segunda-feira, 29 de dezembro de 2014 1 comentários

Agape: Pioneiros do Hard Rock Cristão -1971


'Agape" [Hard Rock/Psycodelic Rock] -1971 -EUA
Os pioneiros do Hard Rock Cristão 

Agape: Pioneiros do Hard Rock Cristão e umas das pioneiras do Jesus Peopple Moviment. 

Uma das primeiras bandas de hard rock da música Cristã formada em torno do talento de "Fred Caban" durante os estágios iniciais do que ficou conhecido como o "Jesus People Moviment". 

Nascido e criado na Califórnia, a cena musical da contracultura ofereceu uma visão intimista rock 'n' roll e estilo de vida estilos de tais fenômenos guitarra como Jimi Hendrix, após os quais o embrião músico estampados seu estilo.

Ao se formar a partir de um Azusa ensino médio, na primavera de 1968, ele e seus companheiros de banda espremidos em uma pequena van Volkswagen em busca de locais para realizar. Uma noite, enquanto eles parou em uma praia de Huntington chamou a Lightclub, eles se reuniram e foram ajudados por um grupo de adolescentes entusiastas quem Caban descritos como sendo "totalmente imerso com a mensagem de Cristo."

O café Lightclub por esta altura tinha sido tomado por David Berg e da família, o ponto gênese do que viria a se tornarem filhos de Deus. Depois de aceitar uma pequena Evangelho de João, a banda passou a encontrar abrigo para a noite. Como foi o testemunho de muitos outros transientes, o contato com hippies "cristianizados" intensificou busca pessoal de Caban para a verdade. Apesar de não compreender totalmente a mensagem "de Lightclubber", ele começou a orar por uma introdução para "quem estava lá fora."

Quando Caban voltou para a van, ele compartilhou sua experiência e descobriu que companheiro colega Jeff Newman também tinha sofrido uma conversão espiritual. Os dois incipientes cristãos voltou para o café, onde ambos foram batizados. No dia seguinte, o grupo voltou a Azusa.

Poucos meses depois de sua conversão, Caban formou outra banda nomeando de Ágape, a palavra grega para amor de Deus. Tendo anteriormente se estabelecido como um guitarrista de algum mérito na área de Azusa, a formação de três membros, que inclui Mike Jungkman na bateria e Ms. Lonnie Campbell no baixo, capitalizou o seu nome para reunir multidões iniciais. Durante os dias imediatamente a seguir cada uma das respectivas conversões, a visão de Agape tornou evangelística - desejando compartilhar suas experiências com seus pares.
Onde antes os seus objectivos era de ganhar a atenção de gravadoras locais, Agape funcionou como um dos primeiros missionários musical, umas das primeiras bandas do Jesus Peopple Moviment. De seu protocolo de palco e fervor evangelístico Caban declarou, "Nós jogaria uma ou duas músicas - que gostaríamos jam,. nós levá-los longe - e, em seguida, crescer, nós começar a pregar ..... e as pessoas realmente ficar por aqui e ouvir. 

Dentro de seis meses, um grupo de 50 jovens convertidos tinham aderido ao trio como um amálgama solto de adolescentes em busca espiritual que se reuniram para estudos bíblicos e sessões de estratégia para promover os shows da banda. Caban lembrou que foi um encontro totalmente espontânea de amigos; "Isso nunca ocorreu-nos a entrar numa igreja. Não havia nenhuma estrutura, mas nós não sabemos disso. Nós só estávamos gostando do que estava acontecendo e levando um dia de cada vez." Durante as fases de constituição da sua fase inicial de recrutamento os membros da banda funcionava como a liderança não-oficial.

Agape desempenhou um número ou locais em toda a área da Califórnia, incluindo uma série de apresentações no de Hollywood Presbyterian Salt Company café. Suas aparições que corriam em simultâneo com a ascendência de um outro premier Jesus músico. Ambos Agape e Larry Norman floresceu como forças de música Jesus, ao mesmo tempo. Em um ponto o cantor convidou Agape em um estúdio de gravação em uma tentativa de ajudá-los com a sua própria carreira musical. Embora nada permanente veio desta reunião, Agape, eventualmente, procurou o produtor de discos local Martin Jones com o desejo de gravar um álbum. Oferecido estúdio tempo livre entre meia-noite e 6h00, Agape gravado Gospel Hard Rock [1971].



Foi durante a gravação deste primeiro lançamento que a banda conheceu Ron Turner, que estava estudando na Azusa Pacific College com as esperanças de entrar para o ministério. Educado na Igreja Presbiteriana, Turner foi orientado por Don Williams, então pastor de jovens da Primeira Igreja Presbiteriana de Hollywood. Durante seus estudos, Turner era um pastor de jovens da Igreja da Comunidade de Arcadia, que abriu a pequena comitiva da banda para se juntar para culto de adoração e de concerto performances. Por um período de três anos, Turner levou cada vez mais responsabilidades no grupo, inicialmente falando em apresentações da banda, mas acabou se tornando a figura do pastor sobre a congregação crescente. Reunindo-se regularmente em Covina Park, o grupo estruturado livremente cresceu para mais de 500.

Como uma entidade musical, o hard rock Agape ganhou um grande número de seguidores em toda a costa oeste, partilhando o palco com outras bandas de música de Jesus, como Love Song e JC Poder Outlet, jogando o popular de Gazzari Hollywood-A-Go-Go, e convidados a partilhar o bill nos primeiros Festivais California Jesus manteve no Hollywood Palladium, em 1971. Embora alguns acreditavam que sua música era um compromisso em que é perto imitação de outras bandas 'mundanos' de rock, nenhum dos membros recuou de sua visão do que eles sentiram sua música deve projectar. Caban afirma: "Nós éramos basicamente uma banda de rock secular que se tornaram cristãos.

Quando chegamos no palco jogamos tão duro como fizemos antes. Mas onde anteriormente tinha sido egoísta e desejando fama e fortuna, agora cantou sobre a nossa fé em Jesus Cristo. Nada mudou na parte externa. Nós tinha sido transformada a partir de dentro "historiador da música Jesus Paul Baker escreveu sobre Agape que," eles tocaram Jesus rocha em que é crustiest -. A música que cortar através das defesas mais grossas dos fãs de rock não-cristãs. Para aqueles para quem a música de hard rock era a língua, Agape ... falou-clareza. "'
A banda adicionou o tecladista Jim Hess e lançou "Vítimas da Tradição", em 1972, que contou com uma abordagem mais progressiva, assim como uma capa que imaginou o grupo realizando em um cemitério.

Fontes: http://classicchristianrockzone.blogspot.com.br/2014/04/agape.html

Obs: Meu inglês não é bom, então foi traduzido via google tradutor  e acrescentado algumas coisas.

Abaixo segue alguns links para download:

Gospel Hard Rock -1971
1 Blind
2 Happy
3 Believe
4 Man
5 Trust
6 Freedom
7 Choose
8 Blood
9 Rejoice
10 Street Walker
11 Alchemy

Download: http://www.4shared.com/rar/vzfOSHvmba/A-GHR71.html
Victims Of Tradition -1972

1 Voyaging Pilgrim
2 Walking Over The Hill
3 Wouldn't It Be A Drag
4 Jazz Jam (Part 1)
5 The King Of Kings
6 The King Is Christ
7 Change Of Heart
8 You Reap What You Sow

http://www.4shared.com/rar/kOPYmjyece/A-VoT-72.html


quinta-feira, 25 de dezembro de 2014 0 comentários

A patrística, o livre-arbítrio e Armínio.

Alguns calvinistas afirmam que a doutrina da predestinação em seus moldes calvinistas sempre foi desde o início a doutrina da igreja cristã e que os pais da igreja eram contra essa história de “livre-arbítrio” que segundo eles foram inventados por Pelágio e consequentemente foi Armínio que reavivou essa doutrina “maléfica”, que supostamente tira a Soberania de Deus. Eles apelam a autoridade de Agostinho de Hipona (IV d.C) que segundo eles foi “o pai da predestinação” e os seus ensinamentos influenciaram, Lutero e Calvino (XVI d.C) o qual com base nos ensinos de Agostinho, Calvino desenvolveu suas teses para defender a doutrina da predestinação e eleição incondicional e o determinismo. (Sabemos que alguns calvinistas defendem o livre-arbítrio em temos compatibilistas.) Mas será isso mesmo? Será que os pais da igreja antes de Agostinho, Lutero e Calvino combatiam o livre-arbítrio? Será que a doutrina do “livre-arbítrio” sempre foi uma heresia histórica combatida, conforme ditam alguns calvinistas?
Uma pequena pesquisa sobre os Patrísticos (pais da igreja, pós-apóstolos, até o século IV) demostra o contrário e percebemos que a grande maioria deles defenderam ou falaram sobre o livre-arbítrio. E que essa doutrina não começou com Pelágio. Vejamos alguns citações:
Os pais primitivos e o livre arbítrio

JUSTINO MÁRTIR (100 à 160/165 d. C)

“Do que dissemos anteriormente, ninguém deve concluir que a consequência do que afirmamos que se sucede ocorre por necessidade do destino, pelo fato de que dizemos ser de antemão conhecidos os acontecimentos. Para isso, vamos esclarecer também esta dificuldade. Nós aprendemos com os profetas e afirmamos que isto é a verdade: que os castigos e tormentos, igualmente as boas recompensas, dão-se a cada um conforme as suas obras, pois se não fosse assim e se ocorresse pelo destino, não existiria em absoluto o livre-arbítrio. Com efeito, se está determinado que este seja bom e aquele mau, nem aquele merece louvor, nem este vitupério. E se o gênero humano não tem poder para fugir por livre determinação daquilo que é vergonhoso e optar pelo belo, é irresponsável por qualquer ação que faça. Porém, que o homem é virtuoso e peca por livre escolha, o demonstramos pelo seguinte argumento: vemos que o próprio sujeito passa de um extremo a outro. Pois bem: se fosse determinado ser mau ou bom, não seria capaz de fazer coisas contrárias nem mudaria [seu comportamento] com tanta frequência. Na verdade, não se poderia dizer que alguns são bons e outros maus a partir do momento em que afirmamos que o destino é a causa de bons e maus, e que faz coisas contrárias a si mesmo; ou deve se ter por verdade aquilo que já anteriormente insinuamos, a saber: que virtude e maldade são meras palavras e que apenas por opinião [pessoal] se classifica algo como bom ou mau – o que, como demonstra a verdadeira razão, é o cúmulo da impiedade e da iniquidade. O que afirmamos ser destino iniludível é que a quem escolher o bem, espera-lhes digna recompensa; e a quem escolher o contrário, espera-lhes igualmente digno castigo. Porque Deus não fez o homem da mesma forma que as outras criaturas, por exemplo, árvores e quadrúpedes, que nada podem fazer por livre determinação, pois nesse caso não seria digno de recompensa ou louvor, nem mesmo por ter escolhido o bem, mas já teria nascido bom; nem, por ter sido mau, seria castigado justamente, pois não agiu livremente, mas por não poder ter sido outra coisa do que foi” (1ª Apologia 43,1-8).

Justino Mártir (160 d.C): A fim de que alguns não presumam, a partir do que temos dito, que tudo acontece por uma necessidade fatal, pois é anunciado como conhecido de antemão, isso nós também explicamos. Nós aprendemos dos profetas e sustentamos ser a verdade, que as punições, castigos e boas recompensas são concedidas de acordo com o mérito das ações de cada homem. Agora, se isso não é desta forma, mas todas as coisas acontecem por destino, então, nada está em nosso próprio poder. Porque, se está predeterminado que este homem será bom e esse outro homem será mau, nem é o primeiro digno de mérito nem o último culpado. E novamente, a menos que a raça humana tenha o poder de evitar o mal e escolher o bem por livre escolha, eles não são responsáveis por suas ações. (A Dicitionary of Early Christian Beliefs, editado por David W. Bercot, pg 285, publicado por Hendrickson, 1998) (tradução Walson Sales)
“Deus, desejando que tanto homens quanto anjos seguissem a sua vontade, resolveu criá-los livres para fazer a justiça. Mas se a Palavra de Deus prediz que certos anjos e certos homens serão certamente castigados, ela fez isso porque sabia previamente que eles seriam irremediavelmente [ímpios], mas não por terem sido criados assim. (DJ, 1.142).” (citado por Norman Geisler, T. S. v.2, pg 77)

IRINEU (130 à 200 d. C)
“Esta frase: ‘Quantas vezes quis acolher os teus filhos, porém tu não quiseste!’ (Mateus 23,37), bem descobriu a antiga lei da liberdade humana, pois Deus fez o homem livre, o qual, assim como desde o princípio teve alma, também gozou de liberdade, a fim de que livremente pudesse acolher a Palavra de Deus, sem que Este o forçasse. Deus, com efeito, jamais se impõe à força, pois n’Ele sempre está presente o bom conselho. Por isso, concede o bom conselho a todos. Tanto aos seres humanos como aos anjos outorgou o poder de escolher - pois também os anjos usam sua razão -, a fim de que àqueles que lhe obedecem possam conservar para sempre este bem como um dom de Deus que eles guardam. Ao contrário, não se encontrará este bem naqueles que O desobedecem e por isso receberão o justo castigo, porque Deus certamente lhes ofereceu benignamente este bem, mas eles não se preocuparam em conservá-lo, nem o acharam valioso, mas desprezaram a bondade suprema. Assim, portanto, ao abandonar este bem e até certo ponto rejeitá-lo, como razão serão réus do justo juízo de Deus, do qual o Apóstolo Paulo dá testemunho em sua Carta aos Romanos: ‘Por acaso desprezas as riquezas de sua bondade, paciência e generosidade, ignorando que a bondade de Deus te impulsiona a arrepender-te? Pela dureza e impenitência do teu coração, tu mesmo acumulas a ira para o Dia da Cólera, quando se revelará o justo juízo de Deus’ (Romanos 2,4-5). Ao contrário, diz: ‘Glória e honra para quem opera o bem’ (Romanos 2,10). Deus, portanto, nos deu o bem, do qual dá testemunho o Apóstolo na mencionada Carta, e aqueles que agem segundo este dom receberão honra e glória, porque fizeram o bem quando estava em seu arbítrio o não fazê-lo; ao contrário, aqueles que não agirem bem serão réus do justo juízo de Deus, porque não agiram bem estando em seu poder fazê-lo. Com efeito, se alguns seres humanos fossem maus por natureza e outros bons por natureza, nem estes seriam dignos de louvor por serem bons, nem aqueles condenáveis, porque assim teriam sido criados. Porém, como todos são da mesma natureza, capazes de conservar e fazer o bem, e também capazes de perdê-lo e não fazê-lo, com justiça os seres sensatos – quanto mais Deus! – louvam os segundos e dão testemunho de que decidiram de maneira justa e perseveraram no bem; ao contrário, reprovam os primeiros e os condenam retamente por terem rejeitado o bem e a justiça. Por esse motivo, os profetas exortavam a todos a agir com justiça e a fazer o bem, como muitas vezes explicamos, porque este modo de nos comportar está em nossas mãos; porém, tendo tantas vezes caído no esquecimento por nossa grande negligência, nos fazia falta um bom conselho. Por isso o bom Deus nos aconselhava o bem por meio dos profetas” (Contra as Heresias 4,37,1-2)

”Se não dependesse de nós o fazer e o não fazer, por qual motivo o Apóstolo, e bem antes dele o Senhor, nos aconselharia a fazer coisas e a nos abster de outras? Sendo, porém, o homem livre na sua vontade, desde o princípio, e livre é Deus, à semelhança do qual foi feito, foi-lhe dado, desde sempre, o conselho de se ater ao bem, o que se realiza pela obediência a Deus. (Contra Heresias, IV, 37. 1.4) (também citado por Norman Geisler em “eleitos, mas livres”, pg 171)

Clemente de Alexandria ( 150-c. 215 d. C.)
“Nos que ouvimos pelas Sagradas Escrituras que a escolha autodeterminada e a recusa foram dadas pelo Senhor aos homens, descansamos no critério infalível da fé, manifestando um espírito desejoso, já que escolhemos a vida e cremos em Deus por intermédio da sua voz. (S, H2.4)” (citado na Teologia Sistemática, Norman Geisler, v 2, pg 78)
“Não somente o crente, mas até mesmo o descrente, é julgado mais retamente. Pois, desde que Deus soube em virtude de sua presciência que essa pessoa não acreditaria, Ele, entretanto, a fim de que ele possa receber a sua própria perfeição, deu-lhe a filosofia antes da fé.” (A Dicitionary of Early Christian Beliefs, editado por David W. Bercot, pg 284, publicado por Hendrickson, 1998)
“A soberania e o livre-arbítrio são compatíveis, pois muitas coisas na vida surgem no exercício da razão humana, tendo recebido a faísca incandescente de Deus. [...] Agora, todas estas coisas têm verdadeiramente origem e existência por causa da providência divina — contudo, não sem a cooperação humana também (5, 6.17, em ibid.).” (Citado em Teologia Sistemática Norman Geisler, V 1, pg 1024).
Orígenes ( 185 a 254 d. C.)
“Está também definido na pregação da Igreja que toda alma racional possui vontade e livre-arbítrio, e que há também para ela uma luta a ser travada contra o demônio e seus anjos e forças adversas, já que eles trabalham para onerá-la de pecados, enquanto que nós, se vivermos retamente e com conselho, devemo-nos esforçar em nos despojarmos deste jugo. Deve-se entender, por conseguinte, que ninguém de nós está submetido à necessidade, de tal modo que, ainda que não queiramos, sejamos a qualquer custo obrigados a fazer coisas boas ou más.” (De Principiis, cap 5) 

“Isto também é claramente definido no ensino da igreja de que cada alma racional é dotada de livre-arbítrio e volição.” (De Principiis, prefácio) Há, de fato, inúmeras passagens nas Escrituras que estabelecem com extrema clareza a existência da liberdade de vontade.” (De Principiis, 3.1) (citado por Geisler, em “Eleitos, mas livres, pg 173-174)”

Além disso, é interessante notar que as acusações de alguns calvinistas contra os ensino de Armínio acerca do livre-arbítrio é na verdade a utilização da falácia do espantalho. Pois os Arminianos clássicos, de acordo com os ensinos de Armínio e seus fiéis seguidores, não acreditam no poder do livre-arbítrio em seu sentido filosófico, mas sim em um ‘livre-arbítrio libertário”, ou seja o livre-arbítrio libertado pela graça (previniente que é resistível). E percebemos que esses ensinos não tem origem em Armínio, mas que a Remostrância retomou os ensinos dos pais da Igreja antes dos ensinos de Agostinho. Segue abaixo outra citação de uns dos pais no qual possuem mais semelhanças em seus escritos com as obras de Armnio e expressões como “precisa de ajuda”, ou “carece de auxílio (da graça) de Deus”, lembram os ensinos de 1.300 anos depois repetidos por Jacob Arminius.

Jerônimo ( 347-420 d. C.)
Vejamos:
“Em vão me deturpas e tentas convencer os ignorantes que eu condeno o livre-arbítrio. Que aquele que condena, seja por si mesmo condenado, pois fomos criados com o dom do livre-arbítrio [...] E verdade que a liberdade da vontade traz consigo a liberdade de decisão. Contudo o homem não age imediatamente a partir do seu livre-arbítrio, mas precisa da ajuda de Deus, que e o único que não precisa ser ajudado. (LSJ, II.VI. 1.33.10) (citado em Teologia Sistemática, Geisler, v2, pg 79)

“Quando nós estamos preocupados com a Graça e misericórdia, o livre-arbítrio é parte anulada; em parte, eu digo, porque tanto depende dele, que queremos e desejamos, e damos consentimento ao curso que escolhemos. Mas depende de Deus se temos o poder em sua força e com sua ajuda para fazer o que desejamos, e para o nosso trabalho e esforço darem resultado.” (Contra Pelagianos, Livro III) (Eleitos, mas livres, pg 76)

Agora percebemos que as acusações dos calvinistas que Armínio era pelagiano são infundadas.

Veja bem essa afirmação:

"O livre-arbítrio é incapaz de iniciar ou de aperfeiçoar qualquer verdade ou bem espiritual sem a Graça. Que não digam a meu respeito, como dizem de Pelágio, que pratico uma ilusão em relação à palavra "Graça", o que quero dizer com isso é que é a Graça de Cristo e que pertence à regeneração [...] Confesso que a mente de [animalis] um homem carnal e natural é obscura e sombria, que suas afeições são corruptas e excessivas, que sua vontade é obstinada e desobediente, e que o homem está morto em pecados." - Jácobs Arminius, In A Letter Adressed to Hippolytus A Collibus”, Works.v. 2, p. 700-1

E Armínio diz mais:
"Em seu estado pecaminoso e caído, o homem não é capaz, de e por si mesmo, quer seja pensar, querer ou fazer o que é, de fato, bom; mas é necessário que seja regenerado e renovado em seu intelecto, afeições ou vontade e em todas as suas atribuições, por Deus em Cristo através do Espírito Santo, para que seja capaz de corretamente compreender, estimar, considerar, desejar e realizar o que quer que seja verdadeiramente bom. Quando ele é feito um participante dessa regeneração ou renovação, eu considero que, uma vez que é liberado do pecado, ele é capaz de pensar, desejar e fazer o que é bom, mas mesmo assim, não sem a contínua ajuda da Graça Divina."

Portanto percebemos que alguns calvinistas não pesquisam ou usam de desonestidade intelectual em seus debates e escritos. E que a doutrina do livre-arbítrio não era de nenhuma forma heresia e muito menos invetada por Pelágio e Retomada por Armínio. O que Armínio defendia era o livre-arbítrio libertário e incompatibilista.

Obs: Esse meu artigo foi formado com base em estudos disponíveis na página Arminianismo, Arminianismo da Depressão e Armínio da Depressão. 

Fontes: http://estudos.gospelprime.com.br/a-igreja-primitiva-e-o-livre-arbitrio/
http://sumateologica.wordpress.com/download/
quarta-feira, 17 de dezembro de 2014 0 comentários

Christian Love Metal - Volume V

Eis o volume V da coletânea "Christian Love Metal" do blog Cristianismo underground.



É galera, esse é o último volume da coletânea "Christian Love Metal". E quem diria que chegaríamos ao volume V? Devido ao sucesso e aos pedidos dos apreciadores, fizemos este último volume. Com grandes clássicos e algumas baladas desconhecidas por muitos. Tenho que deixar claro que não lucro nada com isso e essa não é a minha intenção. A coletânea é apenas uma playlist escolhida por mim e na qual também aceitei  sugestões de alguns apreciadores da coletânea.  Nesse volume V, coloquei alguns artistas consagrados como: Stryper, Larry Norman, Michael Sweet, John Elefante, Bloodgood, entre outros ...  Espero que curtam.  Deus abençoe a todos.

Tracklist:



Download: 4shared - volume 5

Curtam a página Christian Love Metal: https://www.facebook.com/pages/Christian-Love-Metal/
Curtam nossa página: https://www.facebook.com/Cristianismounderground
segunda-feira, 15 de dezembro de 2014 0 comentários

Stryper: Michael Sweet a turnê no Brasil+ Argentina e novos planos em 2015


Foi divulgado na página oficial do Michael Sweet os agradecimentos pela turnê sula-Americana e novos projetos pra 2015: Novo álbum do Stryper+ Novo álbum solo+ Turnê no seu novo projeto "Sweet & Lynch".
Segue um trecho retirado da sua página.
A turnê sul-americana está feita! Foi um exaustivo 2 semanas, mas um dos melhores também. Infelizmente eu fiquei doente há uma semana e estava lutando tentando cantar com algum tipo de bug / vírus. É sempre um pouco difícil quando você tem que sair e executar quando você não tem o controle de 100% em relação a sua voz. Ha! Eu acho que quando eu penso sobre isso, eu nunca realmente tem 100% de controle de qualquer maneira.

Obrigado Brasil e Argentina por uma visita memorável e nós estamos ansiosos para a próxima vez, mais cedo do que mais tarde !!! Nós amamos todos vocês!
Então, o que 2015 trará?
Um novo álbum Stryper, uma turnê solo, alguns Sweet & Lynch data, produzindo um álbum Gabbie Rae e gravar um novo álbum solo - ufa!

Do meu coração - eu sou muito sincero como eu escreva isso aqui no Rio - Agradeço a Deus todos os dias por todos vocês. Pela suas constantes orações, apoio e crença em mim e no que eu faço. Eu sou um homem muito abençoado e se tudo fosse terminar agora, eu diria que eu tive a chance de fazer exatamente o que eu sempre quis fazer - inspirar as pessoas e dar-lhes algo mais do que apenas música. Mais importante, uma mensagem do amor de Deus e graça de mudança de vida. Se Deus quiser, muito mais por vir ainda tem sido uma vida de realizações
Fontes:
https://www.facebook.com/TheMichaelSweet/posts/426849264134211

Curtam nossa página:
https://www.facebook.com/Cristianismounderground?fref=ts
segunda-feira, 8 de dezembro de 2014 0 comentários

Brian Head: Falando sobre o Espirito Santo

Welch, que deixou o Korn em 2005, após se converter ao cristianismo e largar as drogas, foi perguntando como ele sabe que ele tem o "Holy Ghost". Ele respondeu: "Bem, eu te falo, para uma pessoa que largou as drogas por muitos anos e tem a alma cheia do Espírito Santo, é a melhor coisa possível. É o puro amor de Deus e você realmente pode sentir esse amor. E vai ficando mais forte através dos últimos dez anos. Não sei... Você fica totalmente satisfeito na vida e não quer mais nada. E meu coração está em paz. Eu não teria acreditado se eu não experimentasse. Estou totalmente satisfeito. Não há nada como isso.
Perguntando se o Espirito Santo já nasce em nós ou temos que pedir para recebê-lo, Welch disse:"Esse é um tipo de debate teólogico, talvez, mas eu acredito que Deus dá fôlego para todas as pessoas, mas nós temos que pedir para receber o Espírito Santo, somente para nos dar a revelação de como Deus sustenta a vida e nos dá a vida. Falam sobre sentir o Espírito Santo, e isso acontece quando você começa a pedir por ele e tudo mais. Não é sobre religião, é sobre relacionamentos. É o espírito de Jesus vindo até você e vivendo com você. E isso é tão lindo, cara."
Welch recentemente falou com a Variety sobre seu envolvimento com o filme "Holy Ghost", um documentário baseado na fé que tem como objetivo provar que o Espírito Santo é real. Welch, explicou: "'Holy Ghost' é sobre pessoas que convidam Deus a entrar em seus corações e vidas e sair pelo mundo, não dizendo para as pessoas 'se prepararem para o inferno', mas sim apresentando o real Cristo.""
Welch continuou: "É como se tivessem me mostrado como obter um bilhão de dólares e como se eu pudesse compartilhar o dinheiro com todos os outros. Celebridades são consideradas referências e temos que usar isso para alguma coisa, porque nós todos vamos prestar contas um dia, por isso é importante usar o que temos com sabedoria. "

Fonte: Korn: "O espírito de Jesus vindo até você. Isso é tão lindo cara" http://whiplash.net/materias/news_808/215078-korn.html#ixzz3LLQu3doB
segunda-feira, 1 de dezembro de 2014 1 comentários

Conheça a Bíblia do Metal

A Bíblia Metal é uma edição especial da Bíblia para todos nós que curte o "Heavy Metal". Essa edição contém o Novo Testamento, bem como uma parte onde os metalheads que compartilham suas histórias de vida e falam sobre o que Deus e  o que a Bíblia significa para eles. A Bíblia Metal é uma edição especial da Bíblia que mostra que ela funciona muito bem para amar a Deus e ao Metal.

Alguns Headbangers Cristãos que participam desse projeto:
Nicko McBrain (Iron Maiden), Tommy Aldridge (Whitesnake), Dave Ellefson (Megadeth), Peter Baltes (Accept), Brian Welsh (ex-Korn), Rob Rock, Michael Sweet (Stryper) , Ken Tamplin, Metal Pastor Bob Beeman (Sanctuary International), Shadows of Paragon, Luke Renno (Crimson Thorn), Simon "Pilgrim" Rosén (Crimson Moonlight), Christian Liljegren (Narnia, Golden Resurrection), Matt Smith (Theocracy), Ulf Christiansson (Jerusalem), Michael Hero (Sons of Thunder, Hero), Slav Simanic, Richard Lynch (Saint), Steve Rowe (Mortification), Ted Kirkpatrick (Tourniquet), Herbie Langhans & Mike Pflüger (Seventh Avenue) Scott Waters (Ultimatum), Gabriela Sepúlveda (Boanerges), Rod Rivera & Johnny Bomma (Rivera/Bomma), entre outros.
Traduções:
 Sueco, Inglês, Espanhol, alemão, polonês, dinamarquês e holandês. No momento, estamos trabalhando duro com a versão em português, russo, italiano, eslovaco, finlandês e norueguês.

Fontes:
http://www.themetalbible.com/enginfo.html
terça-feira, 18 de novembro de 2014 0 comentários

Headbangers Seculares que abraçaram a Fé Cristã.

1. Dave Mustaine

O primeiro da lista não podia ser nada mais ou nada menos que Dave Mustaine (Megadeth) que após anos se envolvendo com drogas (o que levou a sua expulsão do Metallica) e se metendo em confusões, decidiu se converter à fé cristã e chegou até mesmo a ser batizado novamente no ano de 2004, o que o fez até parar de tocar algumas músicas do Megadeth com letras mais "sombrias" como "The Conjuring". Em sua própria autobiografia ele relata a sua jornada espiritual e alega que teve momentos difíceis por assumir ser cristão. Uma última curiosidade: em maio de 2005, Mustaine cancelou dois show na Grécia e um em Israel, pois se negou a subir ao palco com bandas de Black Metal, que utilizavam muitas referências Anti-Cristo em suas letras.



2. David Ellefson

Outro membro do Megadeth que assume a sua fé cristã é o baixista David Ellefson. Atualmente ele é pastor Luterano. “Eu percebi que minha fé no cristianismo é honesta e verdadeira, e não apenas para diversão e distração. Ser um cristão e um roqueiro não são duas coisas totalmente opostas. Algumas pessoas saem de uma para crer em outra, mas para mim, as duas trabalham muito bem juntas. Quando você quer começar a ser honesto e crer em si mesmo, você perseguirá as virtudes que o Senhor colocou em você”, afirma Ellefson em uma entrevista.

3. Marty Friedman

Não é à toa que muitos dizem que o Megadeth se tornou uma banda cristã. Outro que também se considera cristão é o ex-guitarrista Marty Friedman que esteve presente no Megadeth no ano de 1990. Ele tocou por um bom tempo com a banda Cristã Tourniquet na gravação do "Where Moth and Rust Destroy", tido como o melhor álbum deles. Sua saída do Megadeth foi devido a sua própria decisão de rumo de carreira.

4. Ozzy Osbourne

Mesmo considerado como o "Princípe das Trevas", Ozzy Osbourne considera-se católico apesar de ter um Buda completamente de ouro em sua casa, que deu de presente para sua mulher Sharon, que se considera budista. Também não se pode esquecer de algumas de suas atitudes de um "bom cristão", como por exemplo dando seu colar com crucifixo, no valor de nada menos que 3.000 libras (em torno de 8.000 reais) a um pedinte, e o pedindo para que rezasse por um futuro melhor. Para quem costuma ser chamado de ‘príncipe das trevas’, esta foi uma atitude bastante cristã.

5. Nicko McBrain

O baterista da mais famosa banda de Heavy Metal, Iron Maiden, converteu-se em 1999 na companhia da sua esposa cristã Rebecca, na igreja de Spanish River perto da sua casa em Boca Raton (Flórida). Segundo relatos do próprio, a sua esposa orava por ele há bastante tempo e ao entrarem os dois na igreja, Nicko teria chorado e ouvido um chamamento. Em depoimentos posteriores, disse: "Sentei-me a pensar, 'não bebi nada ontem, porque não consigo manter-me de pé?'" e "'Eu tinha uma fervente relação com Jesus a acontecer no meu coração".

6. Alice Cooper

Conhecido pela sua performance de palco e seus cenários e visuais macabros, Alice Cooper se considera cristão, e afirma: "Eu sou um cristão normal". “Leio a Bíblia de manhã e à noite. E dou aulas de cristianismo, às vezes”, diz Cooper. Em 2007, Alice Cooper abriu um centro cristão para jovens na cidade de Phoenix, viabilizando o projeto com cerca de US$ 2 milhões.

7. Dan Spitz

O ex-guitarrista da lendária banda norte-americana Anthrax é outro do gênero que se converteu após a sua saída do grupo, mas por que a sua saída? Porque um dos membros fundadores que criaram um gênero musical inteiro parte para o isolamento levando suas habilidades de compôr com ele; doando 53 guitarras e deixando a si mesmo sem nada. Descubra a resposta no que Dan nos contou no Cornerstone: "Isso não foi simplesmente um caminho viável para viver depois da mudança de 5 mil anos da pura e antiga linhagem sanguínea judaica ortodoxa para se tornar um cristão como aconteceu na minha vida. Eu ainda tentei voltar atrás algumas poucas vezes. Eu me encontrei em completa desilusão e caí profundamente do abismo do inferno. Se compor música, na próxima vez, for usar meus talentos dados e abençoados por Deus, certamente isso não seria para a glória do lado errado. Esteja pronto para um novo som, para um novo propósito, e para todas as tropas estabelecidas nas trincheiras da guerra para abraçar um nova missão.

8. Brian Head

O fundador e ex-guitarrista da banda Korn anunciou numa rádio dos Estados Unidos sua saída do grupo após converter-se ao Cristianismo, notícia confirmada pela banda logo após. Após perder a sua esposa devido às drogas, Brian decidiu dedicar-se mais a sua filha e à religião, mas segue em carreira solo. "It's Time Too See Religion Die" é o nome do álbum solo do músico.

9. Reginald Arvizu Fieldy

Outro membro do Korn que se converteu ao cristianismo foi o baixista Reginald Arvizu "Fieldy", que era conhecido pela sua paixão pelo álcool, mas se converteu aproximandamente há 3 anos, e afirma que estar muito feliz pois lembra de tudo que aconteceu do início desse período para cá.

10. Michael Kiske

Em 1994, ano de sua saída do Helloween, correu um boato que o ex-vocalista Michael Kiske tinha se convertido ao cristianismo. E ele se "mostrou" cristão após publicar um nota em sua página do Myspace na qual mostrava o seu repúdio ao Satanismo. “De tempos em tempos recebo pedidos para serem meus ''amigos'' de pessoas com perfis muito estranhos. E antes de eu ou Jutta (responsável pelo site) decidirmos a quem aceitar ou negar, nós os checamos primeiro, e se encontrarmos neles qualquer forma de brutalidade, satanismo, porcarias glorificando o mal, pornografia ou algo do gênero, eles simplesmente não podem ser meus amigos. Isso está muito longe de quem eu sou e do que eu quero me conectar. Alguns músicos e bandas aceitam todo mundo – quanto mais, melhor – mas para mim é muito mais importante quem será membro de uma coisa chamada 'Amigos do Kiske' e não quantos serão. Todo mundo que sabe quem eu sou e como eu penso entenderão isso perfeitamente”.

“Eu sei que algumas dessas pessoas simplesmente não sabem o que estão fazendo e com o que estão lidando, e para alguns isso é só 'coisa de criança'. E outras pessoas ainda não conseguem entender porque eu levo essas coisas a sério; bem, porque elas são! Mas eu também sei muito bem, que o materialismo não respeita mais nenhuma moral. Mas eu não sou materialista; sou um Cristão (de nenhuma igreja), e não quero NENHUM site oficial meu como plataforma para essa doença que é o Satanismo! Eu definitivamente não sou amigo de pessoas que servem o Anticristo. Não estamos do mesmo lado! - JESUS CRISTO para sempre”!

11.  Roy Khan
Mais um famoso Headbanger que se converteu a Cristo e abraçou o Cristianismo.

Roy Khan (Ex- vocalista do KAMELOT), realmente decidiu mudar seu caminho e partir para o outro lado. Roy verdadeiramente se tornou um homem temente a Deus, recentemente Roy havia postado uma foto dele, no facebook, cantando em uma igreja Luterana na Noruega.
__________________X______________________________________________________
Agora, a comunidade luterana da Noruega, da qual Roy Khan provavelmente faz parte, disponibilizou o áudio do vocalista cantando "You Raise Me Up" (SECRET GARDEN, 2002), um clássico da música gospel.

Fonte: Kamelot: ex-vocalista Roy Khan canta "You Raise Me Up" http://whiplash.net/materias/news_812/208307-kamelot.html…

Fontes:

Fonte: Metal: nomes do gênero que assumiram ser cristãos http://whiplash.net/materias/curiosidades/134693.html#ixzz3JR4fTK1g


quinta-feira, 2 de outubro de 2014 0 comentários

Liberty Extreme: Resenha do dia 27/09/2014





Uma ‘’chuva’’ de muito heavy metal para os fãs de metal cristão em Santa Rita – PB.  Foi o que vimos no LIBERTY EXTREME, na noite de 27 de Setembro de 2014.  Na Praça do Santo, no bairro de Tibirí II. Numa noite em que celebramos a resistência e luta pelo underground em meio a tantas adversidades, o que se viu foi à união de sons dos mais ‘’retrô’’ até a nova geração trazendo muita qualidade e ‘’barulheira’’ pra nenhum headbanger colocar defeito.
     Apesar dos fatores técnicos e climáticos terem ocasionado um atraso no início do evento, mesmo assim os organizadores tocaram o barco pra frente, já começando com a banda GÊNESIS XV. Trazendo um repertório recheado de cover´s como: MAIS ALTO, ONDE ESTÁ? e DE OLHOS FECHADOS . Ambas do Oficina G3 e sons mais novos como: A BATALHA de PG. Mostrando um Metal Progressivo com pegadas empolgantes que esquentaram o cérebro de todos os presentes.  
     E pouco depois chegava a 7 SELOS, trazendo um som mesclado entre pós hc e alternativo com samplers e sintetizadores contagiantes. Também tocando covers como a clássica: JERUSALEM do METAL NOBRE e musicas autorais que arrancaram aplausos da galera pela originalidade e identidade musical que a banda vem construindo ao longo do tempo. Que será conferido na íntegra no primeiro cd do quinteto, sendo lançado em breve.
    A grande SURPRESA da noite, ZADOQUE, veio logo em seguida, com um set list bastante empolgante, abrindo sua apresentação com: GETSEMANI e depois tocando a pedrada: ETERNO DEUS, ambas da grande banda YAHWEH. Com destaque para evolução e desempenho tanto da banda quanto da vocalista JOYCE ROZENDO, que segurou a onda dos agudos e falsetes sem fazer ‘’cara feia’’. O auge da apresentação veio com o hit: A TERRA da extinta banda de Campina Grande – PB: ADIASTASIA. Fazendo os campinenses presentes no evento quase perderem a cabeça e a voz de tanto bangear e cantar. Ainda teve tempo para a clássica: ROCK THE EARTH da grande voz do Melodic Metal : ROB ROCK, resultando em botinadas e numa tremenda roda de pogo. E para fechar, a trupe pessoense liderada por Joyce e ‘’Scream’’ João Martins tocaram as músicas mais pedidas em seus shows que perpassa todas as fases que a banda teve até chegar ao seu estilo atual. LABBU REATUM + DORMITAR da banda AGGELOS fecham com chave de ouro. Resultando em vários aplausos e elogios a toda a banda.
   A quarta banda vem da cidade de Campina Grande – PB. REFÚGIO. Com a participação mais que especial do Baixista: Caio Camelo (da hibernada e também campinense Saltério) substituindo o titular: Weber. A banda liderada por Victor Hugo fez um show pautado no mais puro e bom Heavy Metal com letras em português. Comemorando os 10 anos da banda, trouxeram o que eles têm de melhor. “Com destaque para as clássicas “VALE DE OSSOS SECOS”, “ A MARCA DA DOR” e ‘’ LIVING SACRIFICE’’.  Percebemos que a voz de Victor continua animal, bem como o instrumental da banda, que botou pra quebrar na inesquecível e sempre presente balada: ‘’ PRISÃO’’ . Todas cantadas na íntegra pelos bangers campinenses que cresceram ouvindo estas músicas e sempre estiveram presentes nos eventos da Refúgio, como de outras bandas da nossa terra.
    Pra fechar a noite vieram os pernambucanos da tão esperada ANGELS FIRE, com seu Symphonic Metal e um repertório bastante eletrizante, trazendo desde as indispensáveis como: "ANJO DE LUZ", "GUARDIÃO", "SACRIFÍCIO" e "NOVO REINO", até a sua mais nova música "MEU DESEJO", das quais muitas irão compor o CD que está para sair possivelmente ainda este ano.
     A noite de 27 de setembro de 2014 foi também de quebra de barreiras e de preconceitos. Exemplificados no cover que os guerreiros pernambucanos fizeram de uma de suas maiores influencias: NIGTHWISH. Mostrando que independente de ideologia e posicionamentos acerca da fé e convicções espirituais. Somos militantes do mesmo ideal e guardiões da mesma cultura. Por isso, devemos ter respeito por todos os estilos e bandas. Independente de suas posturas ideológicas.
    Sem sombra de dúvidas o Liberty Extreme ficará marcado na memória de todos que estiveram presentes, tanto na sexta (26) quanto no sábado (27). Que Deus abençoe a todos envolvidos neste projeto e que venham muitos e muitos no mesmo nível e melhores como este. HAIL BANGERS!!!

Por: Hugo Rennan Cavalcanti Vasconcelos.
quinta-feira, 28 de agosto de 2014 0 comentários

Templo de Salomão: Vocalistas do metal cristão criticam o novo templo da IURD


Obs: Não sei se a matéria é verídica, mas cito a fonte do qual tirei a informação. 

Segundo cita o site Holy Metal 777, alguns vocalistas do metal cristão comentaram sobre a reconstrução do templo de salomão construindo no Brasil. Segue abaixo a opinião dos vocalistas das bandas: Bloodgood, Bride e X-sinner:

Les Carlsen vocalista do BloodGood – Ao ser questionado o que ele pensava a respeito do Templo de Salomão no Brasil, ele respondeu: “Eu acho que nós queremos que Jesus volte!”
 

Dale Thompson vocalista do Bride – Por sua vez preferiu não opinar falando que ele não tem opinião sobre isso.

Rex D Scott vocalista do X-Sinner – Falou sua opinião na integra sem receio:
“Pra começar, a mega construção de 300 milhões de dólares está tão longe dos ensinamentos de Jesus que eu não considero isso com base no cristianismo, uma versão moderna começou originalmente e que se tornou popular por nós tele-evangelistas. É lamentável esse tipo de teologia da prosperidade ensinar em nome de Cristo, continua a se espalhar por todo o planeta como uma praga hedionda da fé.” 


Fontes:holymetal777


quarta-feira, 27 de agosto de 2014 0 comentários

Oficina G3: Alexandre Aposan revela o motivo de sua saída da banda



O baterista Alexandre Aposan voltou a falar sobre sua saída do Oficina G3 e revelou detalhes da situação que o fez optar por deixar a banda após oito anos, sendo três como membro oficial. 
Numa entrevista concedida ao portal Guia-me, Aposan disse que para fazer projetos paralelos e/ou participações especiais em shows/CDs de outros artistas, teria que cumprir algumas formalidades ou pagar uma multa milionária exigida nos contratos do Oficina G3.

A banda atualmente estuda a renovação de contrato com a MK Music ou a ida para outra gravadora, segundo o baterista.

“Eu não estou falando mal da MK. A Alomara, a Yvelise, Cristina, Marina de Olivera são minhas amigas e eu não vou falar mal delas. Vou falar a verdade. Com o término do contrato com a MK, tem alguns contratos que o Oficina G3 ainda está analisando – não é somente [a renovação] da MK. E todos estes contratos vão contra àquilo que eu acredito. Por exemplo, eu gravei um DVD que se chama ‘Entre Irmãos’ e nele tem uma boa parte da galera com quem eu já trabalhei e seu eu continuasse na banda, se eu assinasse qualquer um desses contratos, eu não poderia gravar o ‘Entre Irmãos 2′, um outro ‘Ao Som dos Tambores’ ou um outro do DVD do For Action, como eu gravei agora. Eu ia ter que viver só com o Oficina G3. Se eu subisse em algum palco com qualquer outro artista – instrumental ou não – e esse artista não falasse: ‘Eu estou aqui no palco com o Alexandre Aposan, da gravadora X e da banda Oficina G3′, eu ia ter que pagar uma multa de 2 milhões e 100 mil reais”, desabafou o baterista, explicando o porquê de sua saída.

Aposan disse ainda que se seu interesse fosse puramente financeiro estaria tocando para artistas do meio secular: “Eu vou deixar de pegar um talento que Deus colocou na minha mão para abençoar várias vidas e ficar preso em um contrato? Se for para assinar um contrato, eu volto para o meio secular. Eu volto a tocar com Anitta e Naldo, se for por dinheiro. Só que o talento que Deus me deu é para levar a Palavra através dos tambores e é que eu vou fazer pelo resto da minha vida. Muitos iam fazer o que? Pensar: ‘Eu não vou sair. O Oficina G3 é a maior banda de rock do Brasil’. Eles realmente são. Mas eu não estou atrás de holofote, nem nada disso. Quero fazer a obra de Deus”, disse.


Fontes: http://www.holymetal777.com/2014/08/oficina-g3-ex-baterista-revela-detalhes.html
sexta-feira, 22 de agosto de 2014 0 comentários

A Soberania de Deus - A.W Tozer

A Soberania de Deus – A.W. Tozer

Quem há que não tema a Ti, Senhor Deus dos Exércitos, altíssimo e terrível? Só Tu és Senhor, Tu criaste o céu dos céus, a terra e tudo que nela habita, e a alma de todo ser vivente está nas Tuas mãos. Tu és Rei sobre os mares; és Rei para sempre; grande Rei sobre toda a terra. Estás vestido de força; a honra e a majestade estão perante Ti. Amém.
A soberania de Deus é o atributo pelo qual Ele domina sobre toda a criação. Para ser soberano, Deus tem de ser onisciente, onipotente e absolutamente livre. As razões para isso são as seguintes:
Se houvesse uma parcela de conhecimento, por menor que fosse, desconhecida de Deus, Seu domínio iria falhar nesse ponto. Para ser Senhor de toda a criação, Ele tem de possuir todo o conhecimento. Se um pequeno, infinitesimal grau de poder faltasse a Deus, essa falta acabaria com o Seu reino; esse único átomo de poder extraviado pertenceria a outro, e Deus seria governante limitado, e não soberano.
Ademais, a Sua soberania exige que Ele seja totalmente livre para fazer aquilo que Lhe apraz em qualquer lugar ou qualquer tempo e desempenhar o Seu propósito eterno em cada detalhe, sem a mínima interferência. Se fosse menos que livre seria menos que soberano.
A concepção de liberdade sem limites exige um esforço vigoroso da mente. Não estamos condicionados psicologicamente para isso, e não aceitamos a liberdade exata em suas formas imperfeitas. O nosso conceito de liberdade foi formado num mundo em que não existe liberdade absoluta, e onde cada objeto natural depende de muitos outros objetos, sendo que essa dependência limita a sua liberdade.
O poeta Wordsworth, no início de seu prelúdio, regozijava-se porque escapara da cidade em que tanto tempo estivera preso e agora estava “livre, livre como um pássaro, para morar aonde eu quiser”. Mas, ser livre como um pássaro, não é ser livre. O naturalista sabe que as supostamente livres vivem numa gaiola de temor, fome e instinto; sendo limitadas pelas condições climáticas, variações na pressão atmosférica, suprimento de alimentos no local, animais predadores, e a mais estranha das algemas: a compulsão de permanecer dentro do pequeno quinhão de terra e ar que lhe foi designado pelas demais aves. A ave mais livre, como toda coisa criada, está presa a uma rede de necessidades. Só Deus é livre.
Deus é totalmente livre porque ninguém e nada poderão impedi-lO, compeli-lO ou fazê-lO parar. Ele pode sempre fazer o que Lhe agrada, em todo lugar e eternamente. Para ser assim livre, deve possuir também autoridade universal. Sabemos pelas Escrituras que Seu poder não tem limites, e também podemos deduzir isso de outros dos Seus atributos. Mas, que dizer de Sua autoridade?
Até mesmo o fato de discutir a autoridade de Deus parece-nos sem sentido e duvidar dela seria absurdo. Poderíamos imaginar o Senhor Deus dos Exércitos pedindo permissão a alguém? A quem? Quem é maior do que o Altíssimo? Quem tem mais poder do que o Todo Poderoso? Que antedata o Eterno? A que trono Deus se curvaria? A quem Ele apelaria? “Assim diz o Senhor, Rei de Israel, seu Redentor, o Senhor dos Exércitos: Eu Sou o primeiro, eu o Sou o último, e além de mim não há Deus. (Isaías 44.6).
A soberania de Deus é um fato bem firmado nas Escrituras e declarado em alta voz pela lógica da verdade. Mas confessamos que fez surgir principalmente dois problemas que até agora não foram resolvidos de modo satisfatório.
O primeiro problema é a presença na criação de coisas que Deus não aprova, como o mal, a dor e a morte. Se Deus é soberano, poderia ter evitado a sua existência. Por que Ele não o fez?
No livro “sagrado” do zoroastrismo, a mais alta das religiões não-bíblicas, o Zend-Avesta, essa dificuldade foi resolvida pela postulação dum dualismo teológico. Havia dois deuses, dizem eles, Ormazd e Ahriman, e os dois criaram o mundo. O bom Ormazd fez todas as coisas boas e as outras foram feitas pelo perverso Ahriman. Era tudo muito simples. Ormazd não tinha soberania com que se preocupar, e aparentemente não se importava por compartilhar com outro as suas prerrogativas.
Esta explicação não serve para o cristão, pois contradiz a verdade tão enfaticamente ensinada em toda a Bíblia, que Deus é um só e só Ele criou o céu e a terra e todas as coisas existentes. Os atributos de Deus são tais que é impossível a existência de um outro deus. O cristão admite que não tem a resposta final para o dilema do mal permitido. Mas sabe o que essa resposta não é. E sabe que o Zend-Avesta também não a possui.
Embora não tenhamos uma explicação completa quanto à origem do pecado, há algumas coisa que porém sabemos. Na Sua sabedoria soberana, Deus permitiu a existência do mal em áreas restritas da Sua criação, uma espécie de malfeitor fugitivo cujas atividades são temporárias e de propósito limitado. Ao permitir isso, Deus o fez conforme a Sua infinita sabedoria e bondade. Ninguém sabe mais do que isso até o presente, e não precisamos saber mais. O nome de Deus é garantia suficiente quanto à perfeição de Suas obras.
Outro verdadeiro problema criado pela doutrina da soberania está ligado com a vontade do homem. Se Deus rege o Seu universo soberanamente, como pode o homem exercer o seu livre-arbítrio? E se não há liberdade de escolha, como pode ser responsável pela sua conduta? Não será ele apenas um boneco cujas ações são determinadas por um Deus, atrás do palco, que puxa as cordas conforme quer?
A tentativa de responder a estas questões dividiu a Igreja em dois campos que respondem pelo nome de dois distintos teólogos, Jacobus Arminius e João Calvino. A maioria dos teólogos se contenta em entrar num ou outro campo; e, ou negam a soberania de Deus, ou negam o livre-arbítrio do homem. No entanto é possível reconciliar essas duas posições sem violentarmos uma ou outra, embora o esforço seguinte possa parecer deficiente aos partidários de um ou de outro campo.
O meu ponto de vista é o seguinte: Deus soberanamente decretou liberdade ao homem para exercer escolha moral, e desde o princípio ele tem cumprido esse decreto escolhendo entre o bem e o mal. Quando escolhe o mal, não anula a vontade soberana de Deus mas a cumpre, pois Deus não determinou qual seria a escolha do homem, e sim que ele teria liberdade de escolha. Se, na Sua liberdade absoluta, Deus por Sua vontade quis dar ao homem liberdade limitada, quem pode impedi-lO ou dizer: “O que fazer?” A vontade do homem é livre porque Deus é soberano. Um Deus menos que soberano não poderia outorgar às Suas criaturas a liberdade moral. Teria medo de fazê-lo.
Uma ilustração bem simples pode nos ajudar a entender. Um navio transatlântico sai de Nova Iorque em direção a Liverpool. O seu destino foi determinado pelas autoridades competentes. Nada pode mudá-lo. Este é pelo menos um retrato fraco da soberania.
No navio há muitos passageiros. Não estão acorrentados, nem suas atividades estão determinadas por decreto. São livres para se mover como quiserem. Comem, dormem, jogam, descansam, lêem, fazem o que lhes apraz, mas todo o tempo o grande transatlântico segue com eles para um porto predeterminado.
Aqui estão presentes a liberdade e a soberania, e elas não se contradizem. O mesmo acontece, segundo creio, com a liberdade do homem e a soberania de Deus. O poderoso navio do desígnio soberano de Deus mantém o seu curso firme através do mar da história. Deus Se move, imperturbável e sem obstáculos em direção ao cumprimento dos seus propósitos eternos feitos em Cristo Jesus antes da fundação do mundo. Não sabemos tudo que estes propósitos incluem, mas o suficiente tem sido revelado para que tenhamos uma idéia geral das coisas que virão, dando-nos esperança e a firme segurança do bem-estar futuro.
Sabemos que Deus cumprirá cada promessa feita aos profetas; sabemos que os pecadores serão um dia eliminados da terra; sabemos que os remidos entrarão no gozo do Senhor e que os justos resplandecerão no reino de Seu Pai; sabemos que a perfeição de Deus ainda virá a ser aclamada universalmente, que toda a inteligência de Deus Pai, e que a presente ordem imperfeita desaparecerá, e um novo céu e uma nova terra serão estabelecidos eternamente.
Deus está se movendo nessa direção com sabedoria infinita e perfeita precisão em Seus atos. Ninguém poderá dissuadi-lO dos Seus propósitos; nada O desviará do Seu plano. Pelo fato de ser onisciente, não haverá imprevistos, nada de acidentes. Porque Ele é soberano, não haverá contradição de ordens, nem quebra de autoridade; e por ser Ele onipotente, não faltará poder algum para atingir os fins propostos. Deus é suficiente para todas essas coisas por Si mesmo.
As coisas não são porém tão fáceis como este breve esboço pode sugerir. O mistério da iniquidade já opera. No vasto campo da vontade soberana e permissiva de Deus, o tremendo conflito entre o bem e o mal continua em fúria crescente. Deus fará finalmente a Sua vontade no vendaval e na tempestade, mas tempestade e vendaval estão aqui, e como seres responsáveis, temos de fazer a nossa escolha moral na situação presente.
Certas coisas foram decretadas pelo livre-arbítrio de Deus, e uma delas é a lei da escolha e suas consequencias. Deus declarou que todo aquele que voluntariamente se entrega a seu Filho Jesus Cristo na obediência da fé, receberá a vida eterna e s e tornará filho de Deus. Decretou também que aqueles que amam as trevas e continuam em sua rebeldia contra a suprema autoridade do céu, permanecerão em estado de alienação espiritual e sofrerão afinal a morte eterna.
Se reduzirmos tudo a termos individuais, chegamos a algumas conclusões de vital importância e altamente pessoais. No violento conflito moral que agora se processa, atingindo a todos, quem estiver do lado de Deus está do lado vencedor e não poderá perder; quem estiver do outro lado está do lado perdedor e não poderá vencer. Não há chance nem acaso. Há liberdade de escolha quanto ao lado que lutaremos, mas não poderemos modificar os resultados da escolha, uma vez feita. Pela misericórdia de Deus podemos nos arrepender duma escolha errada e alterar as suas consequencias, fazendo nova e acertada escolha. Além disso nós não podemos ir.
Toda a questão de escolha moral se concentra em Jesus Cristo. Ele definiu claramente: “Quem não é por mim é contra mim”, e “Ninguém vem ao Pai senão por Mim”. A mensagem do evangelho abrange três elementos distintos: um anuncio, um mandamento e um chamamento. Ela anuncia as boas novas da redenção cumprida mediante a misericórdia, ela ordena aos homens que se arrependam e os chama para se renderem aos termos de graça, crendo em Jesus Cristo como Senhor e Salvador.
Temos todos de decidir se obedeceremos ao evangelho ou nos afastaremos dele, incrédulos, rejeitando a sua autoridade. A escolha é nossa, mas as consequencias já foram determinadas pela vontade soberana de Deus, e dela não poderemos apelar.
O Senhor desceu dos céus,
E os deixou bem lá no alto,
Sob os Seus pés lançou
As trevas do firmamento.
Sobre querubins e serafins,
Com toda majestade Se apresentou
E nas asas de bentos poderosos,
Veio carregado de longe,
Ele sentou-Se sereno sobre as águas,
Restringindo a sua fúria;
E como soberano Senhor e Rei,
Para sempre reinará.
Paráfrase do Salmo,
por THOMAS STERNHOLD
Retirado do Livro “Mais perto de Deus” Tozer, A.W. Editora Mundo Cristão. Um livro sobre os atributos de Deus.
Fontes: http://arminianos.wordpress.com/2011/06/12/a-soberania-de-deus-%E2%80%93-a-w-tozer/
sábado, 16 de agosto de 2014 0 comentários

Rob Rock: Um pouco da sua História


Rob Rock é considerado uns dos melhores vocalistas do Heavy Metal Mundial, sendo chamado de 'The Voice of Melodic Metal "A Voz do Metal Melódico", tanto no metal secular quanto no cristão.

Aqui abaixo vai um pouco da sua história:

Rob Rock nasceu em um lar Cristão e ia pra igreja toda semana e nas quartas para o estudo bíblico, mas em sua adolescência tinha o sonho de ser um "Rockstar", então esquecendo do Senhor, foi atrás do seu sonho e nos anos 80's, Depois de fazer vários shows de forma underground na região em que vivia, após um tempo ele foi chamado para uma banda que estava se formando em Los Angeles com membros da banda de Ozzy Osbourne:
Rudy Sarzo no baixo, Tommy Aldrige na bateria e na guitarra Tony MacAlpine.  Rob Rock aceitou o desafio, largou tudo  e foi atrás do seu sonho. Chegando  a gravar com essa banda  e partir pra turnê mundial excursionando com o Whitesnake em 1987.

Mas aconteceu o que ele não esperava, quando o Dave Coverdale do whitesnake precisou de uma banda. Ele disse: "Rudy e Tommy, tenho uma oferta irrecusável, venham comigo e foi o que aconteceu. Eles deixaram a banda pra se juntarem ao Whitesnake.

Depois de ficar, desorientado, sem banda, sem conhecer ninguém, O Rob Rock lembrou de suas origens, lembrou do senhor e levou  uns puxões de orelhas rs e decidiu que: o que ele escreveria  e o que cantaria seria  feito para o Senhor.

Depois de um tempo, o Rob Rock fez o teste para ser vocalista do Joshua e foi aceito, chegando a gravar um álbum e formar grandes amizades cristãs. Infelizmente a banda acabou, mas depois de um tempo ele recebeu uma ligação do Impellitteri com qual já tinha tocado em seu início de carreira. O Chris disse: eu vou tocar assim e você pode cantar o que quiser, pois o impellitteri não era uma banda cristã, dai o Rob Rock decidiu e disse: vou usar isso para o senhor.  Vou tentar alcançar garotos que nunca tiveram uma chance, ou a quem nunca seria exposto nada cristão, se eles não  ouviram ainda esse tipo de heavy metal.

 Então o Rob Rock começou a escrever letras com significados bíblicos com referências ao Apocalipse, ao fim do mundo, o que combina com o heavy metal. Chegando a gravar vários álbuns com o Impellitteri, mas nos anos 2000, recebeu a proposta de gravar um álbum solo e assim começou sua carreira solo, gravando pela JVC do Japão. Chegando a se apresentar pelo mundo todo: Europa, Japão, grande festivais nos EUA e América do Sul. 

Uma frase marcante que o Rob Rock disse foi : "Quando você mantém o seu foco na Bíblia, todas as manhãs, todos os dias E se está em um contato próximo com o Senhor, Ele vai te mostrar o caminho certo."
Assistam o testemunho "legendado" do Rock Rock.
https://www.youtube.com/watch?v=0cNa0RaCLpU

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Agape: Pioneiros do Hard Rock Cristão -1971


'Agape" [Hard Rock/Psycodelic Rock] -1971 -EUA
Os pioneiros do Hard Rock Cristão 

Agape: Pioneiros do Hard Rock Cristão e umas das pioneiras do Jesus Peopple Moviment. 

Uma das primeiras bandas de hard rock da música Cristã formada em torno do talento de "Fred Caban" durante os estágios iniciais do que ficou conhecido como o "Jesus People Moviment". 

Nascido e criado na Califórnia, a cena musical da contracultura ofereceu uma visão intimista rock 'n' roll e estilo de vida estilos de tais fenômenos guitarra como Jimi Hendrix, após os quais o embrião músico estampados seu estilo.

Ao se formar a partir de um Azusa ensino médio, na primavera de 1968, ele e seus companheiros de banda espremidos em uma pequena van Volkswagen em busca de locais para realizar. Uma noite, enquanto eles parou em uma praia de Huntington chamou a Lightclub, eles se reuniram e foram ajudados por um grupo de adolescentes entusiastas quem Caban descritos como sendo "totalmente imerso com a mensagem de Cristo."

O café Lightclub por esta altura tinha sido tomado por David Berg e da família, o ponto gênese do que viria a se tornarem filhos de Deus. Depois de aceitar uma pequena Evangelho de João, a banda passou a encontrar abrigo para a noite. Como foi o testemunho de muitos outros transientes, o contato com hippies "cristianizados" intensificou busca pessoal de Caban para a verdade. Apesar de não compreender totalmente a mensagem "de Lightclubber", ele começou a orar por uma introdução para "quem estava lá fora."

Quando Caban voltou para a van, ele compartilhou sua experiência e descobriu que companheiro colega Jeff Newman também tinha sofrido uma conversão espiritual. Os dois incipientes cristãos voltou para o café, onde ambos foram batizados. No dia seguinte, o grupo voltou a Azusa.

Poucos meses depois de sua conversão, Caban formou outra banda nomeando de Ágape, a palavra grega para amor de Deus. Tendo anteriormente se estabelecido como um guitarrista de algum mérito na área de Azusa, a formação de três membros, que inclui Mike Jungkman na bateria e Ms. Lonnie Campbell no baixo, capitalizou o seu nome para reunir multidões iniciais. Durante os dias imediatamente a seguir cada uma das respectivas conversões, a visão de Agape tornou evangelística - desejando compartilhar suas experiências com seus pares.
Onde antes os seus objectivos era de ganhar a atenção de gravadoras locais, Agape funcionou como um dos primeiros missionários musical, umas das primeiras bandas do Jesus Peopple Moviment. De seu protocolo de palco e fervor evangelístico Caban declarou, "Nós jogaria uma ou duas músicas - que gostaríamos jam,. nós levá-los longe - e, em seguida, crescer, nós começar a pregar ..... e as pessoas realmente ficar por aqui e ouvir. 

Dentro de seis meses, um grupo de 50 jovens convertidos tinham aderido ao trio como um amálgama solto de adolescentes em busca espiritual que se reuniram para estudos bíblicos e sessões de estratégia para promover os shows da banda. Caban lembrou que foi um encontro totalmente espontânea de amigos; "Isso nunca ocorreu-nos a entrar numa igreja. Não havia nenhuma estrutura, mas nós não sabemos disso. Nós só estávamos gostando do que estava acontecendo e levando um dia de cada vez." Durante as fases de constituição da sua fase inicial de recrutamento os membros da banda funcionava como a liderança não-oficial.

Agape desempenhou um número ou locais em toda a área da Califórnia, incluindo uma série de apresentações no de Hollywood Presbyterian Salt Company café. Suas aparições que corriam em simultâneo com a ascendência de um outro premier Jesus músico. Ambos Agape e Larry Norman floresceu como forças de música Jesus, ao mesmo tempo. Em um ponto o cantor convidou Agape em um estúdio de gravação em uma tentativa de ajudá-los com a sua própria carreira musical. Embora nada permanente veio desta reunião, Agape, eventualmente, procurou o produtor de discos local Martin Jones com o desejo de gravar um álbum. Oferecido estúdio tempo livre entre meia-noite e 6h00, Agape gravado Gospel Hard Rock [1971].



Foi durante a gravação deste primeiro lançamento que a banda conheceu Ron Turner, que estava estudando na Azusa Pacific College com as esperanças de entrar para o ministério. Educado na Igreja Presbiteriana, Turner foi orientado por Don Williams, então pastor de jovens da Primeira Igreja Presbiteriana de Hollywood. Durante seus estudos, Turner era um pastor de jovens da Igreja da Comunidade de Arcadia, que abriu a pequena comitiva da banda para se juntar para culto de adoração e de concerto performances. Por um período de três anos, Turner levou cada vez mais responsabilidades no grupo, inicialmente falando em apresentações da banda, mas acabou se tornando a figura do pastor sobre a congregação crescente. Reunindo-se regularmente em Covina Park, o grupo estruturado livremente cresceu para mais de 500.

Como uma entidade musical, o hard rock Agape ganhou um grande número de seguidores em toda a costa oeste, partilhando o palco com outras bandas de música de Jesus, como Love Song e JC Poder Outlet, jogando o popular de Gazzari Hollywood-A-Go-Go, e convidados a partilhar o bill nos primeiros Festivais California Jesus manteve no Hollywood Palladium, em 1971. Embora alguns acreditavam que sua música era um compromisso em que é perto imitação de outras bandas 'mundanos' de rock, nenhum dos membros recuou de sua visão do que eles sentiram sua música deve projectar. Caban afirma: "Nós éramos basicamente uma banda de rock secular que se tornaram cristãos.

Quando chegamos no palco jogamos tão duro como fizemos antes. Mas onde anteriormente tinha sido egoísta e desejando fama e fortuna, agora cantou sobre a nossa fé em Jesus Cristo. Nada mudou na parte externa. Nós tinha sido transformada a partir de dentro "historiador da música Jesus Paul Baker escreveu sobre Agape que," eles tocaram Jesus rocha em que é crustiest -. A música que cortar através das defesas mais grossas dos fãs de rock não-cristãs. Para aqueles para quem a música de hard rock era a língua, Agape ... falou-clareza. "'
A banda adicionou o tecladista Jim Hess e lançou "Vítimas da Tradição", em 1972, que contou com uma abordagem mais progressiva, assim como uma capa que imaginou o grupo realizando em um cemitério.

Fontes: http://classicchristianrockzone.blogspot.com.br/2014/04/agape.html

Obs: Meu inglês não é bom, então foi traduzido via google tradutor  e acrescentado algumas coisas.

Abaixo segue alguns links para download:

Gospel Hard Rock -1971
1 Blind
2 Happy
3 Believe
4 Man
5 Trust
6 Freedom
7 Choose
8 Blood
9 Rejoice
10 Street Walker
11 Alchemy

Download: http://www.4shared.com/rar/vzfOSHvmba/A-GHR71.html
Victims Of Tradition -1972

1 Voyaging Pilgrim
2 Walking Over The Hill
3 Wouldn't It Be A Drag
4 Jazz Jam (Part 1)
5 The King Of Kings
6 The King Is Christ
7 Change Of Heart
8 You Reap What You Sow

http://www.4shared.com/rar/kOPYmjyece/A-VoT-72.html


quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

A patrística, o livre-arbítrio e Armínio.

Alguns calvinistas afirmam que a doutrina da predestinação em seus moldes calvinistas sempre foi desde o início a doutrina da igreja cristã e que os pais da igreja eram contra essa história de “livre-arbítrio” que segundo eles foram inventados por Pelágio e consequentemente foi Armínio que reavivou essa doutrina “maléfica”, que supostamente tira a Soberania de Deus. Eles apelam a autoridade de Agostinho de Hipona (IV d.C) que segundo eles foi “o pai da predestinação” e os seus ensinamentos influenciaram, Lutero e Calvino (XVI d.C) o qual com base nos ensinos de Agostinho, Calvino desenvolveu suas teses para defender a doutrina da predestinação e eleição incondicional e o determinismo. (Sabemos que alguns calvinistas defendem o livre-arbítrio em temos compatibilistas.) Mas será isso mesmo? Será que os pais da igreja antes de Agostinho, Lutero e Calvino combatiam o livre-arbítrio? Será que a doutrina do “livre-arbítrio” sempre foi uma heresia histórica combatida, conforme ditam alguns calvinistas?
Uma pequena pesquisa sobre os Patrísticos (pais da igreja, pós-apóstolos, até o século IV) demostra o contrário e percebemos que a grande maioria deles defenderam ou falaram sobre o livre-arbítrio. E que essa doutrina não começou com Pelágio. Vejamos alguns citações:
Os pais primitivos e o livre arbítrio

JUSTINO MÁRTIR (100 à 160/165 d. C)

“Do que dissemos anteriormente, ninguém deve concluir que a consequência do que afirmamos que se sucede ocorre por necessidade do destino, pelo fato de que dizemos ser de antemão conhecidos os acontecimentos. Para isso, vamos esclarecer também esta dificuldade. Nós aprendemos com os profetas e afirmamos que isto é a verdade: que os castigos e tormentos, igualmente as boas recompensas, dão-se a cada um conforme as suas obras, pois se não fosse assim e se ocorresse pelo destino, não existiria em absoluto o livre-arbítrio. Com efeito, se está determinado que este seja bom e aquele mau, nem aquele merece louvor, nem este vitupério. E se o gênero humano não tem poder para fugir por livre determinação daquilo que é vergonhoso e optar pelo belo, é irresponsável por qualquer ação que faça. Porém, que o homem é virtuoso e peca por livre escolha, o demonstramos pelo seguinte argumento: vemos que o próprio sujeito passa de um extremo a outro. Pois bem: se fosse determinado ser mau ou bom, não seria capaz de fazer coisas contrárias nem mudaria [seu comportamento] com tanta frequência. Na verdade, não se poderia dizer que alguns são bons e outros maus a partir do momento em que afirmamos que o destino é a causa de bons e maus, e que faz coisas contrárias a si mesmo; ou deve se ter por verdade aquilo que já anteriormente insinuamos, a saber: que virtude e maldade são meras palavras e que apenas por opinião [pessoal] se classifica algo como bom ou mau – o que, como demonstra a verdadeira razão, é o cúmulo da impiedade e da iniquidade. O que afirmamos ser destino iniludível é que a quem escolher o bem, espera-lhes digna recompensa; e a quem escolher o contrário, espera-lhes igualmente digno castigo. Porque Deus não fez o homem da mesma forma que as outras criaturas, por exemplo, árvores e quadrúpedes, que nada podem fazer por livre determinação, pois nesse caso não seria digno de recompensa ou louvor, nem mesmo por ter escolhido o bem, mas já teria nascido bom; nem, por ter sido mau, seria castigado justamente, pois não agiu livremente, mas por não poder ter sido outra coisa do que foi” (1ª Apologia 43,1-8).

Justino Mártir (160 d.C): A fim de que alguns não presumam, a partir do que temos dito, que tudo acontece por uma necessidade fatal, pois é anunciado como conhecido de antemão, isso nós também explicamos. Nós aprendemos dos profetas e sustentamos ser a verdade, que as punições, castigos e boas recompensas são concedidas de acordo com o mérito das ações de cada homem. Agora, se isso não é desta forma, mas todas as coisas acontecem por destino, então, nada está em nosso próprio poder. Porque, se está predeterminado que este homem será bom e esse outro homem será mau, nem é o primeiro digno de mérito nem o último culpado. E novamente, a menos que a raça humana tenha o poder de evitar o mal e escolher o bem por livre escolha, eles não são responsáveis por suas ações. (A Dicitionary of Early Christian Beliefs, editado por David W. Bercot, pg 285, publicado por Hendrickson, 1998) (tradução Walson Sales)
“Deus, desejando que tanto homens quanto anjos seguissem a sua vontade, resolveu criá-los livres para fazer a justiça. Mas se a Palavra de Deus prediz que certos anjos e certos homens serão certamente castigados, ela fez isso porque sabia previamente que eles seriam irremediavelmente [ímpios], mas não por terem sido criados assim. (DJ, 1.142).” (citado por Norman Geisler, T. S. v.2, pg 77)

IRINEU (130 à 200 d. C)
“Esta frase: ‘Quantas vezes quis acolher os teus filhos, porém tu não quiseste!’ (Mateus 23,37), bem descobriu a antiga lei da liberdade humana, pois Deus fez o homem livre, o qual, assim como desde o princípio teve alma, também gozou de liberdade, a fim de que livremente pudesse acolher a Palavra de Deus, sem que Este o forçasse. Deus, com efeito, jamais se impõe à força, pois n’Ele sempre está presente o bom conselho. Por isso, concede o bom conselho a todos. Tanto aos seres humanos como aos anjos outorgou o poder de escolher - pois também os anjos usam sua razão -, a fim de que àqueles que lhe obedecem possam conservar para sempre este bem como um dom de Deus que eles guardam. Ao contrário, não se encontrará este bem naqueles que O desobedecem e por isso receberão o justo castigo, porque Deus certamente lhes ofereceu benignamente este bem, mas eles não se preocuparam em conservá-lo, nem o acharam valioso, mas desprezaram a bondade suprema. Assim, portanto, ao abandonar este bem e até certo ponto rejeitá-lo, como razão serão réus do justo juízo de Deus, do qual o Apóstolo Paulo dá testemunho em sua Carta aos Romanos: ‘Por acaso desprezas as riquezas de sua bondade, paciência e generosidade, ignorando que a bondade de Deus te impulsiona a arrepender-te? Pela dureza e impenitência do teu coração, tu mesmo acumulas a ira para o Dia da Cólera, quando se revelará o justo juízo de Deus’ (Romanos 2,4-5). Ao contrário, diz: ‘Glória e honra para quem opera o bem’ (Romanos 2,10). Deus, portanto, nos deu o bem, do qual dá testemunho o Apóstolo na mencionada Carta, e aqueles que agem segundo este dom receberão honra e glória, porque fizeram o bem quando estava em seu arbítrio o não fazê-lo; ao contrário, aqueles que não agirem bem serão réus do justo juízo de Deus, porque não agiram bem estando em seu poder fazê-lo. Com efeito, se alguns seres humanos fossem maus por natureza e outros bons por natureza, nem estes seriam dignos de louvor por serem bons, nem aqueles condenáveis, porque assim teriam sido criados. Porém, como todos são da mesma natureza, capazes de conservar e fazer o bem, e também capazes de perdê-lo e não fazê-lo, com justiça os seres sensatos – quanto mais Deus! – louvam os segundos e dão testemunho de que decidiram de maneira justa e perseveraram no bem; ao contrário, reprovam os primeiros e os condenam retamente por terem rejeitado o bem e a justiça. Por esse motivo, os profetas exortavam a todos a agir com justiça e a fazer o bem, como muitas vezes explicamos, porque este modo de nos comportar está em nossas mãos; porém, tendo tantas vezes caído no esquecimento por nossa grande negligência, nos fazia falta um bom conselho. Por isso o bom Deus nos aconselhava o bem por meio dos profetas” (Contra as Heresias 4,37,1-2)

”Se não dependesse de nós o fazer e o não fazer, por qual motivo o Apóstolo, e bem antes dele o Senhor, nos aconselharia a fazer coisas e a nos abster de outras? Sendo, porém, o homem livre na sua vontade, desde o princípio, e livre é Deus, à semelhança do qual foi feito, foi-lhe dado, desde sempre, o conselho de se ater ao bem, o que se realiza pela obediência a Deus. (Contra Heresias, IV, 37. 1.4) (também citado por Norman Geisler em “eleitos, mas livres”, pg 171)

Clemente de Alexandria ( 150-c. 215 d. C.)
“Nos que ouvimos pelas Sagradas Escrituras que a escolha autodeterminada e a recusa foram dadas pelo Senhor aos homens, descansamos no critério infalível da fé, manifestando um espírito desejoso, já que escolhemos a vida e cremos em Deus por intermédio da sua voz. (S, H2.4)” (citado na Teologia Sistemática, Norman Geisler, v 2, pg 78)
“Não somente o crente, mas até mesmo o descrente, é julgado mais retamente. Pois, desde que Deus soube em virtude de sua presciência que essa pessoa não acreditaria, Ele, entretanto, a fim de que ele possa receber a sua própria perfeição, deu-lhe a filosofia antes da fé.” (A Dicitionary of Early Christian Beliefs, editado por David W. Bercot, pg 284, publicado por Hendrickson, 1998)
“A soberania e o livre-arbítrio são compatíveis, pois muitas coisas na vida surgem no exercício da razão humana, tendo recebido a faísca incandescente de Deus. [...] Agora, todas estas coisas têm verdadeiramente origem e existência por causa da providência divina — contudo, não sem a cooperação humana também (5, 6.17, em ibid.).” (Citado em Teologia Sistemática Norman Geisler, V 1, pg 1024).
Orígenes ( 185 a 254 d. C.)
“Está também definido na pregação da Igreja que toda alma racional possui vontade e livre-arbítrio, e que há também para ela uma luta a ser travada contra o demônio e seus anjos e forças adversas, já que eles trabalham para onerá-la de pecados, enquanto que nós, se vivermos retamente e com conselho, devemo-nos esforçar em nos despojarmos deste jugo. Deve-se entender, por conseguinte, que ninguém de nós está submetido à necessidade, de tal modo que, ainda que não queiramos, sejamos a qualquer custo obrigados a fazer coisas boas ou más.” (De Principiis, cap 5) 

“Isto também é claramente definido no ensino da igreja de que cada alma racional é dotada de livre-arbítrio e volição.” (De Principiis, prefácio) Há, de fato, inúmeras passagens nas Escrituras que estabelecem com extrema clareza a existência da liberdade de vontade.” (De Principiis, 3.1) (citado por Geisler, em “Eleitos, mas livres, pg 173-174)”

Além disso, é interessante notar que as acusações de alguns calvinistas contra os ensino de Armínio acerca do livre-arbítrio é na verdade a utilização da falácia do espantalho. Pois os Arminianos clássicos, de acordo com os ensinos de Armínio e seus fiéis seguidores, não acreditam no poder do livre-arbítrio em seu sentido filosófico, mas sim em um ‘livre-arbítrio libertário”, ou seja o livre-arbítrio libertado pela graça (previniente que é resistível). E percebemos que esses ensinos não tem origem em Armínio, mas que a Remostrância retomou os ensinos dos pais da Igreja antes dos ensinos de Agostinho. Segue abaixo outra citação de uns dos pais no qual possuem mais semelhanças em seus escritos com as obras de Armnio e expressões como “precisa de ajuda”, ou “carece de auxílio (da graça) de Deus”, lembram os ensinos de 1.300 anos depois repetidos por Jacob Arminius.

Jerônimo ( 347-420 d. C.)
Vejamos:
“Em vão me deturpas e tentas convencer os ignorantes que eu condeno o livre-arbítrio. Que aquele que condena, seja por si mesmo condenado, pois fomos criados com o dom do livre-arbítrio [...] E verdade que a liberdade da vontade traz consigo a liberdade de decisão. Contudo o homem não age imediatamente a partir do seu livre-arbítrio, mas precisa da ajuda de Deus, que e o único que não precisa ser ajudado. (LSJ, II.VI. 1.33.10) (citado em Teologia Sistemática, Geisler, v2, pg 79)

“Quando nós estamos preocupados com a Graça e misericórdia, o livre-arbítrio é parte anulada; em parte, eu digo, porque tanto depende dele, que queremos e desejamos, e damos consentimento ao curso que escolhemos. Mas depende de Deus se temos o poder em sua força e com sua ajuda para fazer o que desejamos, e para o nosso trabalho e esforço darem resultado.” (Contra Pelagianos, Livro III) (Eleitos, mas livres, pg 76)

Agora percebemos que as acusações dos calvinistas que Armínio era pelagiano são infundadas.

Veja bem essa afirmação:

"O livre-arbítrio é incapaz de iniciar ou de aperfeiçoar qualquer verdade ou bem espiritual sem a Graça. Que não digam a meu respeito, como dizem de Pelágio, que pratico uma ilusão em relação à palavra "Graça", o que quero dizer com isso é que é a Graça de Cristo e que pertence à regeneração [...] Confesso que a mente de [animalis] um homem carnal e natural é obscura e sombria, que suas afeições são corruptas e excessivas, que sua vontade é obstinada e desobediente, e que o homem está morto em pecados." - Jácobs Arminius, In A Letter Adressed to Hippolytus A Collibus”, Works.v. 2, p. 700-1

E Armínio diz mais:
"Em seu estado pecaminoso e caído, o homem não é capaz, de e por si mesmo, quer seja pensar, querer ou fazer o que é, de fato, bom; mas é necessário que seja regenerado e renovado em seu intelecto, afeições ou vontade e em todas as suas atribuições, por Deus em Cristo através do Espírito Santo, para que seja capaz de corretamente compreender, estimar, considerar, desejar e realizar o que quer que seja verdadeiramente bom. Quando ele é feito um participante dessa regeneração ou renovação, eu considero que, uma vez que é liberado do pecado, ele é capaz de pensar, desejar e fazer o que é bom, mas mesmo assim, não sem a contínua ajuda da Graça Divina."

Portanto percebemos que alguns calvinistas não pesquisam ou usam de desonestidade intelectual em seus debates e escritos. E que a doutrina do livre-arbítrio não era de nenhuma forma heresia e muito menos invetada por Pelágio e Retomada por Armínio. O que Armínio defendia era o livre-arbítrio libertário e incompatibilista.

Obs: Esse meu artigo foi formado com base em estudos disponíveis na página Arminianismo, Arminianismo da Depressão e Armínio da Depressão. 

Fontes: http://estudos.gospelprime.com.br/a-igreja-primitiva-e-o-livre-arbitrio/
http://sumateologica.wordpress.com/download/

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Christian Love Metal - Volume V

Eis o volume V da coletânea "Christian Love Metal" do blog Cristianismo underground.



É galera, esse é o último volume da coletânea "Christian Love Metal". E quem diria que chegaríamos ao volume V? Devido ao sucesso e aos pedidos dos apreciadores, fizemos este último volume. Com grandes clássicos e algumas baladas desconhecidas por muitos. Tenho que deixar claro que não lucro nada com isso e essa não é a minha intenção. A coletânea é apenas uma playlist escolhida por mim e na qual também aceitei  sugestões de alguns apreciadores da coletânea.  Nesse volume V, coloquei alguns artistas consagrados como: Stryper, Larry Norman, Michael Sweet, John Elefante, Bloodgood, entre outros ...  Espero que curtam.  Deus abençoe a todos.

Tracklist:



Download: 4shared - volume 5

Curtam a página Christian Love Metal: https://www.facebook.com/pages/Christian-Love-Metal/
Curtam nossa página: https://www.facebook.com/Cristianismounderground

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Stryper: Michael Sweet a turnê no Brasil+ Argentina e novos planos em 2015


Foi divulgado na página oficial do Michael Sweet os agradecimentos pela turnê sula-Americana e novos projetos pra 2015: Novo álbum do Stryper+ Novo álbum solo+ Turnê no seu novo projeto "Sweet & Lynch".
Segue um trecho retirado da sua página.
A turnê sul-americana está feita! Foi um exaustivo 2 semanas, mas um dos melhores também. Infelizmente eu fiquei doente há uma semana e estava lutando tentando cantar com algum tipo de bug / vírus. É sempre um pouco difícil quando você tem que sair e executar quando você não tem o controle de 100% em relação a sua voz. Ha! Eu acho que quando eu penso sobre isso, eu nunca realmente tem 100% de controle de qualquer maneira.

Obrigado Brasil e Argentina por uma visita memorável e nós estamos ansiosos para a próxima vez, mais cedo do que mais tarde !!! Nós amamos todos vocês!
Então, o que 2015 trará?
Um novo álbum Stryper, uma turnê solo, alguns Sweet & Lynch data, produzindo um álbum Gabbie Rae e gravar um novo álbum solo - ufa!

Do meu coração - eu sou muito sincero como eu escreva isso aqui no Rio - Agradeço a Deus todos os dias por todos vocês. Pela suas constantes orações, apoio e crença em mim e no que eu faço. Eu sou um homem muito abençoado e se tudo fosse terminar agora, eu diria que eu tive a chance de fazer exatamente o que eu sempre quis fazer - inspirar as pessoas e dar-lhes algo mais do que apenas música. Mais importante, uma mensagem do amor de Deus e graça de mudança de vida. Se Deus quiser, muito mais por vir ainda tem sido uma vida de realizações
Fontes:
https://www.facebook.com/TheMichaelSweet/posts/426849264134211

Curtam nossa página:
https://www.facebook.com/Cristianismounderground?fref=ts

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Brian Head: Falando sobre o Espirito Santo

Welch, que deixou o Korn em 2005, após se converter ao cristianismo e largar as drogas, foi perguntando como ele sabe que ele tem o "Holy Ghost". Ele respondeu: "Bem, eu te falo, para uma pessoa que largou as drogas por muitos anos e tem a alma cheia do Espírito Santo, é a melhor coisa possível. É o puro amor de Deus e você realmente pode sentir esse amor. E vai ficando mais forte através dos últimos dez anos. Não sei... Você fica totalmente satisfeito na vida e não quer mais nada. E meu coração está em paz. Eu não teria acreditado se eu não experimentasse. Estou totalmente satisfeito. Não há nada como isso.
Perguntando se o Espirito Santo já nasce em nós ou temos que pedir para recebê-lo, Welch disse:"Esse é um tipo de debate teólogico, talvez, mas eu acredito que Deus dá fôlego para todas as pessoas, mas nós temos que pedir para receber o Espírito Santo, somente para nos dar a revelação de como Deus sustenta a vida e nos dá a vida. Falam sobre sentir o Espírito Santo, e isso acontece quando você começa a pedir por ele e tudo mais. Não é sobre religião, é sobre relacionamentos. É o espírito de Jesus vindo até você e vivendo com você. E isso é tão lindo, cara."
Welch recentemente falou com a Variety sobre seu envolvimento com o filme "Holy Ghost", um documentário baseado na fé que tem como objetivo provar que o Espírito Santo é real. Welch, explicou: "'Holy Ghost' é sobre pessoas que convidam Deus a entrar em seus corações e vidas e sair pelo mundo, não dizendo para as pessoas 'se prepararem para o inferno', mas sim apresentando o real Cristo.""
Welch continuou: "É como se tivessem me mostrado como obter um bilhão de dólares e como se eu pudesse compartilhar o dinheiro com todos os outros. Celebridades são consideradas referências e temos que usar isso para alguma coisa, porque nós todos vamos prestar contas um dia, por isso é importante usar o que temos com sabedoria. "

Fonte: Korn: "O espírito de Jesus vindo até você. Isso é tão lindo cara" http://whiplash.net/materias/news_808/215078-korn.html#ixzz3LLQu3doB

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Conheça a Bíblia do Metal

A Bíblia Metal é uma edição especial da Bíblia para todos nós que curte o "Heavy Metal". Essa edição contém o Novo Testamento, bem como uma parte onde os metalheads que compartilham suas histórias de vida e falam sobre o que Deus e  o que a Bíblia significa para eles. A Bíblia Metal é uma edição especial da Bíblia que mostra que ela funciona muito bem para amar a Deus e ao Metal.

Alguns Headbangers Cristãos que participam desse projeto:
Nicko McBrain (Iron Maiden), Tommy Aldridge (Whitesnake), Dave Ellefson (Megadeth), Peter Baltes (Accept), Brian Welsh (ex-Korn), Rob Rock, Michael Sweet (Stryper) , Ken Tamplin, Metal Pastor Bob Beeman (Sanctuary International), Shadows of Paragon, Luke Renno (Crimson Thorn), Simon "Pilgrim" Rosén (Crimson Moonlight), Christian Liljegren (Narnia, Golden Resurrection), Matt Smith (Theocracy), Ulf Christiansson (Jerusalem), Michael Hero (Sons of Thunder, Hero), Slav Simanic, Richard Lynch (Saint), Steve Rowe (Mortification), Ted Kirkpatrick (Tourniquet), Herbie Langhans & Mike Pflüger (Seventh Avenue) Scott Waters (Ultimatum), Gabriela Sepúlveda (Boanerges), Rod Rivera & Johnny Bomma (Rivera/Bomma), entre outros.
Traduções:
 Sueco, Inglês, Espanhol, alemão, polonês, dinamarquês e holandês. No momento, estamos trabalhando duro com a versão em português, russo, italiano, eslovaco, finlandês e norueguês.

Fontes:
http://www.themetalbible.com/enginfo.html

terça-feira, 18 de novembro de 2014

Headbangers Seculares que abraçaram a Fé Cristã.

1. Dave Mustaine

O primeiro da lista não podia ser nada mais ou nada menos que Dave Mustaine (Megadeth) que após anos se envolvendo com drogas (o que levou a sua expulsão do Metallica) e se metendo em confusões, decidiu se converter à fé cristã e chegou até mesmo a ser batizado novamente no ano de 2004, o que o fez até parar de tocar algumas músicas do Megadeth com letras mais "sombrias" como "The Conjuring". Em sua própria autobiografia ele relata a sua jornada espiritual e alega que teve momentos difíceis por assumir ser cristão. Uma última curiosidade: em maio de 2005, Mustaine cancelou dois show na Grécia e um em Israel, pois se negou a subir ao palco com bandas de Black Metal, que utilizavam muitas referências Anti-Cristo em suas letras.



2. David Ellefson

Outro membro do Megadeth que assume a sua fé cristã é o baixista David Ellefson. Atualmente ele é pastor Luterano. “Eu percebi que minha fé no cristianismo é honesta e verdadeira, e não apenas para diversão e distração. Ser um cristão e um roqueiro não são duas coisas totalmente opostas. Algumas pessoas saem de uma para crer em outra, mas para mim, as duas trabalham muito bem juntas. Quando você quer começar a ser honesto e crer em si mesmo, você perseguirá as virtudes que o Senhor colocou em você”, afirma Ellefson em uma entrevista.

3. Marty Friedman

Não é à toa que muitos dizem que o Megadeth se tornou uma banda cristã. Outro que também se considera cristão é o ex-guitarrista Marty Friedman que esteve presente no Megadeth no ano de 1990. Ele tocou por um bom tempo com a banda Cristã Tourniquet na gravação do "Where Moth and Rust Destroy", tido como o melhor álbum deles. Sua saída do Megadeth foi devido a sua própria decisão de rumo de carreira.

4. Ozzy Osbourne

Mesmo considerado como o "Princípe das Trevas", Ozzy Osbourne considera-se católico apesar de ter um Buda completamente de ouro em sua casa, que deu de presente para sua mulher Sharon, que se considera budista. Também não se pode esquecer de algumas de suas atitudes de um "bom cristão", como por exemplo dando seu colar com crucifixo, no valor de nada menos que 3.000 libras (em torno de 8.000 reais) a um pedinte, e o pedindo para que rezasse por um futuro melhor. Para quem costuma ser chamado de ‘príncipe das trevas’, esta foi uma atitude bastante cristã.

5. Nicko McBrain

O baterista da mais famosa banda de Heavy Metal, Iron Maiden, converteu-se em 1999 na companhia da sua esposa cristã Rebecca, na igreja de Spanish River perto da sua casa em Boca Raton (Flórida). Segundo relatos do próprio, a sua esposa orava por ele há bastante tempo e ao entrarem os dois na igreja, Nicko teria chorado e ouvido um chamamento. Em depoimentos posteriores, disse: "Sentei-me a pensar, 'não bebi nada ontem, porque não consigo manter-me de pé?'" e "'Eu tinha uma fervente relação com Jesus a acontecer no meu coração".

6. Alice Cooper

Conhecido pela sua performance de palco e seus cenários e visuais macabros, Alice Cooper se considera cristão, e afirma: "Eu sou um cristão normal". “Leio a Bíblia de manhã e à noite. E dou aulas de cristianismo, às vezes”, diz Cooper. Em 2007, Alice Cooper abriu um centro cristão para jovens na cidade de Phoenix, viabilizando o projeto com cerca de US$ 2 milhões.

7. Dan Spitz

O ex-guitarrista da lendária banda norte-americana Anthrax é outro do gênero que se converteu após a sua saída do grupo, mas por que a sua saída? Porque um dos membros fundadores que criaram um gênero musical inteiro parte para o isolamento levando suas habilidades de compôr com ele; doando 53 guitarras e deixando a si mesmo sem nada. Descubra a resposta no que Dan nos contou no Cornerstone: "Isso não foi simplesmente um caminho viável para viver depois da mudança de 5 mil anos da pura e antiga linhagem sanguínea judaica ortodoxa para se tornar um cristão como aconteceu na minha vida. Eu ainda tentei voltar atrás algumas poucas vezes. Eu me encontrei em completa desilusão e caí profundamente do abismo do inferno. Se compor música, na próxima vez, for usar meus talentos dados e abençoados por Deus, certamente isso não seria para a glória do lado errado. Esteja pronto para um novo som, para um novo propósito, e para todas as tropas estabelecidas nas trincheiras da guerra para abraçar um nova missão.

8. Brian Head

O fundador e ex-guitarrista da banda Korn anunciou numa rádio dos Estados Unidos sua saída do grupo após converter-se ao Cristianismo, notícia confirmada pela banda logo após. Após perder a sua esposa devido às drogas, Brian decidiu dedicar-se mais a sua filha e à religião, mas segue em carreira solo. "It's Time Too See Religion Die" é o nome do álbum solo do músico.

9. Reginald Arvizu Fieldy

Outro membro do Korn que se converteu ao cristianismo foi o baixista Reginald Arvizu "Fieldy", que era conhecido pela sua paixão pelo álcool, mas se converteu aproximandamente há 3 anos, e afirma que estar muito feliz pois lembra de tudo que aconteceu do início desse período para cá.

10. Michael Kiske

Em 1994, ano de sua saída do Helloween, correu um boato que o ex-vocalista Michael Kiske tinha se convertido ao cristianismo. E ele se "mostrou" cristão após publicar um nota em sua página do Myspace na qual mostrava o seu repúdio ao Satanismo. “De tempos em tempos recebo pedidos para serem meus ''amigos'' de pessoas com perfis muito estranhos. E antes de eu ou Jutta (responsável pelo site) decidirmos a quem aceitar ou negar, nós os checamos primeiro, e se encontrarmos neles qualquer forma de brutalidade, satanismo, porcarias glorificando o mal, pornografia ou algo do gênero, eles simplesmente não podem ser meus amigos. Isso está muito longe de quem eu sou e do que eu quero me conectar. Alguns músicos e bandas aceitam todo mundo – quanto mais, melhor – mas para mim é muito mais importante quem será membro de uma coisa chamada 'Amigos do Kiske' e não quantos serão. Todo mundo que sabe quem eu sou e como eu penso entenderão isso perfeitamente”.

“Eu sei que algumas dessas pessoas simplesmente não sabem o que estão fazendo e com o que estão lidando, e para alguns isso é só 'coisa de criança'. E outras pessoas ainda não conseguem entender porque eu levo essas coisas a sério; bem, porque elas são! Mas eu também sei muito bem, que o materialismo não respeita mais nenhuma moral. Mas eu não sou materialista; sou um Cristão (de nenhuma igreja), e não quero NENHUM site oficial meu como plataforma para essa doença que é o Satanismo! Eu definitivamente não sou amigo de pessoas que servem o Anticristo. Não estamos do mesmo lado! - JESUS CRISTO para sempre”!

11.  Roy Khan
Mais um famoso Headbanger que se converteu a Cristo e abraçou o Cristianismo.

Roy Khan (Ex- vocalista do KAMELOT), realmente decidiu mudar seu caminho e partir para o outro lado. Roy verdadeiramente se tornou um homem temente a Deus, recentemente Roy havia postado uma foto dele, no facebook, cantando em uma igreja Luterana na Noruega.
__________________X______________________________________________________
Agora, a comunidade luterana da Noruega, da qual Roy Khan provavelmente faz parte, disponibilizou o áudio do vocalista cantando "You Raise Me Up" (SECRET GARDEN, 2002), um clássico da música gospel.

Fonte: Kamelot: ex-vocalista Roy Khan canta "You Raise Me Up" http://whiplash.net/materias/news_812/208307-kamelot.html…

Fontes:

Fonte: Metal: nomes do gênero que assumiram ser cristãos http://whiplash.net/materias/curiosidades/134693.html#ixzz3JR4fTK1g


quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Liberty Extreme: Resenha do dia 27/09/2014





Uma ‘’chuva’’ de muito heavy metal para os fãs de metal cristão em Santa Rita – PB.  Foi o que vimos no LIBERTY EXTREME, na noite de 27 de Setembro de 2014.  Na Praça do Santo, no bairro de Tibirí II. Numa noite em que celebramos a resistência e luta pelo underground em meio a tantas adversidades, o que se viu foi à união de sons dos mais ‘’retrô’’ até a nova geração trazendo muita qualidade e ‘’barulheira’’ pra nenhum headbanger colocar defeito.
     Apesar dos fatores técnicos e climáticos terem ocasionado um atraso no início do evento, mesmo assim os organizadores tocaram o barco pra frente, já começando com a banda GÊNESIS XV. Trazendo um repertório recheado de cover´s como: MAIS ALTO, ONDE ESTÁ? e DE OLHOS FECHADOS . Ambas do Oficina G3 e sons mais novos como: A BATALHA de PG. Mostrando um Metal Progressivo com pegadas empolgantes que esquentaram o cérebro de todos os presentes.  
     E pouco depois chegava a 7 SELOS, trazendo um som mesclado entre pós hc e alternativo com samplers e sintetizadores contagiantes. Também tocando covers como a clássica: JERUSALEM do METAL NOBRE e musicas autorais que arrancaram aplausos da galera pela originalidade e identidade musical que a banda vem construindo ao longo do tempo. Que será conferido na íntegra no primeiro cd do quinteto, sendo lançado em breve.
    A grande SURPRESA da noite, ZADOQUE, veio logo em seguida, com um set list bastante empolgante, abrindo sua apresentação com: GETSEMANI e depois tocando a pedrada: ETERNO DEUS, ambas da grande banda YAHWEH. Com destaque para evolução e desempenho tanto da banda quanto da vocalista JOYCE ROZENDO, que segurou a onda dos agudos e falsetes sem fazer ‘’cara feia’’. O auge da apresentação veio com o hit: A TERRA da extinta banda de Campina Grande – PB: ADIASTASIA. Fazendo os campinenses presentes no evento quase perderem a cabeça e a voz de tanto bangear e cantar. Ainda teve tempo para a clássica: ROCK THE EARTH da grande voz do Melodic Metal : ROB ROCK, resultando em botinadas e numa tremenda roda de pogo. E para fechar, a trupe pessoense liderada por Joyce e ‘’Scream’’ João Martins tocaram as músicas mais pedidas em seus shows que perpassa todas as fases que a banda teve até chegar ao seu estilo atual. LABBU REATUM + DORMITAR da banda AGGELOS fecham com chave de ouro. Resultando em vários aplausos e elogios a toda a banda.
   A quarta banda vem da cidade de Campina Grande – PB. REFÚGIO. Com a participação mais que especial do Baixista: Caio Camelo (da hibernada e também campinense Saltério) substituindo o titular: Weber. A banda liderada por Victor Hugo fez um show pautado no mais puro e bom Heavy Metal com letras em português. Comemorando os 10 anos da banda, trouxeram o que eles têm de melhor. “Com destaque para as clássicas “VALE DE OSSOS SECOS”, “ A MARCA DA DOR” e ‘’ LIVING SACRIFICE’’.  Percebemos que a voz de Victor continua animal, bem como o instrumental da banda, que botou pra quebrar na inesquecível e sempre presente balada: ‘’ PRISÃO’’ . Todas cantadas na íntegra pelos bangers campinenses que cresceram ouvindo estas músicas e sempre estiveram presentes nos eventos da Refúgio, como de outras bandas da nossa terra.
    Pra fechar a noite vieram os pernambucanos da tão esperada ANGELS FIRE, com seu Symphonic Metal e um repertório bastante eletrizante, trazendo desde as indispensáveis como: "ANJO DE LUZ", "GUARDIÃO", "SACRIFÍCIO" e "NOVO REINO", até a sua mais nova música "MEU DESEJO", das quais muitas irão compor o CD que está para sair possivelmente ainda este ano.
     A noite de 27 de setembro de 2014 foi também de quebra de barreiras e de preconceitos. Exemplificados no cover que os guerreiros pernambucanos fizeram de uma de suas maiores influencias: NIGTHWISH. Mostrando que independente de ideologia e posicionamentos acerca da fé e convicções espirituais. Somos militantes do mesmo ideal e guardiões da mesma cultura. Por isso, devemos ter respeito por todos os estilos e bandas. Independente de suas posturas ideológicas.
    Sem sombra de dúvidas o Liberty Extreme ficará marcado na memória de todos que estiveram presentes, tanto na sexta (26) quanto no sábado (27). Que Deus abençoe a todos envolvidos neste projeto e que venham muitos e muitos no mesmo nível e melhores como este. HAIL BANGERS!!!

Por: Hugo Rennan Cavalcanti Vasconcelos.

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Templo de Salomão: Vocalistas do metal cristão criticam o novo templo da IURD


Obs: Não sei se a matéria é verídica, mas cito a fonte do qual tirei a informação. 

Segundo cita o site Holy Metal 777, alguns vocalistas do metal cristão comentaram sobre a reconstrução do templo de salomão construindo no Brasil. Segue abaixo a opinião dos vocalistas das bandas: Bloodgood, Bride e X-sinner:

Les Carlsen vocalista do BloodGood – Ao ser questionado o que ele pensava a respeito do Templo de Salomão no Brasil, ele respondeu: “Eu acho que nós queremos que Jesus volte!”
 

Dale Thompson vocalista do Bride – Por sua vez preferiu não opinar falando que ele não tem opinião sobre isso.

Rex D Scott vocalista do X-Sinner – Falou sua opinião na integra sem receio:
“Pra começar, a mega construção de 300 milhões de dólares está tão longe dos ensinamentos de Jesus que eu não considero isso com base no cristianismo, uma versão moderna começou originalmente e que se tornou popular por nós tele-evangelistas. É lamentável esse tipo de teologia da prosperidade ensinar em nome de Cristo, continua a se espalhar por todo o planeta como uma praga hedionda da fé.” 


Fontes:holymetal777


quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Oficina G3: Alexandre Aposan revela o motivo de sua saída da banda



O baterista Alexandre Aposan voltou a falar sobre sua saída do Oficina G3 e revelou detalhes da situação que o fez optar por deixar a banda após oito anos, sendo três como membro oficial. 
Numa entrevista concedida ao portal Guia-me, Aposan disse que para fazer projetos paralelos e/ou participações especiais em shows/CDs de outros artistas, teria que cumprir algumas formalidades ou pagar uma multa milionária exigida nos contratos do Oficina G3.

A banda atualmente estuda a renovação de contrato com a MK Music ou a ida para outra gravadora, segundo o baterista.

“Eu não estou falando mal da MK. A Alomara, a Yvelise, Cristina, Marina de Olivera são minhas amigas e eu não vou falar mal delas. Vou falar a verdade. Com o término do contrato com a MK, tem alguns contratos que o Oficina G3 ainda está analisando – não é somente [a renovação] da MK. E todos estes contratos vão contra àquilo que eu acredito. Por exemplo, eu gravei um DVD que se chama ‘Entre Irmãos’ e nele tem uma boa parte da galera com quem eu já trabalhei e seu eu continuasse na banda, se eu assinasse qualquer um desses contratos, eu não poderia gravar o ‘Entre Irmãos 2′, um outro ‘Ao Som dos Tambores’ ou um outro do DVD do For Action, como eu gravei agora. Eu ia ter que viver só com o Oficina G3. Se eu subisse em algum palco com qualquer outro artista – instrumental ou não – e esse artista não falasse: ‘Eu estou aqui no palco com o Alexandre Aposan, da gravadora X e da banda Oficina G3′, eu ia ter que pagar uma multa de 2 milhões e 100 mil reais”, desabafou o baterista, explicando o porquê de sua saída.

Aposan disse ainda que se seu interesse fosse puramente financeiro estaria tocando para artistas do meio secular: “Eu vou deixar de pegar um talento que Deus colocou na minha mão para abençoar várias vidas e ficar preso em um contrato? Se for para assinar um contrato, eu volto para o meio secular. Eu volto a tocar com Anitta e Naldo, se for por dinheiro. Só que o talento que Deus me deu é para levar a Palavra através dos tambores e é que eu vou fazer pelo resto da minha vida. Muitos iam fazer o que? Pensar: ‘Eu não vou sair. O Oficina G3 é a maior banda de rock do Brasil’. Eles realmente são. Mas eu não estou atrás de holofote, nem nada disso. Quero fazer a obra de Deus”, disse.


Fontes: http://www.holymetal777.com/2014/08/oficina-g3-ex-baterista-revela-detalhes.html

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

A Soberania de Deus - A.W Tozer

A Soberania de Deus – A.W. Tozer

Quem há que não tema a Ti, Senhor Deus dos Exércitos, altíssimo e terrível? Só Tu és Senhor, Tu criaste o céu dos céus, a terra e tudo que nela habita, e a alma de todo ser vivente está nas Tuas mãos. Tu és Rei sobre os mares; és Rei para sempre; grande Rei sobre toda a terra. Estás vestido de força; a honra e a majestade estão perante Ti. Amém.
A soberania de Deus é o atributo pelo qual Ele domina sobre toda a criação. Para ser soberano, Deus tem de ser onisciente, onipotente e absolutamente livre. As razões para isso são as seguintes:
Se houvesse uma parcela de conhecimento, por menor que fosse, desconhecida de Deus, Seu domínio iria falhar nesse ponto. Para ser Senhor de toda a criação, Ele tem de possuir todo o conhecimento. Se um pequeno, infinitesimal grau de poder faltasse a Deus, essa falta acabaria com o Seu reino; esse único átomo de poder extraviado pertenceria a outro, e Deus seria governante limitado, e não soberano.
Ademais, a Sua soberania exige que Ele seja totalmente livre para fazer aquilo que Lhe apraz em qualquer lugar ou qualquer tempo e desempenhar o Seu propósito eterno em cada detalhe, sem a mínima interferência. Se fosse menos que livre seria menos que soberano.
A concepção de liberdade sem limites exige um esforço vigoroso da mente. Não estamos condicionados psicologicamente para isso, e não aceitamos a liberdade exata em suas formas imperfeitas. O nosso conceito de liberdade foi formado num mundo em que não existe liberdade absoluta, e onde cada objeto natural depende de muitos outros objetos, sendo que essa dependência limita a sua liberdade.
O poeta Wordsworth, no início de seu prelúdio, regozijava-se porque escapara da cidade em que tanto tempo estivera preso e agora estava “livre, livre como um pássaro, para morar aonde eu quiser”. Mas, ser livre como um pássaro, não é ser livre. O naturalista sabe que as supostamente livres vivem numa gaiola de temor, fome e instinto; sendo limitadas pelas condições climáticas, variações na pressão atmosférica, suprimento de alimentos no local, animais predadores, e a mais estranha das algemas: a compulsão de permanecer dentro do pequeno quinhão de terra e ar que lhe foi designado pelas demais aves. A ave mais livre, como toda coisa criada, está presa a uma rede de necessidades. Só Deus é livre.
Deus é totalmente livre porque ninguém e nada poderão impedi-lO, compeli-lO ou fazê-lO parar. Ele pode sempre fazer o que Lhe agrada, em todo lugar e eternamente. Para ser assim livre, deve possuir também autoridade universal. Sabemos pelas Escrituras que Seu poder não tem limites, e também podemos deduzir isso de outros dos Seus atributos. Mas, que dizer de Sua autoridade?
Até mesmo o fato de discutir a autoridade de Deus parece-nos sem sentido e duvidar dela seria absurdo. Poderíamos imaginar o Senhor Deus dos Exércitos pedindo permissão a alguém? A quem? Quem é maior do que o Altíssimo? Quem tem mais poder do que o Todo Poderoso? Que antedata o Eterno? A que trono Deus se curvaria? A quem Ele apelaria? “Assim diz o Senhor, Rei de Israel, seu Redentor, o Senhor dos Exércitos: Eu Sou o primeiro, eu o Sou o último, e além de mim não há Deus. (Isaías 44.6).
A soberania de Deus é um fato bem firmado nas Escrituras e declarado em alta voz pela lógica da verdade. Mas confessamos que fez surgir principalmente dois problemas que até agora não foram resolvidos de modo satisfatório.
O primeiro problema é a presença na criação de coisas que Deus não aprova, como o mal, a dor e a morte. Se Deus é soberano, poderia ter evitado a sua existência. Por que Ele não o fez?
No livro “sagrado” do zoroastrismo, a mais alta das religiões não-bíblicas, o Zend-Avesta, essa dificuldade foi resolvida pela postulação dum dualismo teológico. Havia dois deuses, dizem eles, Ormazd e Ahriman, e os dois criaram o mundo. O bom Ormazd fez todas as coisas boas e as outras foram feitas pelo perverso Ahriman. Era tudo muito simples. Ormazd não tinha soberania com que se preocupar, e aparentemente não se importava por compartilhar com outro as suas prerrogativas.
Esta explicação não serve para o cristão, pois contradiz a verdade tão enfaticamente ensinada em toda a Bíblia, que Deus é um só e só Ele criou o céu e a terra e todas as coisas existentes. Os atributos de Deus são tais que é impossível a existência de um outro deus. O cristão admite que não tem a resposta final para o dilema do mal permitido. Mas sabe o que essa resposta não é. E sabe que o Zend-Avesta também não a possui.
Embora não tenhamos uma explicação completa quanto à origem do pecado, há algumas coisa que porém sabemos. Na Sua sabedoria soberana, Deus permitiu a existência do mal em áreas restritas da Sua criação, uma espécie de malfeitor fugitivo cujas atividades são temporárias e de propósito limitado. Ao permitir isso, Deus o fez conforme a Sua infinita sabedoria e bondade. Ninguém sabe mais do que isso até o presente, e não precisamos saber mais. O nome de Deus é garantia suficiente quanto à perfeição de Suas obras.
Outro verdadeiro problema criado pela doutrina da soberania está ligado com a vontade do homem. Se Deus rege o Seu universo soberanamente, como pode o homem exercer o seu livre-arbítrio? E se não há liberdade de escolha, como pode ser responsável pela sua conduta? Não será ele apenas um boneco cujas ações são determinadas por um Deus, atrás do palco, que puxa as cordas conforme quer?
A tentativa de responder a estas questões dividiu a Igreja em dois campos que respondem pelo nome de dois distintos teólogos, Jacobus Arminius e João Calvino. A maioria dos teólogos se contenta em entrar num ou outro campo; e, ou negam a soberania de Deus, ou negam o livre-arbítrio do homem. No entanto é possível reconciliar essas duas posições sem violentarmos uma ou outra, embora o esforço seguinte possa parecer deficiente aos partidários de um ou de outro campo.
O meu ponto de vista é o seguinte: Deus soberanamente decretou liberdade ao homem para exercer escolha moral, e desde o princípio ele tem cumprido esse decreto escolhendo entre o bem e o mal. Quando escolhe o mal, não anula a vontade soberana de Deus mas a cumpre, pois Deus não determinou qual seria a escolha do homem, e sim que ele teria liberdade de escolha. Se, na Sua liberdade absoluta, Deus por Sua vontade quis dar ao homem liberdade limitada, quem pode impedi-lO ou dizer: “O que fazer?” A vontade do homem é livre porque Deus é soberano. Um Deus menos que soberano não poderia outorgar às Suas criaturas a liberdade moral. Teria medo de fazê-lo.
Uma ilustração bem simples pode nos ajudar a entender. Um navio transatlântico sai de Nova Iorque em direção a Liverpool. O seu destino foi determinado pelas autoridades competentes. Nada pode mudá-lo. Este é pelo menos um retrato fraco da soberania.
No navio há muitos passageiros. Não estão acorrentados, nem suas atividades estão determinadas por decreto. São livres para se mover como quiserem. Comem, dormem, jogam, descansam, lêem, fazem o que lhes apraz, mas todo o tempo o grande transatlântico segue com eles para um porto predeterminado.
Aqui estão presentes a liberdade e a soberania, e elas não se contradizem. O mesmo acontece, segundo creio, com a liberdade do homem e a soberania de Deus. O poderoso navio do desígnio soberano de Deus mantém o seu curso firme através do mar da história. Deus Se move, imperturbável e sem obstáculos em direção ao cumprimento dos seus propósitos eternos feitos em Cristo Jesus antes da fundação do mundo. Não sabemos tudo que estes propósitos incluem, mas o suficiente tem sido revelado para que tenhamos uma idéia geral das coisas que virão, dando-nos esperança e a firme segurança do bem-estar futuro.
Sabemos que Deus cumprirá cada promessa feita aos profetas; sabemos que os pecadores serão um dia eliminados da terra; sabemos que os remidos entrarão no gozo do Senhor e que os justos resplandecerão no reino de Seu Pai; sabemos que a perfeição de Deus ainda virá a ser aclamada universalmente, que toda a inteligência de Deus Pai, e que a presente ordem imperfeita desaparecerá, e um novo céu e uma nova terra serão estabelecidos eternamente.
Deus está se movendo nessa direção com sabedoria infinita e perfeita precisão em Seus atos. Ninguém poderá dissuadi-lO dos Seus propósitos; nada O desviará do Seu plano. Pelo fato de ser onisciente, não haverá imprevistos, nada de acidentes. Porque Ele é soberano, não haverá contradição de ordens, nem quebra de autoridade; e por ser Ele onipotente, não faltará poder algum para atingir os fins propostos. Deus é suficiente para todas essas coisas por Si mesmo.
As coisas não são porém tão fáceis como este breve esboço pode sugerir. O mistério da iniquidade já opera. No vasto campo da vontade soberana e permissiva de Deus, o tremendo conflito entre o bem e o mal continua em fúria crescente. Deus fará finalmente a Sua vontade no vendaval e na tempestade, mas tempestade e vendaval estão aqui, e como seres responsáveis, temos de fazer a nossa escolha moral na situação presente.
Certas coisas foram decretadas pelo livre-arbítrio de Deus, e uma delas é a lei da escolha e suas consequencias. Deus declarou que todo aquele que voluntariamente se entrega a seu Filho Jesus Cristo na obediência da fé, receberá a vida eterna e s e tornará filho de Deus. Decretou também que aqueles que amam as trevas e continuam em sua rebeldia contra a suprema autoridade do céu, permanecerão em estado de alienação espiritual e sofrerão afinal a morte eterna.
Se reduzirmos tudo a termos individuais, chegamos a algumas conclusões de vital importância e altamente pessoais. No violento conflito moral que agora se processa, atingindo a todos, quem estiver do lado de Deus está do lado vencedor e não poderá perder; quem estiver do outro lado está do lado perdedor e não poderá vencer. Não há chance nem acaso. Há liberdade de escolha quanto ao lado que lutaremos, mas não poderemos modificar os resultados da escolha, uma vez feita. Pela misericórdia de Deus podemos nos arrepender duma escolha errada e alterar as suas consequencias, fazendo nova e acertada escolha. Além disso nós não podemos ir.
Toda a questão de escolha moral se concentra em Jesus Cristo. Ele definiu claramente: “Quem não é por mim é contra mim”, e “Ninguém vem ao Pai senão por Mim”. A mensagem do evangelho abrange três elementos distintos: um anuncio, um mandamento e um chamamento. Ela anuncia as boas novas da redenção cumprida mediante a misericórdia, ela ordena aos homens que se arrependam e os chama para se renderem aos termos de graça, crendo em Jesus Cristo como Senhor e Salvador.
Temos todos de decidir se obedeceremos ao evangelho ou nos afastaremos dele, incrédulos, rejeitando a sua autoridade. A escolha é nossa, mas as consequencias já foram determinadas pela vontade soberana de Deus, e dela não poderemos apelar.
O Senhor desceu dos céus,
E os deixou bem lá no alto,
Sob os Seus pés lançou
As trevas do firmamento.
Sobre querubins e serafins,
Com toda majestade Se apresentou
E nas asas de bentos poderosos,
Veio carregado de longe,
Ele sentou-Se sereno sobre as águas,
Restringindo a sua fúria;
E como soberano Senhor e Rei,
Para sempre reinará.
Paráfrase do Salmo,
por THOMAS STERNHOLD
Retirado do Livro “Mais perto de Deus” Tozer, A.W. Editora Mundo Cristão. Um livro sobre os atributos de Deus.
Fontes: http://arminianos.wordpress.com/2011/06/12/a-soberania-de-deus-%E2%80%93-a-w-tozer/

sábado, 16 de agosto de 2014

Rob Rock: Um pouco da sua História


Rob Rock é considerado uns dos melhores vocalistas do Heavy Metal Mundial, sendo chamado de 'The Voice of Melodic Metal "A Voz do Metal Melódico", tanto no metal secular quanto no cristão.

Aqui abaixo vai um pouco da sua história:

Rob Rock nasceu em um lar Cristão e ia pra igreja toda semana e nas quartas para o estudo bíblico, mas em sua adolescência tinha o sonho de ser um "Rockstar", então esquecendo do Senhor, foi atrás do seu sonho e nos anos 80's, Depois de fazer vários shows de forma underground na região em que vivia, após um tempo ele foi chamado para uma banda que estava se formando em Los Angeles com membros da banda de Ozzy Osbourne:
Rudy Sarzo no baixo, Tommy Aldrige na bateria e na guitarra Tony MacAlpine.  Rob Rock aceitou o desafio, largou tudo  e foi atrás do seu sonho. Chegando  a gravar com essa banda  e partir pra turnê mundial excursionando com o Whitesnake em 1987.

Mas aconteceu o que ele não esperava, quando o Dave Coverdale do whitesnake precisou de uma banda. Ele disse: "Rudy e Tommy, tenho uma oferta irrecusável, venham comigo e foi o que aconteceu. Eles deixaram a banda pra se juntarem ao Whitesnake.

Depois de ficar, desorientado, sem banda, sem conhecer ninguém, O Rob Rock lembrou de suas origens, lembrou do senhor e levou  uns puxões de orelhas rs e decidiu que: o que ele escreveria  e o que cantaria seria  feito para o Senhor.

Depois de um tempo, o Rob Rock fez o teste para ser vocalista do Joshua e foi aceito, chegando a gravar um álbum e formar grandes amizades cristãs. Infelizmente a banda acabou, mas depois de um tempo ele recebeu uma ligação do Impellitteri com qual já tinha tocado em seu início de carreira. O Chris disse: eu vou tocar assim e você pode cantar o que quiser, pois o impellitteri não era uma banda cristã, dai o Rob Rock decidiu e disse: vou usar isso para o senhor.  Vou tentar alcançar garotos que nunca tiveram uma chance, ou a quem nunca seria exposto nada cristão, se eles não  ouviram ainda esse tipo de heavy metal.

 Então o Rob Rock começou a escrever letras com significados bíblicos com referências ao Apocalipse, ao fim do mundo, o que combina com o heavy metal. Chegando a gravar vários álbuns com o Impellitteri, mas nos anos 2000, recebeu a proposta de gravar um álbum solo e assim começou sua carreira solo, gravando pela JVC do Japão. Chegando a se apresentar pelo mundo todo: Europa, Japão, grande festivais nos EUA e América do Sul. 

Uma frase marcante que o Rob Rock disse foi : "Quando você mantém o seu foco na Bíblia, todas as manhãs, todos os dias E se está em um contato próximo com o Senhor, Ele vai te mostrar o caminho certo."
Assistam o testemunho "legendado" do Rock Rock.
https://www.youtube.com/watch?v=0cNa0RaCLpU

 
;