecia a mesma. Letras com temor a Deus. Em 2000 o Mortification lançou outro álbum ao vivo, 10 Years: Live Not Dead, que reunia canções dos últimos álbuns e a nova Dead Man Walking. Foi gravado no Blackstump Festival 1999 com um som de grande qualidade. Keith Bannister deixou a banda e em seu lugar entrou o adolescente Adam Zaffarese."
Fontes: Mortifination

O Mortification está na ativa e firme e forte, com lançamento do novo álbum "Realm Of The  Skelator" em 2015. E o lançamento do livro chamado "METAL MISSIONARY – The Steve Rowe Story."
Vem coisa boa por ai.
Longa vida ao Steve Rowe, Longa a vida ao Mortification.

Curtam e acompanhem nossa página https://www.facebook.com/Cristianismounderground  
Deus abençoe :)
quinta-feira, 19 de junho de 2014 1 comentários

Mortification: Cristianismo Underground

 Olá galera, como vocês devem saber, temos a nossa página no facebook, onde diaramente é postado links de vídeos, divulgações de bandas da nossa cena e mais coisas sobre o cristianismo.
E voltamos com o nosso especial de sábado, onde todo o sábado postamos algo sobre uma banda específica. O sábado passado foi sobre o "Petra" e esse próximo sábado (21/06/2014) será sobre o Mortification. Então fiquem ligados na nossa página https://www.facebook.com/Cristianismounderground
O nosso especial de sábado, será com a lenda do Death metal Cristão " Mortification "

Nesse sábado dia 21 de junho de 2014 aqui na nossa page.

Iremos postar muitas músicas, fotos, curiosidades, notícias ...
Fiquem ligados na nossa página :)
Fãs do Mortification e curtidores da nossa página.
Convidem seus amigos, compartilhem nossa página.

Compartilhe essa foto e marquem todos os seus amigos que curte o Mortification e o Metal Cristão.


Curtam nossa página: Cristianismounderground
terça-feira, 10 de junho de 2014 0 comentários

Rodolfo Abrantes: 100% de arrependimento sobre as letras da época do Raimundos




A fila já vai grande às 19h50. Algumas centenas de jovens, a maioria aparentando vinte e poucos anos, vão se amontoando em frente aos portões fechados do principal auditório da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Eles falam alto. Uns conversam em inglês. “I miss you so much!”. Quem tem pulseirinha de acesso restrito não precisa esperar a abertura oficial. Convencemos o atarefado estafe a liberar nossa entrada.
No lado de dentro a banda passa o som. Tira grave, sobe agudo, ei, som, ei, som. “Alguém quer alguma coisa?”, grita o técnico de áudio de cima do seu poleiro. “Quero um café!”, brinca Rodolfo Abrantes. Ele está no centro do palco empunhando a guitarra. Ao seu redor, sua banda, cortinas vermelhas, cem lâmpadas em forma de velas e três pessoas orando num canto.
“A gente vai fazer uma parte da adoração, é uma parte do culto”, explica Rodolfo. Ele é um missionário, alguém que, segundo as tradições evangélicas, passa a mensagem de Deus. “A carta não é a minha, eu sou o carteiro”, diz. Aos 41 anos, ele recusa o título de artista que carregou até 2001, ano em que deixou os Raimundos.
“Eu vim de uma cidade projetada, minha família toda tem médicos, era tudo planejado; e eu não queria aquilo pra mim”, conta. Rebento da segunda geração roqueira do Distrito Federal, o moleque Rodolfo viu na música a chance de sair do plano piloto a ele imposto. Ao lado de Digão, fundou os Raimundos em 1987 e em 1994, rumava ao sucesso com o primeiro álbum.
“Minha saúde destruída, perdendo peso, cheio de caroço espalhado pelo corpo: eu me sentia morrendo”
Em pouco tempo ele deixou de ser fã de rockstars para se tornar um deles. Rodava o Brasil na rotina avião-hotel-palco-hotel-avião. Ao lado de bandas como Planet Hemp e Charlie Brown Jr, os Raimundos tocaram o último acorde do rock brasileiro de grandes proporções. Lotavam casas de show, vendiam quilos de CDs e arrepiavam os ouvidos mais carolas com a mistura de riffs velozes e distorcidos, vocabulário calango e histórias de sexo oral, escatologia, erva e outras peculiaridades.
O sucesso aumentava e Rodolfo ficava cada vez mais junkie. Maconha era mato. “Eu fumava um e já estava pensando no próximo, cheguei a cheirar e tomava ácido pra caramba”, conta. Para ele, o ápice da fama coincidiu com o fundo do poço. “Minha saúde destruída, perdendo peso, cheio de caroço espalhado pelo corpo: eu me sentia morrendo”.
Rodolfo decidiu que daria fim àquilo logo após a gravação do aclamado álbum MTV Ao Vivo, em junho de 2001. Ele se convertera no começo daquele ano, motivado, num primeiro momento, por Alexandra (então namorada e atual esposa). “Nosso relacionamento estava indo por água abaixo”. A convite dela, evangelistas da periferia de São Paulo foram à sua casa. Anos depois de entrar num puteiro em João Pessoa, o músico encontrava seu Deus.

Homem de fases

Rodolfo conta sua história e sua crença com precisão litúrgica. Embora sempre leia a Bíblia, não menciona passagens com proselitismo pastoreiro. Fala de forma complacente. Sua prosódia em nada lembra os pregadores ufanistas, mas tampouco resgata a língua frenética de músicas como "Nêga Jurema", em que cuspia duzentas e três palavras em apenas dois minutos.
“Eu tenho 100% de arrependimento”, diz ele sobre suas letras na época dos Raimundos. As dezenas de composições feitas durante esse tempo garantem parte de seu orçamento por meio dos direitos autorais, mas ele não toca mais nenhuma dessas músicas. Atualmente, a maior parte das suas contas é paga pelos seus álbuns de cunho evangélico, assinados com a sigla RABT, e pelas apresentações que faz pelo país. Nesse caso, o pagamento vem como oferta - uma das formas de remuneração instituídas na Bíblia, segundo ele. “Eu saio da minha casa e posso não receber nada”, afirma.

“Eu tenho 100% de arrependimento” [sobre as letras da época do Raimundos]

Assim como não enxerga verdade em alguns pastores - “tem pilantra se passando por pastor” -, Rodolfo também não acredita no endinheirado mercado gospel. “Eu não consigo ver Jesus nesse tipo de show porque o povo está aplaudindo o cara que está tocando, e a adoração não serve pra ninguém me aplaudir”, diz ele em meio ao barulho que antecede o culto.
“Dia histórico”, “Tua casa, senhor”, “Te sentimos aqui”. Muitas palavras de ordem e muitas palmas. Já passa das 21h quando os jovens do grupo Dunamis Pockets se reúnem como numa concentração pré-jogo de futebol. Um dos líderes da organização, Felippe Borges, puxa o coro em voz alta em meio a frases desencontradas. Rodolfo mantem a voz baixa, talvez porque vá precisar dela dali a pouco.
Ao sair da coxia, Felippe invade o palco entoando a pregação como se fosse dono de uma startup também repleta de fieis. Às vezes, ele rima “man” com “amém”. Sua voz se mistura a um estridente exemplar da febre EDM, trilha para os dizeres de amor, paz e união que se revezam com imagens de skatistas no telão.
Sem pompa, Rodolfo toma seu lugar ao centro. Ele é mais um entre aquelas lâmpadas incandescentes em forma de vela e sob um holofote de vários lúmens. Sua apresentação sobrepõe o misancene imposto, mas não atrai os olhares da plateia: a maioria das pessoas está de olhos fechados e pouquíssimos celulares estão em mãos.

“Eu não consigo ver Jesus nesse tipo de show [gospel] porque o povo está aplaudindo o cara que está tocando e a adoração não serve pra ninguém me aplaudir”

O missionário Rodolfo sabe que o culto se estende até a meia-noite. Depois, ele grava em um estúdio de São Paulo. A poucos quilômetros dali, em Ribeirão Preto, o restante dos Raimundos tocaria no dia seguinte como parte do festival João Rock. Rodolfo não conversa com os companheiros de estrada de outrora, assim como não conhece a agenda da sua antiga banda.
Nesse mesmo dia, ele teria de se apresentar como parte de um culto em Campina Grande. Rodolfo mora em Balneário Camboriú e, quando dá tempo, surfa na praia logo em frente a sua casa. Cair na água é um dos poucos hábitos que mantem desde a adolescência. Mas sua prioridade é sua missão terrena. Ele não acha que corre o risco de ter uma overdose. Afinal, Deus é veneno? “Não, porque ele não é desse mundo.”

Matéria Original retirada  da Revista Trip
Fontes: http://revistatrip.uol.com.br/so-no-site/entrevistas/rodolfo-abrantes.html


De fato o Rodolfo mudou da água pro vinho, um verdadeiro homem de Deus. Eu sou de Campina Grande e estive presente em seu último show , quer dizer, show não, ministração e muito adoração, foi isso que aconteceu no culto, o Rodolfo apenas tocou duas músicas no estilo voz e violão, que segundo ele são as que ele mais gosta: " Isaias 9 e Até Que a Casa Esteja Cheia" e após isso ministrou a palavra. Foi uma bênção, várias pessoas se converteram ao senhorio de Jesus Cristo e outras foram renovadas e renovaram sua aliança com Cristo.
De fato Rodolfo, a melhor coisa que você fez foi ter saído do Raimundos e ter escolhido o caminho estreito, que é o nosso senhor Jesus Cristo.
Curtam nossa página: https://www.facebook.com/Cristianismounderground
sexta-feira, 6 de junho de 2014 0 comentários

Cristianismo Underground.

Nova logo da nossa página no facebook https://www.facebook.com/Cristianismounderground.

Arte feita por Daniel Silva.

Nos acompanhe no facebook, curta a página: https://www.facebook.com/Cristianismounderground

domingo, 29 de junho de 2014

“Creio! Ajuda-me a vencer minha falta de fé"



 Por Edy Marques
 Eu creio, Senhor! AJUDA A MINHA INCREDULIDADE (Marcos 9:24)

  O contexto desse texto fala da cura de um menino possesso e  do Pai que queria a libertação do seu filho, mas faltava-lhe lhe um pouco de fé, que acabou duvidando do poder de Cristo, mas  logo voltou atrás e pediu ajuda. No entanto quero me ater a esse versículo:

Eu creio, Senhor! AJUDA A MINHA INCREDULIDADE (Marcos 9:24b).

 Quantas vezes na nossa caminhada cristã, a falta de fé, a dúvida, vem nos visitar? E quando não temos mais esperanças, mais forças pra acreditar no sobrenatural, pra acreditar no Espírito Santo,  Cristo, Deus? O que fazer? Como superar essa batalha?

  Essa incredulidade é notável hoje em dia principalmente em jovens, muitas das vezes em jovens universitários, pois hoje em dia o que 'domina' nas universidades é o relativismo cultural, hoje em dia é “normal” ser ateu, agnóstico. Pra muitos hoje em dia ser Cristão se tornou apenas uma posição social.  Para vencer essa batalha é necessário pedir ajuda ao nosso Deus e buscar ferramentas de suporte para auxiliar na nossa fé. 
E aí eu aconselho buscar estudar “Apologética Cristã”. Digo isso, pois já passei por essa fase de dúvida e ás vezes ela retorna, mas tenho clamado ao Senhor e ele tem me ajudado na falta de fé.  

Voltando a falar sobre fé:

  A palavra de Deus relata em Hebreus 11, que diversos irmãos  foram justificados e ajudados pela sua fé, irmãos que são considerados os heróis da Fé. 
Dentro desse capitulo de Hebreus, me chama a atenção os versos 1, 3 e 6.
Mas o que seria a fé? O livro de Hebreus nos responde:

“Ora, a fé é a certeza de que haveremos de receber o que esperamos, e a prova daquilo que não podemos ver.”- Hebreus 11:1

Ter fé é acreditar no invisível, é ter  a certeza e esperança e perseverar naquilo que não vemos. Loucura né? Sim, para o homem natural é sim.

No versículo 3, diz:
“Pela fé compreendemos que o Universo foi criado por intermédio da Palavra de Deus e que aquilo que pode ser visto foi produzido a partir daquilo que não se vê.” -Hebreus 11:3

Acreditar no invisível? Difícil hein? Mas é necessário ter fé para agradar a Deus, assim como diz o verso 6:

“Em verdade, sem fé é impossível agradar a Deus; portanto, para qualquer pessoa que dele se aproxima é indispensável crer que Ele é real e que recompensa todos quantos se consagram a Ele.”  Hebreus 11:6

  Talvez a sua fé agora,  não é a mesma de antes e está muito distante da fé do primeiro amor. Mas, eu tenho que lhe dizer que é natural do ser humano ter dúvidas sobre suas questões existenciais, sobre a existência de um Deus verdadeiro. 
Se o Pai do menino que viu Cristo curando, libertando e foi até Cristo, viu o nosso Deus pessoalmente e em cima da hora, não teve fé suficiente, chegando a dizer "Se podes"? O que dizer de nós?

  Mas nós cristãos não podemos se entregar a essas dúvidas e não querer vencê-las, temos que lutar contra elas, tentar fazer o possível para superá-las do nosso caminho. Nós temos a palavra de Deus em forma de escrituras como nosso auxílio e como diz o W. L. Craig em uns dos seus vídeos: A maior prova que Deus existe é o trabalho do Espírito Santo dentro de nós.
Além disso dentro da defesa da fé ( Apologética Cristã) temos vários argumentos para a existência de Deus/Cristo. É necessário, sim uma busca, procurar estudar, ler coisas que fortaleçam nossa fé.  
  
Vou deixar uns links de apologética cristã aqui abaixo que me ajudam bastante nessas questões. Se vc tem paciência, coragem e deseja acima de tudo vencer suas dúvidas é necessário dedicação+ oração.

Na hora que as dúvidas vier, é necessário que você se lembre dessa simples oração, do "Pai incrédulo":

“Eu creio, Senhor! AJUDA A MINHA INCREDULIDADE (Marcos 9:24b)”.
“Creio! Ajuda-me a vencer minha falta de fé “ Marcos 9:24b

  Hoje em dia o maior mal para o cristão perder a fé, é a falta de coragem de enfrentar a dúvida. Repito não podemos fazer isso, Só se ganha um batalha, lutando. Então se prepare estudando, orando pra essa guerra, e sempre tenha em mente que Cristo sempre está presente para nos ajudar, se clamarmos por ajuda, certamente Ele nos responderá e nos ajudará  na nossa incredulidade. 

Amém? Que Deus nos ajude.
Acessem também nossa página no facebook: https://www.facebook.com/Cristianismounderground

Links de Apologética Cristã:

Destruímos argumentos e toda pretensão que se levanta contra o conhecimento de Deus."
2 Co 10.5a


Reasonble Faith - William Lane Craig - http://www.reasonablefaith.org/portuguese/question-answer
Respostas ao Ateísmo - http://www.respostasaoateismo.com/
Alguns livros- http://www.respostasaoateismo.com/p/livros.html
Logos Apologétic-  http://logosapologetica.com/
Apologia Cristã - http://lucasbanzoli.no.comunidades.net/

sábado, 21 de junho de 2014

Mortification: Testemunho Steve Rowe e algumas novidades


Testemunho do Steve Rowe do  Mortification



”No dia 20 de setembro de 1996 eu recebi a pior notícia da minha vida. Eu tinha contraído Leucemia Linfática e fui imediatamente levado a tratamento de quimioterapia que derrotou o câncer mas começou um processo de destruição meu corpo.Era muito doloroso mas no Natal daquele ano estava em descanso e me sentia bem. Janeiro chega e eu sou chamado pelo escritório médico e me disseram que o câncer havia voltado e eu tinha 1% de chance de viver. Isso aconteceu devido a uma complicação chamada Cromossomo Positivo Philadelphia que é virtualmente impossível de se curar. Me disseram que eu precisava de um transplante de medula que me daria 25 a 40% de chance. Fui abençoado pois meu Pai tinha células idênticas às minhas e poderia ser meu doador. 70% das pessoas que precisam de um transplante não acham um doador compatível. Foi realmente um tempo de confiança em Deus e acreditando 100% que Deus tinha me curado. Eu não acredito que Deus seja instável. Eu não acreditava que ele teria me dado uma esposa, filho e uma banda maravilhosa e uma gravadora só pra me tirar depois. Fiz o transplante de medula no dia 3 de fevereiro de 1997. No dia do transplante eu escrevi a canção "Raw Is The Stonewood Temple" sentado na cama do hospital com o meu baixo Steinburger. O som feliz daquela música estava me levando para o maior teste da minha vida. Eu pensei nos famosos edifícios de 200 anos de idade que estavam agora em ruínas. Percebi que até mesmo monumentos famosos feitos de pedra e madeira maciça não duram pra sempre. Percebi que os belos monumentos ou templos que foram feitos para Deus são os mais visitados. Muitos deles estão espiritualmente mortos mas são continuamente restaurados durante os anos pois são especiais. Eles são templos. Eu me via como um templo em ruínas prestes a ser restaurado por Deus. Ele diz na Bíblia que nós temos 70 anos para viver e 80 se formos fortes. Eu queria, naquele momento, uma vida mais longa. Nas seis semanas em que fiquei no hospital depois do Transplante eu senti várias vezes que iria morrer. Eu me tornei uma carcaça viva e a dor foi indescritível. Logo depois dos médicos me informarem que o meu transplante não tinha funcionado, o primeiro milagre aconteceu. Minhas células começaram a produzir sangue. Duas semanas depois eu saí do hospital agradecendo a Deus, pois meu transplante tinha funcionado. Apesar disso, pouco tempo depois me disseram que o câncer havia retornado e eu tinha duas semanas de vida. Nesse ponto eu decidi desistir do tratamento, ir pra casa e passar esse tempo com a minha família. Duas semanas depois tive um colapso duplo e foi dito que eu tinha duas horas de vida. O médico disse que se eu vivesse nunca andaria de novo, teria sérios problemas de visão e meu organismo interno ficaria muito maltratado. Passo a passo, semana a semana Deus me ajudava a melhorar através de alimentação saudável, medicina natural, muita determinação e o poder curativo do Senhor.
Hoje, em Fevereiro de 98 eu me sinto normal de novo e não há nenhum sinal de câncer. Eu acredito que Deus me curou e que tenho uma longa vida a frente. Quando tudo morria ao meu redor, eu experimentei o Triunfo da Misericórdia. Se você quer conhecer meu grandioso Deus e o poder de cura que Ele tem, faça essa oração:

“Jesus, eu peço a você que perdoe meus pecados e me liberte do poder do mal. Eu que você seja, a partir desse momento, o Senhor da minha vida, e quero que cure meu corpo e coração. Jesus, eu acredito que você é o filho de Deus, que morreu e ressuscitou dentre os mortos como a Palavra diz. Eu te peço que me receba como seu filho e me salve. Obrigado Senhor."
Procure uma igreja de crença bíblica.”

A letra da música "Triumph of Mercy" fala sobre essa situação em que viveu o Steve.
A letra da música "Influence", resume bem o objetivo da banda Mortification:

“Influência na sua vida. Nós não queremos fama, queremos “salvação.”
 Créditos: Adriano Lino(ON THE ROCK)
Fonte: Desconhecida 

"Logo após a recuperação de Steve, o Mortification gravou e lançou Triumph of Mercy em 1998, que foi lançado pela Rowe Productions nos Estados Unidos e pela Nuclear Blast Alemanha na Europa. Esse álbum estava centrado no que Steve e a banda passaram nos dois anos anteriores. O estilo do álbum mistura o groove e o thrash.

1999 foi o ano do lançamento de Hammer of God, que assim como o trabalho anterior era uma mistura de groove e thrash. Os elementos de death haviam sido deixados pela banda, mas a mensagem permanecia a mesma. Letras com temor a Deus. Em 2000 o Mortification lançou outro álbum ao vivo, 10 Years: Live Not Dead, que reunia canções dos últimos álbuns e a nova Dead Man Walking. Foi gravado no Blackstump Festival 1999 com um som de grande qualidade. Keith Bannister deixou a banda e em seu lugar entrou o adolescente Adam Zaffarese."
Fontes: Mortifination

O Mortification está na ativa e firme e forte, com lançamento do novo álbum "Realm Of The  Skelator" em 2015. E o lançamento do livro chamado "METAL MISSIONARY – The Steve Rowe Story."
Vem coisa boa por ai.
Longa vida ao Steve Rowe, Longa a vida ao Mortification.

Curtam e acompanhem nossa página https://www.facebook.com/Cristianismounderground  
Deus abençoe :)

quinta-feira, 19 de junho de 2014

Mortification: Cristianismo Underground

 Olá galera, como vocês devem saber, temos a nossa página no facebook, onde diaramente é postado links de vídeos, divulgações de bandas da nossa cena e mais coisas sobre o cristianismo.
E voltamos com o nosso especial de sábado, onde todo o sábado postamos algo sobre uma banda específica. O sábado passado foi sobre o "Petra" e esse próximo sábado (21/06/2014) será sobre o Mortification. Então fiquem ligados na nossa página https://www.facebook.com/Cristianismounderground
O nosso especial de sábado, será com a lenda do Death metal Cristão " Mortification "

Nesse sábado dia 21 de junho de 2014 aqui na nossa page.

Iremos postar muitas músicas, fotos, curiosidades, notícias ...
Fiquem ligados na nossa página :)
Fãs do Mortification e curtidores da nossa página.
Convidem seus amigos, compartilhem nossa página.

Compartilhe essa foto e marquem todos os seus amigos que curte o Mortification e o Metal Cristão.


Curtam nossa página: Cristianismounderground

terça-feira, 10 de junho de 2014

Rodolfo Abrantes: 100% de arrependimento sobre as letras da época do Raimundos




A fila já vai grande às 19h50. Algumas centenas de jovens, a maioria aparentando vinte e poucos anos, vão se amontoando em frente aos portões fechados do principal auditório da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Eles falam alto. Uns conversam em inglês. “I miss you so much!”. Quem tem pulseirinha de acesso restrito não precisa esperar a abertura oficial. Convencemos o atarefado estafe a liberar nossa entrada.
No lado de dentro a banda passa o som. Tira grave, sobe agudo, ei, som, ei, som. “Alguém quer alguma coisa?”, grita o técnico de áudio de cima do seu poleiro. “Quero um café!”, brinca Rodolfo Abrantes. Ele está no centro do palco empunhando a guitarra. Ao seu redor, sua banda, cortinas vermelhas, cem lâmpadas em forma de velas e três pessoas orando num canto.
“A gente vai fazer uma parte da adoração, é uma parte do culto”, explica Rodolfo. Ele é um missionário, alguém que, segundo as tradições evangélicas, passa a mensagem de Deus. “A carta não é a minha, eu sou o carteiro”, diz. Aos 41 anos, ele recusa o título de artista que carregou até 2001, ano em que deixou os Raimundos.
“Eu vim de uma cidade projetada, minha família toda tem médicos, era tudo planejado; e eu não queria aquilo pra mim”, conta. Rebento da segunda geração roqueira do Distrito Federal, o moleque Rodolfo viu na música a chance de sair do plano piloto a ele imposto. Ao lado de Digão, fundou os Raimundos em 1987 e em 1994, rumava ao sucesso com o primeiro álbum.
“Minha saúde destruída, perdendo peso, cheio de caroço espalhado pelo corpo: eu me sentia morrendo”
Em pouco tempo ele deixou de ser fã de rockstars para se tornar um deles. Rodava o Brasil na rotina avião-hotel-palco-hotel-avião. Ao lado de bandas como Planet Hemp e Charlie Brown Jr, os Raimundos tocaram o último acorde do rock brasileiro de grandes proporções. Lotavam casas de show, vendiam quilos de CDs e arrepiavam os ouvidos mais carolas com a mistura de riffs velozes e distorcidos, vocabulário calango e histórias de sexo oral, escatologia, erva e outras peculiaridades.
O sucesso aumentava e Rodolfo ficava cada vez mais junkie. Maconha era mato. “Eu fumava um e já estava pensando no próximo, cheguei a cheirar e tomava ácido pra caramba”, conta. Para ele, o ápice da fama coincidiu com o fundo do poço. “Minha saúde destruída, perdendo peso, cheio de caroço espalhado pelo corpo: eu me sentia morrendo”.
Rodolfo decidiu que daria fim àquilo logo após a gravação do aclamado álbum MTV Ao Vivo, em junho de 2001. Ele se convertera no começo daquele ano, motivado, num primeiro momento, por Alexandra (então namorada e atual esposa). “Nosso relacionamento estava indo por água abaixo”. A convite dela, evangelistas da periferia de São Paulo foram à sua casa. Anos depois de entrar num puteiro em João Pessoa, o músico encontrava seu Deus.

Homem de fases

Rodolfo conta sua história e sua crença com precisão litúrgica. Embora sempre leia a Bíblia, não menciona passagens com proselitismo pastoreiro. Fala de forma complacente. Sua prosódia em nada lembra os pregadores ufanistas, mas tampouco resgata a língua frenética de músicas como "Nêga Jurema", em que cuspia duzentas e três palavras em apenas dois minutos.
“Eu tenho 100% de arrependimento”, diz ele sobre suas letras na época dos Raimundos. As dezenas de composições feitas durante esse tempo garantem parte de seu orçamento por meio dos direitos autorais, mas ele não toca mais nenhuma dessas músicas. Atualmente, a maior parte das suas contas é paga pelos seus álbuns de cunho evangélico, assinados com a sigla RABT, e pelas apresentações que faz pelo país. Nesse caso, o pagamento vem como oferta - uma das formas de remuneração instituídas na Bíblia, segundo ele. “Eu saio da minha casa e posso não receber nada”, afirma.

“Eu tenho 100% de arrependimento” [sobre as letras da época do Raimundos]

Assim como não enxerga verdade em alguns pastores - “tem pilantra se passando por pastor” -, Rodolfo também não acredita no endinheirado mercado gospel. “Eu não consigo ver Jesus nesse tipo de show porque o povo está aplaudindo o cara que está tocando, e a adoração não serve pra ninguém me aplaudir”, diz ele em meio ao barulho que antecede o culto.
“Dia histórico”, “Tua casa, senhor”, “Te sentimos aqui”. Muitas palavras de ordem e muitas palmas. Já passa das 21h quando os jovens do grupo Dunamis Pockets se reúnem como numa concentração pré-jogo de futebol. Um dos líderes da organização, Felippe Borges, puxa o coro em voz alta em meio a frases desencontradas. Rodolfo mantem a voz baixa, talvez porque vá precisar dela dali a pouco.
Ao sair da coxia, Felippe invade o palco entoando a pregação como se fosse dono de uma startup também repleta de fieis. Às vezes, ele rima “man” com “amém”. Sua voz se mistura a um estridente exemplar da febre EDM, trilha para os dizeres de amor, paz e união que se revezam com imagens de skatistas no telão.
Sem pompa, Rodolfo toma seu lugar ao centro. Ele é mais um entre aquelas lâmpadas incandescentes em forma de vela e sob um holofote de vários lúmens. Sua apresentação sobrepõe o misancene imposto, mas não atrai os olhares da plateia: a maioria das pessoas está de olhos fechados e pouquíssimos celulares estão em mãos.

“Eu não consigo ver Jesus nesse tipo de show [gospel] porque o povo está aplaudindo o cara que está tocando e a adoração não serve pra ninguém me aplaudir”

O missionário Rodolfo sabe que o culto se estende até a meia-noite. Depois, ele grava em um estúdio de São Paulo. A poucos quilômetros dali, em Ribeirão Preto, o restante dos Raimundos tocaria no dia seguinte como parte do festival João Rock. Rodolfo não conversa com os companheiros de estrada de outrora, assim como não conhece a agenda da sua antiga banda.
Nesse mesmo dia, ele teria de se apresentar como parte de um culto em Campina Grande. Rodolfo mora em Balneário Camboriú e, quando dá tempo, surfa na praia logo em frente a sua casa. Cair na água é um dos poucos hábitos que mantem desde a adolescência. Mas sua prioridade é sua missão terrena. Ele não acha que corre o risco de ter uma overdose. Afinal, Deus é veneno? “Não, porque ele não é desse mundo.”

Matéria Original retirada  da Revista Trip
Fontes: http://revistatrip.uol.com.br/so-no-site/entrevistas/rodolfo-abrantes.html


De fato o Rodolfo mudou da água pro vinho, um verdadeiro homem de Deus. Eu sou de Campina Grande e estive presente em seu último show , quer dizer, show não, ministração e muito adoração, foi isso que aconteceu no culto, o Rodolfo apenas tocou duas músicas no estilo voz e violão, que segundo ele são as que ele mais gosta: " Isaias 9 e Até Que a Casa Esteja Cheia" e após isso ministrou a palavra. Foi uma bênção, várias pessoas se converteram ao senhorio de Jesus Cristo e outras foram renovadas e renovaram sua aliança com Cristo.
De fato Rodolfo, a melhor coisa que você fez foi ter saído do Raimundos e ter escolhido o caminho estreito, que é o nosso senhor Jesus Cristo.
Curtam nossa página: https://www.facebook.com/Cristianismounderground

sexta-feira, 6 de junho de 2014

Cristianismo Underground.

Nova logo da nossa página no facebook https://www.facebook.com/Cristianismounderground.

Arte feita por Daniel Silva.

Nos acompanhe no facebook, curta a página: https://www.facebook.com/Cristianismounderground
 
;