sábado, 31 de julho de 2010 0 comentários

Bíblia traduzida chega à República do Congo


Bíblia traduzida chega à República do CongoSão profundas as feridas da guerra na República Democrática do Congo. As tensões são tão variadas como as tribos que vivem na região. Por isso, cristãos lutam para traduzir a Bíblia aos nativos. Entre os mais de 3,6 milhões de habitantes da República, há 62 línguas vivas faladas, de acordo com o Ethnologue SIL Internacional. Além disso, mais de 200 grupos étnicos africanos são encontrados no país.

No Norte, existe uma unidade da Wycliffe Associates. O presidente da organização, Bruce Smith, explica que agora é o momento para atacar. “Por causa da paz em curso nesta área e das oportunidades que temos de fazer esse investimento, nós queremos ter certeza de que podemos equipar a população local para fazer a tradução da Bíblia".

Isso é o que Wycliffe Associates faz de melhor. A organização internacional mobiliza voluntários e recursos em apoio aos esforços de tradução da Bíblia.

A Bíblia no Congo será fundamental para a pacificação. "Todos esses conflitos étnicos só vão ser alterados e impactados quando a Palavra de Deus e Deus mudar de verdade os corações e as mentes das pessoas".

Wycliffe Associates observa que, devido à grande necessidade de tradução, a maneira mais eficaz para acelerar o acesso à Bíblia nas línguas do país é equipando e envolvendo cidadãos em todos os níveis dos projetos.

O centro irá fornecer o espaço necessário para a realização deste método de tradução da Bíblia e, finalmente, vai acelerar a conclusão de trechos bíblicos nas línguas locais que nunca antes tinham acesso às Escrituras.

Por exemplo, um tradutor nacional teve recentemente a oportunidade de compartilhar trechos da Bíblia com um soldado de fronteira no idioma nativo dele. Enquanto estava parado em um posto oficial, o tradutor usou o tempo para ler o texto, que chamou a atenção do soldado, o qual o reconheceu como alguém da mesma vila. O soldado perguntou ao tradutor se ele estava lendo em francês ou em Lingala, uma língua de comércio. O tradutor disse que ele estava escrevendo para sua esposa em Mayogo, uma das línguas vivas do Congo. O soldado perguntou como poderia aprender a ler e escrever em Mayogo. O tradutor deu a ele o necessário para aprender a ler em sua língua nativa, junto com as cópias dos livros do Novo Testamento de Lucas e Atos e um livreto de histórias da Bíblia - uma outra semente plantada.



Com informações do MNN/ Redação CPADNews
sábado, 24 de julho de 2010 1 comentários

Stryper: novo disco tem data de lançamento confirmada


Depois de encerrar a turnê comemorativa aos vinte e cinco anos de carreira, a banda de hard rock cristã STRYPER confirmou a data em que o seu novo álbum chegará às lojas. O disco, intitulado “The Covering”, será lançado no dia 13 de outubro pela Big3 Records.
Entre as composições do álbum, apenas uma música inédita, intitulada “God”. Como o nome “The Covering” indica, o CD contará com versões assinadas pelo STRYPER para diversos clássicos da música pesada. O primeiro single, “Heaven and Hell” (BLACK SABBATH), será lançado em breve via iTunes. O track-list completo do disco é:

01. SWEET - Set Me Free
02. SCORPIONS - Blackout
03. BLACK SABBATH - Heaven and Hell
04. UFO - Lights Out
05. KANSAS - Carry On Wayward Son
06. DEEP PURPLE - Highway Star
07. KISS - Shout It Out Loud
08. OZZY OSBOURNE - Over The Mountain
09. Iron Maiden - The Trooper
10. JUDAS PRIEST - Breaking The Law
11. VAN HALEN - On Fire
12. LED ZEPPELIN - Immigrant Song
13. God


Fonte: Whiplash!
sábado, 17 de julho de 2010 1 comentários

Slechtvalk: Fora de Evento por Ser Cristã

Slechtvalk informou the o show que a banda tinha agendado com a Enslaved 
que aconteceria em De Kade, Zaandam, Holanda, no dia 20 de Outubro foi cancelado. A razão para o cancelamento são rumores acerca da banda. Após receberem alguns emails de alguns Indivíduos Bitolados, a Enslaved teve a impressão que o Slechtvalk é um tipo de banda que segue a linha de banda evangelística como o Stryper. 
De acordo com o comunicado, o  Enslaved não toca com bandas de cunho Políticos ou Religiosos


Terça-Feira, Julho 13, 2010 
Show com Enslaved cancelado e por quê.
Salve todos,
 
Lamentamos informar que o nosso show com Enslaved, que deveria ter lugar em 20 de outubro em 'De Kade, Zaandam, foi cancelada.
 
O motivo do cancelamento foi que, após alguns e-mails de alguns indivíduos de mente estreita, a gestão de Enslaved tenho a impressão de que Slechtvalk é algum tipo de evangelizar banda de metal nas veias do Stryper.
Segundo a gerência, Enslaved não brincar com bandas religiosas ou políticas motivadas.

Enfim, existem muitos rumores espalhados pela internet, sobre a ideologia do Slechtvalk, alguns poderiam ter alguma verdade por trás dele, os outros são muito exagerados ou uma fantasia criada na imaginação de pessoas que nunca conheci nós, ouviu a nossa música ou visita-nos executar.
Nós sentimos que é hora de lançar alguma luz sobre o assunto:
 
Como Slechtvalk foi formado em 1999 por mim (Sangar) e eu escrevo mais letras de músicas para a banda, vou falar um pouco sobre mim:
Durante meus anos de colégio que eu comecei a escutar metal, Metallica em primeiro lugar, então bandas como Obituary, Six Feet Under, Death, Moonspell e My Dying Bride.Depois de alguns anos eu descobri blackmetal, Unlord primeiro, depois Dawn, Dark Funeral, Marduk, Immortal, Satyricon, Dimmu Borgir, etc etc Blackmetalmusic realmente conectado comigo, então eu comecei alguns projetos experimentais blackmetal da minha própria.Por causa do tema religioso das letras mais blackmetal eu comecei a me questionar o que eu pessoalmente acredito. 
Na época, eu conhecia ou se preocupava muito com o cristianismo, para salvar o significado de alguns feriados.Porque o ódio ao cristianismo exibido nas letras de várias das bandas acima referidas e nas atitudes de muitos metalheads, eu queria saber mais sobre o cristianismo. "O que é tão terrível que a odiá-lo com tal fúria", pensei. Leio a Bíblia e conectado comigo, blackmetal como fez. Embora eu vi muitas diferenças entre a teoria da Bíblia e da prática de vários grupos cristãos ou indivíduos no decorrer da história, a teoria parecia sólidos e válidos para mim e eu não vi nenhuma razão para julgar que só porque algumas pessoas como abusiva um meio para oprimir o povo.

Depois de um ano, durante o último ano do ensino médio, eu escrevi "Falcoaria" (que seria álbum Slechtvalk de estréia), que continha um pouco explícita letras cristãs, mas na época eu mal tinha a menor idéia sobre muitas coisas e apenas escreveu o letras que se esperava de mim, ou para manter algumas pessoas no meu bairro cristão direta satisfeito e minhas costas.
 
Eu sempre odiava quando as pessoas tentam forçar suas opiniões sobre mim e me assustou, após «falcoaria» para descobrir que eu estava voltando-se para ser como uma daquelas pessoas.Finalmente eu tinha crescido e já não me permitia ser influenciado pela mentalidade de outras pessoas estreitas ou força minhas próprias opiniões sobre os outros, mas queria descobrir o meu próprio caminho e dar aos outros a oportunidade de fazer o mesmo.

Por isso, quando Slechtvalk execuções ao vivo, nós só queremos nos divertir e dar às pessoas um bom show para olhar e boa música para ouvir. Todas as bandas que tocamos com posso dizer que mantivemos nossas opiniões para nós mesmos, a menos que foram convidados a partilhá-los e sempre mostrou respeito e se eles discordam apenas bebeu uma cerveja juntos e gozava de boa música.

Grandemente influenciado pelas obras de Tolkien e muitos contos que eu escrevi no passado para meu próprio uso, eu decidi criar meu próprio reino da fantasia e escrever a minha própria saga, com base em todas as coisas que eu experimentei em minha própria vida. As letras de Slechtvalk tornou-se como um jornal / diário para mim. Um meio de transmitir as minhas próprias experiências, medos, dores, alegrias e esperanças (ou a falta de esperança) em uma interessante história de fantasia mítica.Esta tem sido a base para todas as letras Slechtvalk desde nosso segundo álbum "A Guerra que assola a Terra e especialmente para" A Forlorn Throne ", que eu escrevi no últimos anos, quando eu estivesse profundamente deprimida e só queria para morrer, e sabia que muitos outros considerados ou tentaram o suicídio também.No final, foi a fé que me manteve, ou melhor, o medo ea raiva em relação a Deus, porque, tanto quanto eu tentei afastá-lo de meus pensamentos, eu já vi muita coisa para ser capaz de fazer isso e eu sabia muito bem , mas finalmente eu encontrei a paz com Ele, porém há muitas coisas que eu ainda tenho dúvidas sobre. Eu nunca vou saber tudo, até o dia que eu morrer, mas isso não me impede de tentar descobrir algumas coisas de qualquer maneira.

É verdade que algumas partes das histórias que eu escrevo reflete minha opinião pessoal sobre a vida, mas neste aspecto não é muito diferente, as obras de Tolkien, que contêm muitos elementos de sua própria crença católica.

Se isso é um motivo para você Slechtvalk boicote ou algo assim, então que seja a sua escolha. Nós realmente não me importo, nós amamos tocar a música que nós fazemos e dar ao público um bom momento, se há 100 ou mil pessoas presentes e há muitas pessoas que não estão interessados em qualquer banda de "Ideologia", mas só quero ouvir boa música, interpretada por pessoas que gostam de metal.

Estréia Slechtvalk Album "Falcoaria", que é considerada muito controversa com base em seu conteúdo lírico, vendeu mais cópias do que a maioria das outras Preto / releases viking metal e com os álbuns posteriores Slechtvalk conquistou o respeito de toda a cena inteira e provou-se a ser uma das melhores bandas BM holandês. O nosso último álbum 'A Forlorn Trono "tem recebido excelentes críticas de toda a Europa, mesmo com toda a controvérsia sobre a ideologia do Slechtvalk" e vários já sugeriram que ele seja um dos top Viking extremo / releases metal-negro de 2010. 

Com a nossa música já provamos que o metal flui através do nosso sangue e nos últimos 10 anos mostrou que nós respeitamos a opinião de cada pessoa e que mantemos a nossa própria opinião a nós mesmos, a não ser perguntado sobre isso.Acabamos de lhe pedir para fazer o mesmo.
 
Saúda a todos e até chifres!

Sangar do nome do Slechtvalk


Read more:http://blogs.myspace.com/index.cfm?fuseaction=blog.view&friendId=151586218&blogId=537046782#ixzz0twcugD5C
quinta-feira, 15 de julho de 2010 0 comentários

Motoqueiros tatuados cruzam os Estados Unidos para pregar o Evangelho



O sol da Califórnia bate forte sobre as imensas planícies desérticas. O calor é intenso, mas o pastor Fred Z não se importa. Vestindo seu traje habitual – calça jeans, camiseta escura e jaqueta de couro preto -, ele monta em sua moto Harley Davidson, dá a partida no barulhento motor de dois cilindros em V e parte para sua missão: “levar o evangelho para os renegados desse mundo”.
Fred Zariczny, de 56 anos, é o líder e fundador da Bikers for Christ (BFC, “motociclistas por Cristo”), grupo com cerca de 4.000 membros que há 20 anos percorre 49 Estados americanos e 16 países no mundo promovendo cultos e eventos de caridade. Fundado em 1990, na Califórnia, o BFC agrega pessoas de diversas igrejas, por isso é chamado de “ministério multidenominacional” por seus membros.
Pouca coisa no BFC lembra uma igreja tradicional. Barbudos, tatuados e com cara de malvados, os pastores e membros do grupo chamam muita atenção por onde passam, tanto pelo visual quanto pelo barulho que suas motocicletas fazem. Fred Z conta que, nos primeiros anos de ministério, isso chegou a ser um obstáculo.
- As pessoas trancavam as crianças em casa, com medo de que fôssemos estuprar e matar todo mundo. Hoje, isso mudou, e a receptividade melhorou bastante.
Mesmo ganhando a simpatia dos mais ‘caretas’, o foco dos motociclistas não é exatamente o público que já frequenta igrejas. O site do grupo deixa a missão bem clara: “Alguns querem viver entre os sinos das igrejas, nós queremos conduzir uma missão de resgate a um metro do inferno”.
Prisioneiros, renegados e foras-da-lei

Fred Z explica que, para os membros do BFC, a missão de levar a palavra de Deus é especialmente importante quando o alvo são os “renegados pela sociedade”.
- Trabalhamos com prisioneiros, pessoas que têm problemas com drogas, gente que a sociedade exclui de uma maneira geral.
O pastor usa a própria história para ilustrar o que chama de sua “missão”.
- Antes de me tornar cristão, eu tive muitos problemas com drogas. Depois que me converti, disseram que eu teria que parar de andar de motocicleta e de ouvir rock n´ roll, mas fui ler a Bíblia e não vi nada disso. Por isso decidi que minha missão seria levar o evangelho a pessoas como eu.
Mike Cash, de 61 anos, conhecido como Papa Mike, é o representante do BFC na região de Indian Wells, também na Califórnia. Ele explica que, além de espalhar a palavra de Deus aos renegados pela sociedade, o grupo promove eventos para arrecadar fundos para instituições de caridade.
- O trabalho é feito em reuniões mensais, arrecadamos dinheiro para diversas instituições de caridade e ajudamos muita gente.
Cash afirma que o grupo cresce à medida que agrega não só os renegados, mas também pessoas que se identificam com a causa.
- Se o sujeito é cristão e anda de motocicleta, ele acaba se juntando a nós.
O pastor Fred Z diz que, mais do que uma missão, o BFC foi a maneira que ele encontrou de salvar a própria vida.
- Aos 14 anos, eu era formado em drogas, sexo e depressão. Depois de ser preso, quase morrer em um acidente e de ter que aprender a andar novamente, vi que era o momento de mudar.

Fonte: R7 / Gospel+

sábado, 31 de julho de 2010

Bíblia traduzida chega à República do Congo


Bíblia traduzida chega à República do CongoSão profundas as feridas da guerra na República Democrática do Congo. As tensões são tão variadas como as tribos que vivem na região. Por isso, cristãos lutam para traduzir a Bíblia aos nativos. Entre os mais de 3,6 milhões de habitantes da República, há 62 línguas vivas faladas, de acordo com o Ethnologue SIL Internacional. Além disso, mais de 200 grupos étnicos africanos são encontrados no país.

No Norte, existe uma unidade da Wycliffe Associates. O presidente da organização, Bruce Smith, explica que agora é o momento para atacar. “Por causa da paz em curso nesta área e das oportunidades que temos de fazer esse investimento, nós queremos ter certeza de que podemos equipar a população local para fazer a tradução da Bíblia".

Isso é o que Wycliffe Associates faz de melhor. A organização internacional mobiliza voluntários e recursos em apoio aos esforços de tradução da Bíblia.

A Bíblia no Congo será fundamental para a pacificação. "Todos esses conflitos étnicos só vão ser alterados e impactados quando a Palavra de Deus e Deus mudar de verdade os corações e as mentes das pessoas".

Wycliffe Associates observa que, devido à grande necessidade de tradução, a maneira mais eficaz para acelerar o acesso à Bíblia nas línguas do país é equipando e envolvendo cidadãos em todos os níveis dos projetos.

O centro irá fornecer o espaço necessário para a realização deste método de tradução da Bíblia e, finalmente, vai acelerar a conclusão de trechos bíblicos nas línguas locais que nunca antes tinham acesso às Escrituras.

Por exemplo, um tradutor nacional teve recentemente a oportunidade de compartilhar trechos da Bíblia com um soldado de fronteira no idioma nativo dele. Enquanto estava parado em um posto oficial, o tradutor usou o tempo para ler o texto, que chamou a atenção do soldado, o qual o reconheceu como alguém da mesma vila. O soldado perguntou ao tradutor se ele estava lendo em francês ou em Lingala, uma língua de comércio. O tradutor disse que ele estava escrevendo para sua esposa em Mayogo, uma das línguas vivas do Congo. O soldado perguntou como poderia aprender a ler e escrever em Mayogo. O tradutor deu a ele o necessário para aprender a ler em sua língua nativa, junto com as cópias dos livros do Novo Testamento de Lucas e Atos e um livreto de histórias da Bíblia - uma outra semente plantada.



Com informações do MNN/ Redação CPADNews

sábado, 24 de julho de 2010

Stryper: novo disco tem data de lançamento confirmada


Depois de encerrar a turnê comemorativa aos vinte e cinco anos de carreira, a banda de hard rock cristã STRYPER confirmou a data em que o seu novo álbum chegará às lojas. O disco, intitulado “The Covering”, será lançado no dia 13 de outubro pela Big3 Records.
Entre as composições do álbum, apenas uma música inédita, intitulada “God”. Como o nome “The Covering” indica, o CD contará com versões assinadas pelo STRYPER para diversos clássicos da música pesada. O primeiro single, “Heaven and Hell” (BLACK SABBATH), será lançado em breve via iTunes. O track-list completo do disco é:

01. SWEET - Set Me Free
02. SCORPIONS - Blackout
03. BLACK SABBATH - Heaven and Hell
04. UFO - Lights Out
05. KANSAS - Carry On Wayward Son
06. DEEP PURPLE - Highway Star
07. KISS - Shout It Out Loud
08. OZZY OSBOURNE - Over The Mountain
09. Iron Maiden - The Trooper
10. JUDAS PRIEST - Breaking The Law
11. VAN HALEN - On Fire
12. LED ZEPPELIN - Immigrant Song
13. God


Fonte: Whiplash!

sábado, 17 de julho de 2010

Slechtvalk: Fora de Evento por Ser Cristã

Slechtvalk informou the o show que a banda tinha agendado com a Enslaved 
que aconteceria em De Kade, Zaandam, Holanda, no dia 20 de Outubro foi cancelado. A razão para o cancelamento são rumores acerca da banda. Após receberem alguns emails de alguns Indivíduos Bitolados, a Enslaved teve a impressão que o Slechtvalk é um tipo de banda que segue a linha de banda evangelística como o Stryper. 
De acordo com o comunicado, o  Enslaved não toca com bandas de cunho Políticos ou Religiosos


Terça-Feira, Julho 13, 2010 
Show com Enslaved cancelado e por quê.
Salve todos,
 
Lamentamos informar que o nosso show com Enslaved, que deveria ter lugar em 20 de outubro em 'De Kade, Zaandam, foi cancelada.
 
O motivo do cancelamento foi que, após alguns e-mails de alguns indivíduos de mente estreita, a gestão de Enslaved tenho a impressão de que Slechtvalk é algum tipo de evangelizar banda de metal nas veias do Stryper.
Segundo a gerência, Enslaved não brincar com bandas religiosas ou políticas motivadas.

Enfim, existem muitos rumores espalhados pela internet, sobre a ideologia do Slechtvalk, alguns poderiam ter alguma verdade por trás dele, os outros são muito exagerados ou uma fantasia criada na imaginação de pessoas que nunca conheci nós, ouviu a nossa música ou visita-nos executar.
Nós sentimos que é hora de lançar alguma luz sobre o assunto:
 
Como Slechtvalk foi formado em 1999 por mim (Sangar) e eu escrevo mais letras de músicas para a banda, vou falar um pouco sobre mim:
Durante meus anos de colégio que eu comecei a escutar metal, Metallica em primeiro lugar, então bandas como Obituary, Six Feet Under, Death, Moonspell e My Dying Bride.Depois de alguns anos eu descobri blackmetal, Unlord primeiro, depois Dawn, Dark Funeral, Marduk, Immortal, Satyricon, Dimmu Borgir, etc etc Blackmetalmusic realmente conectado comigo, então eu comecei alguns projetos experimentais blackmetal da minha própria.Por causa do tema religioso das letras mais blackmetal eu comecei a me questionar o que eu pessoalmente acredito. 
Na época, eu conhecia ou se preocupava muito com o cristianismo, para salvar o significado de alguns feriados.Porque o ódio ao cristianismo exibido nas letras de várias das bandas acima referidas e nas atitudes de muitos metalheads, eu queria saber mais sobre o cristianismo. "O que é tão terrível que a odiá-lo com tal fúria", pensei. Leio a Bíblia e conectado comigo, blackmetal como fez. Embora eu vi muitas diferenças entre a teoria da Bíblia e da prática de vários grupos cristãos ou indivíduos no decorrer da história, a teoria parecia sólidos e válidos para mim e eu não vi nenhuma razão para julgar que só porque algumas pessoas como abusiva um meio para oprimir o povo.

Depois de um ano, durante o último ano do ensino médio, eu escrevi "Falcoaria" (que seria álbum Slechtvalk de estréia), que continha um pouco explícita letras cristãs, mas na época eu mal tinha a menor idéia sobre muitas coisas e apenas escreveu o letras que se esperava de mim, ou para manter algumas pessoas no meu bairro cristão direta satisfeito e minhas costas.
 
Eu sempre odiava quando as pessoas tentam forçar suas opiniões sobre mim e me assustou, após «falcoaria» para descobrir que eu estava voltando-se para ser como uma daquelas pessoas.Finalmente eu tinha crescido e já não me permitia ser influenciado pela mentalidade de outras pessoas estreitas ou força minhas próprias opiniões sobre os outros, mas queria descobrir o meu próprio caminho e dar aos outros a oportunidade de fazer o mesmo.

Por isso, quando Slechtvalk execuções ao vivo, nós só queremos nos divertir e dar às pessoas um bom show para olhar e boa música para ouvir. Todas as bandas que tocamos com posso dizer que mantivemos nossas opiniões para nós mesmos, a menos que foram convidados a partilhá-los e sempre mostrou respeito e se eles discordam apenas bebeu uma cerveja juntos e gozava de boa música.

Grandemente influenciado pelas obras de Tolkien e muitos contos que eu escrevi no passado para meu próprio uso, eu decidi criar meu próprio reino da fantasia e escrever a minha própria saga, com base em todas as coisas que eu experimentei em minha própria vida. As letras de Slechtvalk tornou-se como um jornal / diário para mim. Um meio de transmitir as minhas próprias experiências, medos, dores, alegrias e esperanças (ou a falta de esperança) em uma interessante história de fantasia mítica.Esta tem sido a base para todas as letras Slechtvalk desde nosso segundo álbum "A Guerra que assola a Terra e especialmente para" A Forlorn Throne ", que eu escrevi no últimos anos, quando eu estivesse profundamente deprimida e só queria para morrer, e sabia que muitos outros considerados ou tentaram o suicídio também.No final, foi a fé que me manteve, ou melhor, o medo ea raiva em relação a Deus, porque, tanto quanto eu tentei afastá-lo de meus pensamentos, eu já vi muita coisa para ser capaz de fazer isso e eu sabia muito bem , mas finalmente eu encontrei a paz com Ele, porém há muitas coisas que eu ainda tenho dúvidas sobre. Eu nunca vou saber tudo, até o dia que eu morrer, mas isso não me impede de tentar descobrir algumas coisas de qualquer maneira.

É verdade que algumas partes das histórias que eu escrevo reflete minha opinião pessoal sobre a vida, mas neste aspecto não é muito diferente, as obras de Tolkien, que contêm muitos elementos de sua própria crença católica.

Se isso é um motivo para você Slechtvalk boicote ou algo assim, então que seja a sua escolha. Nós realmente não me importo, nós amamos tocar a música que nós fazemos e dar ao público um bom momento, se há 100 ou mil pessoas presentes e há muitas pessoas que não estão interessados em qualquer banda de "Ideologia", mas só quero ouvir boa música, interpretada por pessoas que gostam de metal.

Estréia Slechtvalk Album "Falcoaria", que é considerada muito controversa com base em seu conteúdo lírico, vendeu mais cópias do que a maioria das outras Preto / releases viking metal e com os álbuns posteriores Slechtvalk conquistou o respeito de toda a cena inteira e provou-se a ser uma das melhores bandas BM holandês. O nosso último álbum 'A Forlorn Trono "tem recebido excelentes críticas de toda a Europa, mesmo com toda a controvérsia sobre a ideologia do Slechtvalk" e vários já sugeriram que ele seja um dos top Viking extremo / releases metal-negro de 2010. 

Com a nossa música já provamos que o metal flui através do nosso sangue e nos últimos 10 anos mostrou que nós respeitamos a opinião de cada pessoa e que mantemos a nossa própria opinião a nós mesmos, a não ser perguntado sobre isso.Acabamos de lhe pedir para fazer o mesmo.
 
Saúda a todos e até chifres!

Sangar do nome do Slechtvalk


Read more:http://blogs.myspace.com/index.cfm?fuseaction=blog.view&friendId=151586218&blogId=537046782#ixzz0twcugD5C

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Motoqueiros tatuados cruzam os Estados Unidos para pregar o Evangelho



O sol da Califórnia bate forte sobre as imensas planícies desérticas. O calor é intenso, mas o pastor Fred Z não se importa. Vestindo seu traje habitual – calça jeans, camiseta escura e jaqueta de couro preto -, ele monta em sua moto Harley Davidson, dá a partida no barulhento motor de dois cilindros em V e parte para sua missão: “levar o evangelho para os renegados desse mundo”.
Fred Zariczny, de 56 anos, é o líder e fundador da Bikers for Christ (BFC, “motociclistas por Cristo”), grupo com cerca de 4.000 membros que há 20 anos percorre 49 Estados americanos e 16 países no mundo promovendo cultos e eventos de caridade. Fundado em 1990, na Califórnia, o BFC agrega pessoas de diversas igrejas, por isso é chamado de “ministério multidenominacional” por seus membros.
Pouca coisa no BFC lembra uma igreja tradicional. Barbudos, tatuados e com cara de malvados, os pastores e membros do grupo chamam muita atenção por onde passam, tanto pelo visual quanto pelo barulho que suas motocicletas fazem. Fred Z conta que, nos primeiros anos de ministério, isso chegou a ser um obstáculo.
- As pessoas trancavam as crianças em casa, com medo de que fôssemos estuprar e matar todo mundo. Hoje, isso mudou, e a receptividade melhorou bastante.
Mesmo ganhando a simpatia dos mais ‘caretas’, o foco dos motociclistas não é exatamente o público que já frequenta igrejas. O site do grupo deixa a missão bem clara: “Alguns querem viver entre os sinos das igrejas, nós queremos conduzir uma missão de resgate a um metro do inferno”.
Prisioneiros, renegados e foras-da-lei

Fred Z explica que, para os membros do BFC, a missão de levar a palavra de Deus é especialmente importante quando o alvo são os “renegados pela sociedade”.
- Trabalhamos com prisioneiros, pessoas que têm problemas com drogas, gente que a sociedade exclui de uma maneira geral.
O pastor usa a própria história para ilustrar o que chama de sua “missão”.
- Antes de me tornar cristão, eu tive muitos problemas com drogas. Depois que me converti, disseram que eu teria que parar de andar de motocicleta e de ouvir rock n´ roll, mas fui ler a Bíblia e não vi nada disso. Por isso decidi que minha missão seria levar o evangelho a pessoas como eu.
Mike Cash, de 61 anos, conhecido como Papa Mike, é o representante do BFC na região de Indian Wells, também na Califórnia. Ele explica que, além de espalhar a palavra de Deus aos renegados pela sociedade, o grupo promove eventos para arrecadar fundos para instituições de caridade.
- O trabalho é feito em reuniões mensais, arrecadamos dinheiro para diversas instituições de caridade e ajudamos muita gente.
Cash afirma que o grupo cresce à medida que agrega não só os renegados, mas também pessoas que se identificam com a causa.
- Se o sujeito é cristão e anda de motocicleta, ele acaba se juntando a nós.
O pastor Fred Z diz que, mais do que uma missão, o BFC foi a maneira que ele encontrou de salvar a própria vida.
- Aos 14 anos, eu era formado em drogas, sexo e depressão. Depois de ser preso, quase morrer em um acidente e de ter que aprender a andar novamente, vi que era o momento de mudar.

Fonte: R7 / Gospel+
 
;