sábado, 27 de novembro de 2010 1 comentários

JON FOREMAN (SWITCHFOOT): O QUE AS IGREJAS PODEM APRENDER COM OS BARES?

Por: Jon Foreman

Eu tenho tocado música nas igrejas e bares a vida toda. Em muitos aspectos, há muita semelhança nesses dois lugares.

Ambos os grupos dos “ajustados” estão à procura de sentido, realizando uma espécie de ritual, na esperança de encontrar um propósito, algo que extraia da dor algum sentido.

À primeira vista, a Igreja parece um lugar melhor para se procurar esperança do que o fundo de uma garrafa. Todos os dias, alcoolismo e vício de drogas destroem famílias, arruinam carreiras e naufragam comunidades. Por outro lado, as crenças teológicas e mal-entendidos foram responsáveis por divisões, divórcios e guerras ao redor do mundo. O problema com cada instituição está dentro de nós. É verdade, o álcool alimenta um fogo diferente do sentimento de piedade, mas nem bêbados  nem hipócritas parecem muito bons à luz do dia.

Nós levamos nossos problemas para a igreja da mesma maneira que carregamo-os para dentro de um bar – eles só reagem de forma diferente em cada lugar. Infelizmente, os pecados que existem dentro das paredes da Igreja são mais difíceis de detectar.

O orgulho, por exemplo, pode ser, incrivelmente bem escondido na comunidade religiosa. Eu raramente ouço as palavras “Eu não sei”, proferida na igreja. E, ainda assim, o trino Criador do tempo e do espaço será sempre envolto em mistério e santidade. Por que não começar no banco de humildade? Certamente todos nós temos conseguido algumas coisas erradas em nossas tentativas de cristianismo.

Não é o orgulho que causa divisões entre nós? Quando começamos a caluniar outros cristãos em nome de Deus, sabemos que estamos perdendo a noção. Será que as palavras de nosso Mestre está caindo em ouvidos surdos? “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei.” “Que eles sejam um, Pai, assim como nós somos um.” Esses pensamentos não são opcionais sobre como as coisas poderiam ser, mas sim pré-requisitos para uma vida que vai entrar no Reino dos Céus. A unidade é coisa séria. A Igreja é chamada a ser uma, como o Deus trino é um só. A salvação completa do nosso planeta é construída sobre a unidade final da Igreja e seu Deus: a noiva e seu Salvador.

Infelizmente, a unidade no seio da comunidade eclesial é a exceção, não a regra. É uma vergonha para nós que muitas dessas pessoas desesperadas estejam encontrando mais graça no bar local do que na igreja local. Quando falamos com raiva e fogo  que queima de forma diferente do ar fresco da cruz, fazemos um desserviço ao Evangelho. Nós sabemos que no fundo algo está errado. Então nos revoltamos contra os que fazem discursos inflamados. Nós dizemos que o método precisa mudar. Nós chamamos o modelo antigo irrelevante. E sim! O vento fresco do Espírito está pronto para explodir em cima de nós, vamos orar por novas línguas na mesma chama eterna.

E ainda que eu falasse as línguas dos anjos e dos homens, se não tivesse amor, de nada isso valeria. Se eu me levantar contra o clichê das camisetas cristãs e não tiver amor, isso não ajuda ninguém. Se eu odeio o ódio legalista, mas não tenho amor, nada se constrói. O inimigo nos enganou em uma nova forma de legalismo? Nosso julgamento não é tão errado quanto? Ah, nós podemos ter encontrado um caminho, mas isso não é amor.

Andando sob a fronteira entre bares e Igreja, eu fui mal interpretado por ambos os lados. Tenho certeza que você sentiu a mesma coisa: as pessoas jogam pedras em coisas que não entendem. Mas a pedra dói mais ainda quando ela vem de irmãos bem-intencionados, pessoas que, supostamente estão cheios do amor de Cristo. Nossa reação instintiva é de revidar, se defender. E o ciclo começa novamente. Olho por olho, dente por dente. Deus vai cuidar do cisco no olho do meu vizinho. Quanto mais eu tenho fé em Deus e sua voz forte, menos eu tenho que gritar. Quanto mais eu tenho fé nele, mais livre minhas mãos se tornam para servir os que me rodeiam.

Lavar os pés não é um crédito extra. Somos chamados a suportar as cargas uns dos outros. A unidade é uma conquista milagrosa, mas está pendendo para este lado da sepultura. A unidade é o trabalho transformador do poder da cruz em nossas vidas. Nossas diferenças são mínimas. Olhe de um jeito diferente para cruz. Veja o quanto Ele o ama. Veja Sua entrega, Seu sacrifício. A unidade entra em foco somente quando percebemos a magnífica graça do Salvador.

Vamos reconhecer nossa necessidade, nosso belo desespero. Sim, a nossa irresponsabilidade, dor, miséria, é um pré-requisito para o bálsamo da salvação. Nós, o povo, os fracassados, os perdedores, os de fora, nós encontramos o nosso rei. Cristo, o Rei dos tolos, o Senhor dos doentes, das almas perdidas como nós. Vamos permanecer em contínuo temor ao amor que temos demonstrado. E vamos amar! Vamos celebrar o amor imprudente de quem arriscou tudo o que podia, para que pudéssemos ser amados. E vamos seguir o caminho de um Deus que nos ama. Os cobradores de impostos e rabinos. As prostitutas e os Saduceus. Nos bares e nas igrejas. Sim, Deus ama até mesmo os cristãos.

Fonte: Relevant Magazine
Tradução: Solomon
Via: Guia-me
sexta-feira, 26 de novembro de 2010 0 comentários

Haste the Day - Anuncia o seu fim em 2011


Depois de dez anos na estrada o quinteto Haste The Day anunciou que estará encerrando as atividades em 2011. A notícia foi dada pelo baixista do grupo Mike Murphy, único integrante da banda que está desde a sua formação. Confira abaixo a declaração que Murphy publicou no site oficial da banda:
“É muito dificil falar isso, mas o Haste The Day fará sua última turnê entre os meses de Fevereiro – Março 2011. Foram 10 anos incríveis e eu gostaria de agradecer aos nossos fãs que estiveram do nosso lado durante as mudanças e o crescimento da banda. Essa banda seria nada sem vocês. Há uma série de motivos que podem explicar o fim da banda, mas acima de tudo isso, sentimos que criamos as melhores músicas que poderíamos criar e acreditamos que esta é a hora de seguir para o próximo passo nas nossas vidas. Eu lembro quando essa banda começou há uma década atrás, queríamos ser igual as outras bandas da Solid State/Tooth & Nail que a gente cresceu idolatrando. Queríamos usar a nossa paixão pela música pesada e o amor que Deus colocou em nós para iluminar a cena underground; falando para as pessoas que elas são amadas, importantes, perdoadas independente do que fizeram, e capazes de usarem os seus dons para os outros homens. Eu nunca imaginei que iriamos lançar cinco full-lengths, turnês pelo mundo, e desenvolver tantos relacionamentos significantes com pessoas que foram aos shows. Sem o seu apoio, isso não seria possível.
A turnê 12 Days of Christmas acontecerá em cidades onde não vamos passar na nossa última turnê, portanto, compareçam aos shows para se despedir da gente. A nossa última turnê será fantástica, estamos levando conosco nossos amigos do My Children My Bride, The Chariot e A Plea For Purging pelos EUA e Canadá. Vamos tocar músicas de todos os nossos álbuns, inclusive todas as favoritas dos fãs, músicas que raramente tocamos, e outras só para vocês implorarem para a gente continuar. Eu não tenho nenhuma dúvida de que esta será a melhor turnê que já fizemos, mal podemos esperar pela hora de ver todos vocês, para nos despedirmos.
Amamos vocês, muito obrigado por tudo que fizeram por nós, e não vemos a hora de nos encontrarmos por uma última vez em 2011! Gostaríamos de pedir para que cada um continue queimando aquela chama interna para mostrar ao resto do mundo!
Muito amor para todos vocês,
Mike Murphy & Haste The Day”
quinta-feira, 25 de novembro de 2010 0 comentários

IV- BolaCore

ai Galera esse evento Underground que acontece no Bola de Neve Church
na Cidade de Campina grande  que tem o obejtivo de levar a Palavra de Deus
ao meio underground !
em 1 ano de Evento já está na IV edição pra Glória de Deus!
Esse evento irá contar com as bandas

Skkip-Hc (NATAL)
Ecum -PopPunk -(NATAL)
ATHAR -METALCORE (PARAÍBA)
então vamos prestegiar e ser abençõados!!




segunda-feira, 22 de novembro de 2010 3 comentários

igreja evangélica -Proibi o uso do USB!

Para seguidores de um culto no estado de São Paulo, tecnologia


A tecnologia USB foi proibida em um templo no interior de São Paulo. O
líder do culto afirma que o símbolo padronizado para representar o USB é
parecido com um tridente, e por isso seria um artifício do Demônio.

Welder Saldanha, fundador do templo, vetou a utilização para aqueles 
que seguem seus ensinamentos. "O símbolo disso (ele se recusa a 
pronunciar o nome da tecnologia) é um tridente, que é usado para 
torturar as almas que vão para o inferno. Isso mostra que todos os 
usuários dessa tecnologia são adoradores do Satã" – afirma ele.

Para acalorar ainda mais a polêmica, o pastor ainda explicitou que o 
Bluetooth seria algo divino. Por quê? Porque o seu símbolo é azul, “a 
cor dos olhos do nosso salvador Jesus Cristo”, completa Saldanha. Pelo 
menos as pessoas que vão ao templo ainda têm uma forma de trocar dados, 
não é mesmo?
Fonte: fonte

Sinceramente galera eu não sei onde vai parar a igreja evangélica brasileira
USB coisa do capeta???ha vá catar coquinho manoo ¬¬'
temos de tudo hoje em dia sex chop gospel,usb do capeta,filme porno gospel..
sinceramente tenho orgulho de não ser mais  evangélico!
sou Protestante!Graças a Deus por isso!
enfim...
Sola Scriptura!
sexta-feira, 19 de novembro de 2010 1 comentários

Stryper - divulga a capa de novo álbum


A banda Stryper acaba de divulgar a capa de seu novo álbum The Covering , confira abaixo. Informações http://www.stryper.com

As músicas presentes no álbum são:
01. SWEET - "Set Me Free"
02. SCORPIONS - "Blackout"
03. BLACK SABBATH - "Heaven and Hell"
04. UFO - "Lights Out"
05. KANSAS - "Carry On Wayward Son"
06. DEEP PURPLE - "Highway Star"
07. KISS - "Shout It Out Loud"
08. OZZY OSBOURNE - "Over The Mountain"
09. Iron Maiden - "The Trooper"
10. JUDAS PRIEST - "Breaking The Law"
11. VAN HALEN - "On Fire"
12. LED ZEPPELIN - "Immigrant Song"
13. God


Fonte: Metal Land
quinta-feira, 18 de novembro de 2010 0 comentários

Uma breve reflexão sobre a perseguição aos evangélicos no Brasil


As primeiras informações que retratam de forma efetiva a perseguição religiosa no Brasil se remota a 1557, quando os huguenotes (calvinistas franceses) chegaram ao Rio de Janeiro  com o propósito de ajudar a estabelecer um refúgio para os calvinistas perseguidos na França.

Em 10 de março de 1557, os protestantes franceses celebraram o primeiro culto evangélico do Brasil e no dia 21 de março celebraram a primeira Santa Ceia. Todavia, pouco tempo depois Villegaignon entrou em conflito com as calvinistas acerca dos sacramentos e os expulsou da pequena ilha em que se encontravam.  Alguns meses depois, os colonos reformados embarcaram de volta para a França. Quando o navio ameaçou naufragar por excesso de passageiros e por ter pouca comida, cinco deles resolveram  regressar.  Esses cinco se sacrificaram em favor dos seus irmãos na fé. Assim que chegaram em terra foram presos: Jean du Bordel, Matthieu Verneuil, Pierre Bourdon, André Lafon e Jacques le Balleur. Pressionados por Villegaignon, foram obrigados a professar por escrito sua fé, no prazo de doze horas, respondendo uma série de perguntas que lhes foram entregues. Eles assim o fizeram, e escreveram a primeira confissão de fé na América, sabendo que com ela estavam assinando a própria sentença de morte. Essa maravilhosa declaração de fé é conhecida como a "Confissão de Fé da Guanabara" (1558). Em seguida, os três primeiros foram mortos e Lafon, o único alfaiate da colônia, teve a vida poupada. Os mártires do evangelho foram enforcados e seus corpos atirados de um despenhadeiro. Balleur fugiu para São Vicente, SP, foi preso e levado para Salvador (1559-67), sendo mais tarde enforcado no Rio de Janeiro, quando os últimos franceses foram expulsos.

Quase 100 anos depois, os holandeses criaram a Companhia das Índias Ocidentais com o objetivo de conquistar e colonizar territórios da Espanha nas Américas, especialmente uma rica região açucareira: o nordeste do Brasil. Em 1624, os holandeses tomaram Salvador, a capital do Brasil, mas foram expulsos no ano seguinte. Finalmente, em 1630 eles tomaram Recife e Olinda e depois boa parte do Nordeste.  Neste periodo João Maurício de Nassau-Siegen, que governou esta região entre 1637 a 1644,  concedeu uma boa medida de liberdade religiosa aos residentes católicos e judeus.  Sob os holandeses, a Igreja Reformada era oficial. Foram criadas vinte e duas igrejas locais e congregações, dois presbitérios (Pernambuco e Paraíba) e até mesmo um sínodo, o Sínodo do Brasil (1642-1646). Mais de cinquenta pastores ou "predicantes" serviram essas comunidades. A Igreja Reformada realizou uma admirável obra missionária junto aos indígenas. Além de pregação, ensino e beneficência, foi preparado um catecismo na língua nativa. Outros projetos incluíam a tradução da Bíblia e a futura ordenação de pastores indígenas. Em 1654, após quase dez anos de luta, os holandeses foram expulsos, transferindo-se para o Caribe. Os judeus que os acompanhavam foram para Nova Amsterdã, a futura Nova York.

 Desde então, não se sabe de relatos de cultos protestantes no Brasil. No entanto,  com a chegada da família real a terras tupiniquins e com a abertura dos portos  as nações amigas,  as confissões protestantes começaram paulatinamente a chegar ao país. Os Anglicanos chegaram em 1811, os luteranos em 1824, os Congregacionais em 1855, os presbiterianos em 1859, e  os batistas em 1871. Todavia, em virtude da constituição de 1824 outorgada por D. Pedro I, que afirmava ser o catolicismo romano a religião oficial do Brasil, os protestantes não possuiam direito a cultos públicos em lingua portuguêsa, além é claro de não terem permitidos a construção de templos com aparência religiosa.

Já no governo de  Dom Pedro II , (mesmo o imperador possuindo uma grande simpatia pelos protestantes), não era nada fácil afirmar publicamente a fé nos pressupostos cristãos, mesmo porque, a religião oficial do Estado imprimia  forte perseguição religiosa aos evangélicos.

Com a Proclamação da República, o Estado Brasileiro deixou oficialmente de ser Católico Romano permitindo assim com que os protestantes tivessem direito a culto. Todavia, como não poderia deixar de ser, a maioria da população ainda desenvolvia um significativo preconceito para com aqueles que se diziam cristãos protestantes. A consequência direta disso foi a  aniquilação de  inúmeras templos evangélicos, que de forma covarde foram  destruidos pelo fogo. Dentre estes, encontra-se a 1ª  Igreja Batista de Niterói, que em 14 de abril de 1901, teve  seus móveis, púlpito, pertences e diversos utensílios queimados em plena rua, além de sua sede destruída.

Durante a primeira metade do século XX, os crentes em Jesus foram estigmatizados e denominados pelo clero romano como hereges sofrendo por conseguinte ofensas morais, onde atributos pejorativos lhes eram destinados. Junta-se a isso, o fato de que muitos por causa da sua  crença sofreram no corpo agressões físicas por não professarem a fé dos sacerdotes romanos. Na segunda metade do século XX a perseguição se deu de forma velada mediante os meios de comunicação que a todo custo vendiam a sociedade brasileira a imagem de uma igreja burra, ignorante e manipuladora da fé alheia.
Caro leitor, a constituição de 1988 nos garante liberdade de fé e religião.  O artigo 5º da Carta Magna diz que ´"É inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias." Todavia, os cristãos evangélicos correm o risco de sofrerem novas perseguições substanciais em virtude do projeto de lei 122 que tramita na Congresso Nacional que se aprovado irá criminalizar àqueles que  manifestam suas opiniões religiosas contrárias ao casamento gay.

Vale a pena ressaltar que a fé protestante não defende a homofobia. Na verdade, nós cristãos-evangélicos somos contrários a todo tipo de violência física condenando veementemente aqueles que atentam contra a vida de quem quer que seja. Todavia, acreditamos também que possuímos o direito irrevogável e constitucional de expor publicamente nossa fé conforme claramente afirma a nossa carta magna.

Isto posto, oro ao Senhor nosso Deus que estenda a mão sobre o Brasil livrando a sociedade brasileira de uma lei que sem sombra de dúvida promoverá mais uma severa perseguição religiosa no Brasil.

Soli Deo Gloria,
Renato Vargens

sábado, 27 de novembro de 2010

JON FOREMAN (SWITCHFOOT): O QUE AS IGREJAS PODEM APRENDER COM OS BARES?

Por: Jon Foreman

Eu tenho tocado música nas igrejas e bares a vida toda. Em muitos aspectos, há muita semelhança nesses dois lugares.

Ambos os grupos dos “ajustados” estão à procura de sentido, realizando uma espécie de ritual, na esperança de encontrar um propósito, algo que extraia da dor algum sentido.

À primeira vista, a Igreja parece um lugar melhor para se procurar esperança do que o fundo de uma garrafa. Todos os dias, alcoolismo e vício de drogas destroem famílias, arruinam carreiras e naufragam comunidades. Por outro lado, as crenças teológicas e mal-entendidos foram responsáveis por divisões, divórcios e guerras ao redor do mundo. O problema com cada instituição está dentro de nós. É verdade, o álcool alimenta um fogo diferente do sentimento de piedade, mas nem bêbados  nem hipócritas parecem muito bons à luz do dia.

Nós levamos nossos problemas para a igreja da mesma maneira que carregamo-os para dentro de um bar – eles só reagem de forma diferente em cada lugar. Infelizmente, os pecados que existem dentro das paredes da Igreja são mais difíceis de detectar.

O orgulho, por exemplo, pode ser, incrivelmente bem escondido na comunidade religiosa. Eu raramente ouço as palavras “Eu não sei”, proferida na igreja. E, ainda assim, o trino Criador do tempo e do espaço será sempre envolto em mistério e santidade. Por que não começar no banco de humildade? Certamente todos nós temos conseguido algumas coisas erradas em nossas tentativas de cristianismo.

Não é o orgulho que causa divisões entre nós? Quando começamos a caluniar outros cristãos em nome de Deus, sabemos que estamos perdendo a noção. Será que as palavras de nosso Mestre está caindo em ouvidos surdos? “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei.” “Que eles sejam um, Pai, assim como nós somos um.” Esses pensamentos não são opcionais sobre como as coisas poderiam ser, mas sim pré-requisitos para uma vida que vai entrar no Reino dos Céus. A unidade é coisa séria. A Igreja é chamada a ser uma, como o Deus trino é um só. A salvação completa do nosso planeta é construída sobre a unidade final da Igreja e seu Deus: a noiva e seu Salvador.

Infelizmente, a unidade no seio da comunidade eclesial é a exceção, não a regra. É uma vergonha para nós que muitas dessas pessoas desesperadas estejam encontrando mais graça no bar local do que na igreja local. Quando falamos com raiva e fogo  que queima de forma diferente do ar fresco da cruz, fazemos um desserviço ao Evangelho. Nós sabemos que no fundo algo está errado. Então nos revoltamos contra os que fazem discursos inflamados. Nós dizemos que o método precisa mudar. Nós chamamos o modelo antigo irrelevante. E sim! O vento fresco do Espírito está pronto para explodir em cima de nós, vamos orar por novas línguas na mesma chama eterna.

E ainda que eu falasse as línguas dos anjos e dos homens, se não tivesse amor, de nada isso valeria. Se eu me levantar contra o clichê das camisetas cristãs e não tiver amor, isso não ajuda ninguém. Se eu odeio o ódio legalista, mas não tenho amor, nada se constrói. O inimigo nos enganou em uma nova forma de legalismo? Nosso julgamento não é tão errado quanto? Ah, nós podemos ter encontrado um caminho, mas isso não é amor.

Andando sob a fronteira entre bares e Igreja, eu fui mal interpretado por ambos os lados. Tenho certeza que você sentiu a mesma coisa: as pessoas jogam pedras em coisas que não entendem. Mas a pedra dói mais ainda quando ela vem de irmãos bem-intencionados, pessoas que, supostamente estão cheios do amor de Cristo. Nossa reação instintiva é de revidar, se defender. E o ciclo começa novamente. Olho por olho, dente por dente. Deus vai cuidar do cisco no olho do meu vizinho. Quanto mais eu tenho fé em Deus e sua voz forte, menos eu tenho que gritar. Quanto mais eu tenho fé nele, mais livre minhas mãos se tornam para servir os que me rodeiam.

Lavar os pés não é um crédito extra. Somos chamados a suportar as cargas uns dos outros. A unidade é uma conquista milagrosa, mas está pendendo para este lado da sepultura. A unidade é o trabalho transformador do poder da cruz em nossas vidas. Nossas diferenças são mínimas. Olhe de um jeito diferente para cruz. Veja o quanto Ele o ama. Veja Sua entrega, Seu sacrifício. A unidade entra em foco somente quando percebemos a magnífica graça do Salvador.

Vamos reconhecer nossa necessidade, nosso belo desespero. Sim, a nossa irresponsabilidade, dor, miséria, é um pré-requisito para o bálsamo da salvação. Nós, o povo, os fracassados, os perdedores, os de fora, nós encontramos o nosso rei. Cristo, o Rei dos tolos, o Senhor dos doentes, das almas perdidas como nós. Vamos permanecer em contínuo temor ao amor que temos demonstrado. E vamos amar! Vamos celebrar o amor imprudente de quem arriscou tudo o que podia, para que pudéssemos ser amados. E vamos seguir o caminho de um Deus que nos ama. Os cobradores de impostos e rabinos. As prostitutas e os Saduceus. Nos bares e nas igrejas. Sim, Deus ama até mesmo os cristãos.

Fonte: Relevant Magazine
Tradução: Solomon
Via: Guia-me

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Haste the Day - Anuncia o seu fim em 2011


Depois de dez anos na estrada o quinteto Haste The Day anunciou que estará encerrando as atividades em 2011. A notícia foi dada pelo baixista do grupo Mike Murphy, único integrante da banda que está desde a sua formação. Confira abaixo a declaração que Murphy publicou no site oficial da banda:
“É muito dificil falar isso, mas o Haste The Day fará sua última turnê entre os meses de Fevereiro – Março 2011. Foram 10 anos incríveis e eu gostaria de agradecer aos nossos fãs que estiveram do nosso lado durante as mudanças e o crescimento da banda. Essa banda seria nada sem vocês. Há uma série de motivos que podem explicar o fim da banda, mas acima de tudo isso, sentimos que criamos as melhores músicas que poderíamos criar e acreditamos que esta é a hora de seguir para o próximo passo nas nossas vidas. Eu lembro quando essa banda começou há uma década atrás, queríamos ser igual as outras bandas da Solid State/Tooth & Nail que a gente cresceu idolatrando. Queríamos usar a nossa paixão pela música pesada e o amor que Deus colocou em nós para iluminar a cena underground; falando para as pessoas que elas são amadas, importantes, perdoadas independente do que fizeram, e capazes de usarem os seus dons para os outros homens. Eu nunca imaginei que iriamos lançar cinco full-lengths, turnês pelo mundo, e desenvolver tantos relacionamentos significantes com pessoas que foram aos shows. Sem o seu apoio, isso não seria possível.
A turnê 12 Days of Christmas acontecerá em cidades onde não vamos passar na nossa última turnê, portanto, compareçam aos shows para se despedir da gente. A nossa última turnê será fantástica, estamos levando conosco nossos amigos do My Children My Bride, The Chariot e A Plea For Purging pelos EUA e Canadá. Vamos tocar músicas de todos os nossos álbuns, inclusive todas as favoritas dos fãs, músicas que raramente tocamos, e outras só para vocês implorarem para a gente continuar. Eu não tenho nenhuma dúvida de que esta será a melhor turnê que já fizemos, mal podemos esperar pela hora de ver todos vocês, para nos despedirmos.
Amamos vocês, muito obrigado por tudo que fizeram por nós, e não vemos a hora de nos encontrarmos por uma última vez em 2011! Gostaríamos de pedir para que cada um continue queimando aquela chama interna para mostrar ao resto do mundo!
Muito amor para todos vocês,
Mike Murphy & Haste The Day”

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

IV- BolaCore

ai Galera esse evento Underground que acontece no Bola de Neve Church
na Cidade de Campina grande  que tem o obejtivo de levar a Palavra de Deus
ao meio underground !
em 1 ano de Evento já está na IV edição pra Glória de Deus!
Esse evento irá contar com as bandas

Skkip-Hc (NATAL)
Ecum -PopPunk -(NATAL)
ATHAR -METALCORE (PARAÍBA)
então vamos prestegiar e ser abençõados!!




segunda-feira, 22 de novembro de 2010

igreja evangélica -Proibi o uso do USB!

Para seguidores de um culto no estado de São Paulo, tecnologia


A tecnologia USB foi proibida em um templo no interior de São Paulo. O
líder do culto afirma que o símbolo padronizado para representar o USB é
parecido com um tridente, e por isso seria um artifício do Demônio.

Welder Saldanha, fundador do templo, vetou a utilização para aqueles 
que seguem seus ensinamentos. "O símbolo disso (ele se recusa a 
pronunciar o nome da tecnologia) é um tridente, que é usado para 
torturar as almas que vão para o inferno. Isso mostra que todos os 
usuários dessa tecnologia são adoradores do Satã" – afirma ele.

Para acalorar ainda mais a polêmica, o pastor ainda explicitou que o 
Bluetooth seria algo divino. Por quê? Porque o seu símbolo é azul, “a 
cor dos olhos do nosso salvador Jesus Cristo”, completa Saldanha. Pelo 
menos as pessoas que vão ao templo ainda têm uma forma de trocar dados, 
não é mesmo?
Fonte: fonte

Sinceramente galera eu não sei onde vai parar a igreja evangélica brasileira
USB coisa do capeta???ha vá catar coquinho manoo ¬¬'
temos de tudo hoje em dia sex chop gospel,usb do capeta,filme porno gospel..
sinceramente tenho orgulho de não ser mais  evangélico!
sou Protestante!Graças a Deus por isso!
enfim...
Sola Scriptura!

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Stryper - divulga a capa de novo álbum


A banda Stryper acaba de divulgar a capa de seu novo álbum The Covering , confira abaixo. Informações http://www.stryper.com

As músicas presentes no álbum são:
01. SWEET - "Set Me Free"
02. SCORPIONS - "Blackout"
03. BLACK SABBATH - "Heaven and Hell"
04. UFO - "Lights Out"
05. KANSAS - "Carry On Wayward Son"
06. DEEP PURPLE - "Highway Star"
07. KISS - "Shout It Out Loud"
08. OZZY OSBOURNE - "Over The Mountain"
09. Iron Maiden - "The Trooper"
10. JUDAS PRIEST - "Breaking The Law"
11. VAN HALEN - "On Fire"
12. LED ZEPPELIN - "Immigrant Song"
13. God


Fonte: Metal Land

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Uma breve reflexão sobre a perseguição aos evangélicos no Brasil


As primeiras informações que retratam de forma efetiva a perseguição religiosa no Brasil se remota a 1557, quando os huguenotes (calvinistas franceses) chegaram ao Rio de Janeiro  com o propósito de ajudar a estabelecer um refúgio para os calvinistas perseguidos na França.

Em 10 de março de 1557, os protestantes franceses celebraram o primeiro culto evangélico do Brasil e no dia 21 de março celebraram a primeira Santa Ceia. Todavia, pouco tempo depois Villegaignon entrou em conflito com as calvinistas acerca dos sacramentos e os expulsou da pequena ilha em que se encontravam.  Alguns meses depois, os colonos reformados embarcaram de volta para a França. Quando o navio ameaçou naufragar por excesso de passageiros e por ter pouca comida, cinco deles resolveram  regressar.  Esses cinco se sacrificaram em favor dos seus irmãos na fé. Assim que chegaram em terra foram presos: Jean du Bordel, Matthieu Verneuil, Pierre Bourdon, André Lafon e Jacques le Balleur. Pressionados por Villegaignon, foram obrigados a professar por escrito sua fé, no prazo de doze horas, respondendo uma série de perguntas que lhes foram entregues. Eles assim o fizeram, e escreveram a primeira confissão de fé na América, sabendo que com ela estavam assinando a própria sentença de morte. Essa maravilhosa declaração de fé é conhecida como a "Confissão de Fé da Guanabara" (1558). Em seguida, os três primeiros foram mortos e Lafon, o único alfaiate da colônia, teve a vida poupada. Os mártires do evangelho foram enforcados e seus corpos atirados de um despenhadeiro. Balleur fugiu para São Vicente, SP, foi preso e levado para Salvador (1559-67), sendo mais tarde enforcado no Rio de Janeiro, quando os últimos franceses foram expulsos.

Quase 100 anos depois, os holandeses criaram a Companhia das Índias Ocidentais com o objetivo de conquistar e colonizar territórios da Espanha nas Américas, especialmente uma rica região açucareira: o nordeste do Brasil. Em 1624, os holandeses tomaram Salvador, a capital do Brasil, mas foram expulsos no ano seguinte. Finalmente, em 1630 eles tomaram Recife e Olinda e depois boa parte do Nordeste.  Neste periodo João Maurício de Nassau-Siegen, que governou esta região entre 1637 a 1644,  concedeu uma boa medida de liberdade religiosa aos residentes católicos e judeus.  Sob os holandeses, a Igreja Reformada era oficial. Foram criadas vinte e duas igrejas locais e congregações, dois presbitérios (Pernambuco e Paraíba) e até mesmo um sínodo, o Sínodo do Brasil (1642-1646). Mais de cinquenta pastores ou "predicantes" serviram essas comunidades. A Igreja Reformada realizou uma admirável obra missionária junto aos indígenas. Além de pregação, ensino e beneficência, foi preparado um catecismo na língua nativa. Outros projetos incluíam a tradução da Bíblia e a futura ordenação de pastores indígenas. Em 1654, após quase dez anos de luta, os holandeses foram expulsos, transferindo-se para o Caribe. Os judeus que os acompanhavam foram para Nova Amsterdã, a futura Nova York.

 Desde então, não se sabe de relatos de cultos protestantes no Brasil. No entanto,  com a chegada da família real a terras tupiniquins e com a abertura dos portos  as nações amigas,  as confissões protestantes começaram paulatinamente a chegar ao país. Os Anglicanos chegaram em 1811, os luteranos em 1824, os Congregacionais em 1855, os presbiterianos em 1859, e  os batistas em 1871. Todavia, em virtude da constituição de 1824 outorgada por D. Pedro I, que afirmava ser o catolicismo romano a religião oficial do Brasil, os protestantes não possuiam direito a cultos públicos em lingua portuguêsa, além é claro de não terem permitidos a construção de templos com aparência religiosa.

Já no governo de  Dom Pedro II , (mesmo o imperador possuindo uma grande simpatia pelos protestantes), não era nada fácil afirmar publicamente a fé nos pressupostos cristãos, mesmo porque, a religião oficial do Estado imprimia  forte perseguição religiosa aos evangélicos.

Com a Proclamação da República, o Estado Brasileiro deixou oficialmente de ser Católico Romano permitindo assim com que os protestantes tivessem direito a culto. Todavia, como não poderia deixar de ser, a maioria da população ainda desenvolvia um significativo preconceito para com aqueles que se diziam cristãos protestantes. A consequência direta disso foi a  aniquilação de  inúmeras templos evangélicos, que de forma covarde foram  destruidos pelo fogo. Dentre estes, encontra-se a 1ª  Igreja Batista de Niterói, que em 14 de abril de 1901, teve  seus móveis, púlpito, pertences e diversos utensílios queimados em plena rua, além de sua sede destruída.

Durante a primeira metade do século XX, os crentes em Jesus foram estigmatizados e denominados pelo clero romano como hereges sofrendo por conseguinte ofensas morais, onde atributos pejorativos lhes eram destinados. Junta-se a isso, o fato de que muitos por causa da sua  crença sofreram no corpo agressões físicas por não professarem a fé dos sacerdotes romanos. Na segunda metade do século XX a perseguição se deu de forma velada mediante os meios de comunicação que a todo custo vendiam a sociedade brasileira a imagem de uma igreja burra, ignorante e manipuladora da fé alheia.
Caro leitor, a constituição de 1988 nos garante liberdade de fé e religião.  O artigo 5º da Carta Magna diz que ´"É inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias." Todavia, os cristãos evangélicos correm o risco de sofrerem novas perseguições substanciais em virtude do projeto de lei 122 que tramita na Congresso Nacional que se aprovado irá criminalizar àqueles que  manifestam suas opiniões religiosas contrárias ao casamento gay.

Vale a pena ressaltar que a fé protestante não defende a homofobia. Na verdade, nós cristãos-evangélicos somos contrários a todo tipo de violência física condenando veementemente aqueles que atentam contra a vida de quem quer que seja. Todavia, acreditamos também que possuímos o direito irrevogável e constitucional de expor publicamente nossa fé conforme claramente afirma a nossa carta magna.

Isto posto, oro ao Senhor nosso Deus que estenda a mão sobre o Brasil livrando a sociedade brasileira de uma lei que sem sombra de dúvida promoverá mais uma severa perseguição religiosa no Brasil.

Soli Deo Gloria,
Renato Vargens
 
;